Economia, ética e tributação: dos fundamentos da desigualdade

Rafael Köche, Marciano Buffon

Resumo


Nos últimos anos, uma forma de conceber a economia se tornou dominante, uma compreensão da economia enquanto “engenharia”. Nesse sentido, a economia passa a ser vista como um problema de gestão, de logística, como se a resolução dos problemas econômicos tivesse que ser feita a partir de “modelos matemáticos”. Neste ensaio, ao contrário, o que se buscou foi resgatar a economia enquanto um problema filosófico, economia como “ética”, explicando o fenômeno econômico por meio da imersão deste num contexto de intersubjetividade que caracteriza as relações humanas. A problemática estabelecida por esse pano de fundo avalia especificadamente a relação entre economia e tributação, uma vez que o Estado passa a ser um agente fundamental na economia moderna, sendo a tributação a principal forma de intervenção econômica estatal atualmente. A partir dessa relação, se estabelece a interrogação central deste trabalho: qual a relação entre economia, ética e tributação? Constatou-se que as discussões acerca desses três pontos são pautadas por um critério de fundamentação, que sempre apostam em algum tipo de noção de igualdade. Desse modo, para discutir a justeza de determinadas relações econômicas ou a legitimidade de determinada forma de tributação, há um necessário enfrentamento da teoria política que sustenta a noção de igualdade de uma determinada comunidade, uma vez que será a partir dessa noção que serão estabelecidos os limites da desigualdade aceitável e o papel dos agentes nas relações econômicas e tributárias.

Palavras-chave


Filosofia da Economia; Ética; Tributação; Igualdade.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max. Indústria cultural e sociedade. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

BALEEIRO, Aliomar. Direito tributário brasileiro. 11. ed. Atual. Misabel Abreu Machado Derzi. Rio de Janeiro: Forense, 2003.

BUFFON, Marciano. Tributação e dignidade humana: entre os direitos e os deveres fundamentais. 2 ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2009.

BUFFON, Marciano; MATOS, Mateus Bassani de. Benefícios fiscais: uma abordagem à luz da cidadania fiscal e da legitimação constitucional da extrafiscalidade. Revista da Ajuris, Porto Alegre, v. 40, n. 130, p. 245- 280, jun. 2013.

CARRAZZA, Roque Antonio. Imposto sobre a renda: perfil constitucional e temas específicos. São Paulo: Malheiros, 2005.

CASTORIADIS, Cornelius. A instituição imaginária da sociedade. Trad. Guy Reynaud. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

COMTE-SPONVILLE, André. O capitalismo é moral? sobre algumas coisas ridículas e as tiranias do nosso tempo. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

COURNOT, Augustin. Investigaciones acerca de los principios matematicos de la teoria de las riquezas. Madrid: Alianza, 1969.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. São Paulo: Coletivo Periferia, 2003.

EDGEWORTH, Francis Y. Mathematical psychics: an essay on the application of mathematics to the moral sciences. London: Kegan Paul, 1881. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2013.

EDGEWORTH, Francis Y. The Theory of Distribution. Quaterly Journal of Economics. 1909. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2013.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade. A Vontade de Saber. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 14.ed. Rio de Janeiro: Graal, 2001. v. 1.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Trad. Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: história da violência das prisões. 24 ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2001.

FRIEDMAN, Milton. Capitalismo e liberdade. São Paulo: abril Cultural, 1984.

HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública. Trad. Flávio R. Kothe. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

VON HAYEK, Friedrich A. O caminho da servidão. 5. ed. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 1990.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. 7. ed. Trad. Márcia de Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis: Vozes, 2012.

KEYNES, John Maynard. Teoria geral do emprego, do juro e da moeda. Trad. Mário Ribeiro da Cruz. São Paulo: Atlas, 1992.

LEFORT, Claude. As formas da história. São Paulo: Brasiliense, 1979.

LIPOVETSKY, Gilles. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. Trad. Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Trad. Reginaldo Sant’anna. 21. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971.

MENGER, Carl. Princípios de economia política. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

MILL, John Stuart. Princípios de economia política: com algumas de suas aplicações à filosofia social. Trad. Luiz João Baraúna. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

MISES, Ludwig Von. Ação humana: um tratado de economia. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 1990.

MORAIS, José Luis Bolzan. As crises do estado e da constituição e a transformação do espaço-temporal dos direitos humanos. 2 ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2011.

NABAIS, Casalta José. O dever fundamental de pagar impostos. Coimbra: Almedina, 2004.

NABAIS, Casalta José. Por um estado fiscal suportável: estudos de direito fiscal. Coimbra: Almedina, 2005.

OLIVEIRA, Manfredo Araújo de. Ética e economia. São Paulo: Ática, 1995.

PETTY, William. Tratado dos impostos e contribuições. São Paulo: abril Cultura, 1983.

QUESNAY, François. Quadro económico: análise das variações do rendimento de uma nação. Trad. Teodora Cardoso. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1985.

RICARDO, David. Princípios de economia política e de tributação. Trad. Maria Adelaide Ferreira. 4. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

RICOEUR, Paul. Le paradigme de la traduction. Ésprit, p. 8-19, jun. 1999. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2013.

ROCHA, Leonel Severo. A problemática jurídica: uma introdução transdisciplinar. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 1985.

SEN, Amartya Kumar. Desenvolvimento como liberdade. Trad. Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

SEN, Amartya Kumar. Sobre ética e economia. Trad. Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

SMITH, Adam. Inquérito sobre a natureza e as causas da riqueza das nações. 2. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1987. v. 1.

SMITH, Adam. Inquérito sobre a natureza e as causas da riqueza das nações. 2. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1987. v.2

STIGLER, George Joseph. The Theory of Economic Regulation. Bell Journal of Economics and Management Science, v. 2, n. 1, p. 3–21, Spring, 1971. Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2013.

STIGLITZ, Joseph Eugene. A globalização e seus malefícios. São Paulo: Futura Editora, 2002a.

STIGLITZ, Joseph Eugene. There is no invisible hand. The Guardian, Comment, Friday 20 dez. 2002b. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2013

TAYLOR, Charles. As fontes do self: a construção da identidade moderna. Trad. Adail Ubirajara Sobral e Dinah de Abreu Azevedo. São Paulo: Loyola, 1997.

TEIXEIRA, Anderson Vichinkeski. Teoria pluriversalista do direito internacional. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

TIPKE, Klaus; LANG, Joachim. Direito Tributário (Steuerrecht). Trad. Luiz Dória Furquim. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris, 2008. v. 1.

TORRES, Ricardo Lobo. Tratado de direito constitucional financeiro e tributário: valores e princípios constitucionais tributários. Rio de Janeiro: Renovar, 2005. v.2.

TORRES, Ricardo Lobo. Tratado de direito constitucional financeiro e tributário: os direitos humanos e a tributação: imunidades e isonomia. Rio de Janeiro: Renovar, 1999. v. 3.

WALRAS, Léon. Compêndio dos elementos da economia política pura. Trad. João Guilherme Vargas Netto. São Paulo: Círculo do Livro, 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v5i1.2949

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia