Direito ao esquecimento: na sociedade informacional há espaço para o epílogo da máquina de tortura kafkiana?

Alexandre Antonio Bruno da Silva, Marlea Nobre Costa Maciel

Resumo


O presente trabalho trata do direito ao esquecimento na sociedade informacional. A informação, na sociedade em rede, surge dos mais diferentes pontos, caracterizando-se pela sua intemporalidade. Ao mesmo tempo que surge, rapidamente desaparece, tornando-se perene. A informação colocada na internet nunca é verdadeiramente esquecida. Rompe-se com a noção do tempo, prejudicando-se muitas vezes projetos de vida. É preciso saber esquecer. Na análise, utiliza-se como base a pesquisa bibliográfica, por meio de livros, artigos publicados em coletâneas e periódicos, decisões judiciais e regulamentações que ilustram a presença do tema no contexto brasileiro e internacional. Verifica-se a fragilidade e a não uniformidade dos julgados em relação aos aplicativos de busca. Acredita-se que são os motores de busca que, por vezes, fazem o trabalho da máquina de tortura kafkiana. É através deles que é desrespeitado o direito ao esquecimento, o que demonstra as implicações sociais e o valor do artigo para a sociedade. Analisa-se as soluções adotadas pelos Estados Unidos e União Europeia. Constata-se a necessidade de regulação, para que sejam evitados abusos e para que se garanta a dignidade.

Palavras-chave


Direito ao Esquecimento; Motor de Busca; Morte Social; Dano Existencial; Kafka

Texto completo:

Pdf

Referências


BAUMAN. Zygmut. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BAUMAN. Zygmut. Vidas desperdiçadas. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

BAYER, Diego. Na série “Julgamentos Históricos”: Aida Curi, o Júri que marcou uma época. Carta Capital. Disponível em: . Acesso em 14 out. 2017.

BENNETT, Steven C. The "Right to Be Forgotten": Reconciling EU and US Perspectives, Berkeley Journal of International Law. Vol 30, Issue 1, Article 4, p. 161-195. BerkeleyJ. Int'lLaw. 161 (2012). Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2017.

BRASIL. Poder Judiciário. Superior Tribunal de Justiça. Agravo em Recurso Especial n. 573.215 - RS (2014/0220052-1). Agravante: ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Agravado: AFRANIO FRANCISCO COSTA. Relator: MINISTRO SÉRGIO KUKINA. Disponível em: . Acesso em: 24 out. 2017.

BRASIL. Poder Judiciário. Superior Tribunal de Justiça. Agravo em Recurso Especial n. 690.054 - SP (2015/0075096-3). Agravante: GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA. Agravado: HANIEL MÁRCIO HITNER ROCHA DA SILVA. Relator: MINISTRO MARCO AURÉLIO BELLIZZE. Disponível em: . Acesso em: 24 out. 2017.

BRASIL. Poder Judiciário. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial n. 1.434.498 - SP (2013/0416218-0). Recorrente: CARLOS ALBERTO BRILHANTE USTRA. Recorrido: CÉSAR AUGUSTO TELES e outros. Relatora: MINISTRA NANCY ANDRIGHI. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2017.

BRASIL. Poder Judiciário. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial Nº 1.334.097 - RJ (2012/0144910-7). Recorrente: GLOBO COMUNICAÇÕES E PARTICIPAÇÕES S/A. Recorrido: JURANDIR GOMES DE FRANÇA. Relator: MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2017.

BRASIL. Poder Judiciário. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial n. 1.316.921 - RJ (2011⁄0307909-6). Recorrente: GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA. Recorrido: MARIA DA GRAÇA XUXA MENEGHEL. Relatora: MINISTRA NANCY ANDRIGHI. Disponível em: . Acesso em: 24 out. 2017.

BRASIL. Poder Judiciário. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial n. 1.192.208 - MG (2010⁄0079120-5). Recorrente: GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA. Recorrido: ROBERTO SANTOS BARBIERI. Relatora: MINISTRA NANCY ANDRIGHI. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2017.

BRASIL. Poder Judiciário. Supremo Tribunal federal. Recurso Extraordinário n. 1010606. Recorrente: NELSON CURI E OUTRO(A/S). Recorrido: GLOBO COMUNICACAO E PARTICIPACOES S/A. Relator: MIN. DIAS TOFFOLI. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2017.

BRASIL. Poder Judiciário. Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Apelação Cível. 0363103-46.2013.8.19.0001. Apelante: GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA. Apelado: OS MESMOS. Relatora: DES. CLAUDIA PIRES DOS SANTOS FERREIRA. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2017.

BRASIL. Poder Legislativo. Lei 12.965/2014 - Marco Civil da Internet. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2017.

CALVINO, Ítalo. Invisible Cities. New York: Harcourt Brace Jovanovich, 1974.

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede. Tad. Roneide Venancio Majer. 17ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2016.

CASTRO, Jessica Luana. Relações de bolso: Sobre o estado paradoxal de se relacionar diante da fluidez das relações modernas. TRENDR. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2017.

CHAFFEY, Dave; ELLIS-CHADWICK, Fiona, JOHNSTON, Kevin; MAYER, Richard. Internet Marketing: strategy, implementation and practice. 3ª. Ed. Harlow: Prentice Hall, 2006.

COMISSÃO EUROPEIA. Comunicação da comissão ao parlamento europeu, ao conselho, ao comité económico e social europeu e ao comité das regiões: Uma abordagem global da protecção de dados pessoais na União Europeia. Disponível em: . Acesso em: 24 out. 2017.

CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Caso Loayza Tamayo Vs. Perú. Disponível em: http://www.corteidh.or.cr/docs/casos/articulos/seriec_42_esp.pdf . Acesso em: 24 out. 2017

ESTADOS UNIDOS. Califórnia. Senate Bill nº 568. Disponível em: https://leginfo.legislature.ca.gov/faces/billNavClient.xhtml?bill_id=201320140SB568. Acesso em: 10 out. 2017.

FICO, Carlos. A negociação parlamentar da anistia de 1979 e o chamado "perdão aos torturadores". Revista Anistia Política e Justiça de Transição. nº 4. Jul/dez 2010. Brasília: Ministério da Justiça, 2011.

FOLHA DE SÃO PAULO. Em debate no STF, especialistas divergem sobre direito a esquecimento. Disponível em: . Acesso em 14 out. 2017.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2017.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. 20. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

KAFKA, Franz. A metamorfose. Trad. Modesto Carone. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

KAFKA, Franz. O Castelo. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

KAFKA, Franz. O veredicto e na colônia Penal. Trad. Modesto Carone. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

KAFKA, Franz. Um artista da fome e a construção. Trad. Modesto Carone. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

KLIMA, Ivan. Love and Garbage. Trad. Ewald Osers. Londres: Vintage, 2002.

LIMA, Erik Noleta Kirk Palma. Direito ao esquecimento: discussão europeia e sua repercussão no Brasil. Revista de Informação Legislativa. Brasília: Senado Federal. Disponível em: . Acesso em: 24 out. 2017.

LIMA, Erik Noleta Kirk Palma. Direito ao esquecimento: discussão europeia e sua repercussão no Brasil. Revista de Informação Legislativa. Brasília: Senado Federal. Disponível em: . Acesso em: 24 out. 2017.

MARIZ, Renata. Direito ao esquecimento não pode ferir o coletivo, diz Cármen. Infoglobo/O Globo. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2017.

MARTINS, Flávio Alves. Defesa do consumidor na rede. Revista da Faculdade de Direito de Campos, Ano IV, Nº 4 e Ano V, Nº 5 - 2003-2004. p. 141-165. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2017.

MORAES, Hélio Ferreira. Conceito dos buscadores: Buscador não é provedor de conteúdo!!! É índice de conteúdos!!!!. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2017.

NEWMAN, Saul. Stirner e Foucault: em direção a uma liberdade pós-kantiana. Verve. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2017.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Crepúsculo dos Ídolos: filosofia a golpes de martelo. Trad. Edson Bini e Márcio Pugliesi. São Paulo: Hemus, 1984.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Fragmentos do espólio: primavera de 1884 a outono de 1885. Trad. Flávio R. Kothe. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2008.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Segunda Consideração Intempestiva: da vantagem e desvantagem da história para a vida.Trad. Marco Antonio Casanova. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE. Grave problema de saúde pública, suicídio é responsável por uma morte a cada 40 segundos no mundo. Disponível em: . Acesso em 14 out. 2017.

RUSTAD, Michael L; KULEVSKA, Sanna. Reconceptualizing the Right to Be Forgotten to Enable Transatlantic Data Flow (July 6, 2015). Harvard Journal of Law and Technology, Vol. 28, p. 349-417, 2015; Suffolk University Law School Research Paper No. 15-27. Disponível em: https://ssrn.com/abstract=2627383. Acesso em: 29 out. 2017.

SCHREIBER, Anderson. Nossa ordem jurídica não admite proprietários de passado. Consultor Jurídico. Disponível em: . Acesso em 14 out. 2017.

SESSAREGO, Carlos Fernández. Apuntes sobre el daño a la persona. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2017.

SESSAREGO, Carlos Fernández. El “dano a la libertad fenomênica” o “daño al proyeto de vida” em el escenario jurídico contemporâneo. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2017.

SILVA, Alexandre Antonio Bruno da. Nietzsche: Justiça e Direito. São Paulo: Lumen Juris, 2015.

SOARES, Flaviana Rampazzo. Responsabilidade Civil por Dano Existencial. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2009.

VI JORNADA DE DIREITO CIVIL. Enunciados aprovados na VI jornada de direito civil. Migalhas. Disponível em: . Acesso em 14 out. 2017.

VOLOKH, Eugene; FALK, Donald M. First Amendment Protection for Search Engine Search Results -- White Paper Commissioned by Google (April 20, 2012). UCLA School of Law Research Paper No. 12-22. Disponível em: https://ssrn.com/abstract=2055364. Acesso em 29 out. 2017.

WALTER, Robert Kirk. The Right to be Forgotten. 64 Hastings Law Journal 257, December 2012, p. 256-286. Disponível em: https://ssrn.com/abstract=2017967. Acesso em 22 out. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v7i3.4905

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia