O outro e sua identidade: políticas públicas de remoção e o caso dos agricultores do parque estadual da Pedra Branca/RJ

Andreza Aparecida Franco Câmara

Resumo


O presente artigo pretende analisar as políticas públicas de remoção no Rio de Janeiro e a questão da identidade do grupo de agricultores que se encontram no entorno do Parque Estadual da Pedra Branca (PEPB), compreendendo o fenômeno da autoidentidade a partir da reorganização do tempo e do espaço nas sociedades de redes. Será examinado o caso dos agricultores instalados anteriormente a constituição do Parque Estadual da Pedra Branca, em Jacarepaguá, a formação do Conselho Consultivo do Parque e a atuação do governo do estado do Rio de Janeiro ao adotar uma política de remoção desses assentados, bem como o conjunto de informações que são repassadas aos conselheiros e demais interessados, como aquelas encaminhas a mídia, apresentando um cenário excludente e criminalizador dos pequenos produtores. Para tanto, serão utilizadas como metodologia de estudo a revisão de literatura sobre o tema, pesquisa de dados constantes nos arquivos do Conselho do Parque, bem como relato de alguns conselheiros sobre o problema abordado e analise de informações colhidas na mídia sobre a participação dos agricultores nos crimes ambientais situados no Parque.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Maurício. Evolução urbana do Rio de Janeiro. 4. ed. Rio de Janeiro: IPP, 2006.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e ambivalência. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1999.

BAUMAN, Zygmunt.. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Trad. Fernando Tomaz. 14. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Luís Roberto. Existe violência sem agressão moral? Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 23, n. 67, p. 135-146.

CASTELLS, Manuel. O poder da identidade - A era da informação: economia, sociedade e cultura. Trad. Klauss Brandini Gerhardt. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996. v. 2.

COHEN, Marcos. Avaliação do uso de estratégias colaborativas na gestão de unidades de conservação do tipo parque na cidade do Rio de Janeiro. 2007. 341 p. Tese (Doutorado em Administração) - Pontifícia Universidade Católica PUC, Rio de Janeiro, 2007.

DIEGUES, Antônio Carlos. O mito moderno da natureza intocada. 4. ed. São Paulo: Annablume/Hucitec, 2002.

FERNANDEZ, Annelise Caetano Fraga. Um parque no sertão carioca dos anos 70 aos dias de hoje. O que mudou na política de conservação? In: REUNIÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA, 26., 2008. p.

Disponível em:< . Acesso em: 20 de set. 2011.

FOSTER, George. What is a peasant? In: POTTER, J.; DIAZ, M. Peasant society. Boston: Little, Brown and Company, 1967. p. 2-14.

FUKS, Mário. Conflitos ambientais no Rio de Janeiro: ação e debate nas arenas públicas. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade pessoal. Trad. Miguel Vale de Almeida. 2. ed. Oeiras: Celta, 2001.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. 2. ed. São Paulo: UNESP, 1991.

HAESBAERT, Rogério. Desterritorialização e identidade: a rede “gaúcha” no Nordeste. Niterói: EdUFF, 1997.

HALL, Stuart. A identidade cultural da pós-modernidade. 10. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Ed. 34, 2003.

HORKHEIMER, Max; ADORNO, Theodor. A dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

OLIVEIRA, Clara Machline. O comércio da natureza: a construção do espaço no bairro de Vargem Grande, cidade do Rio de Janeiro. Revista de Graduação de Geografia da PUC. Rio [de janeiro], ano 1, n.1, v.1, jan./jul. 2008.

OST, François. O tempo do direito. São Paulo: EDUSC, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v3i2.1820

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia