A regra de "divisão das sobras" e a representatividade eleitoral: notas sobre partidos políticos e coligações

Yuri Jordy Figueiredo

Resumo


Este trabalho abordará a importância do pluripartidarismo político como premissa fundamental à plena concretização do princípio democrático, condição-base da busca do desenvolvimento de uma sociedade variada, heterogênea e mestiça. Assim, também, mostrará ideias para o aperfeiçoamento deste modelo no Brasil. Primeiro, traremos como fundamento o contexto histórico da formação destas agremiações, passando pelas normas que regem, no Brasil, a representatividade política, principalmente em referência ao sistema proporcional, o que dá a ponte para o assunto seguinte, o debate a respeito da regra específica da divisão das sobras no sistema de quociente eleitoral, esta prejudicial à fiel representatividade política. Por fim, como as coligações partidárias emergem como resultado das distorções apresentadas por esse sistema, concluindo, no entanto, que devem ser excluídas do processo eleitoral proporcional, juntamente com a correção dessas distorções. Portanto, a proposta aqui debatida segue no sentido de aprimorar algumas regras eleitorais que permitam, de acordo com a Constituição, recuperar as funções fundamentais e fortalecer as agremiações partidárias e, consequentemente, a representação política, com a extinção de coligações partidárias. Algumas propostas legislativas e contestações judiciais enfrentam esta e outras questões correlatas, este trabalho vem no sentido de se posicionar nesse debate.

Palavras-chave


Partidos políticos; Coligações partidárias; Representatividade; Sistema proporcional.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROSO, Luis Roberto. Reforma política: uma proposta de sistema de governo, eleitoral e partidário para o Brasil. Disponível em: http://www.institutoideias.org.br/pt/projeto/integra_projeto_ideias.pdf. Acesso em: 20 nov. 2011.

BOBBIO, Norberto et. al. Dicionário de política. 11. ed. Brasília: Universidade de Brasília, 1983. v. 1.

BONAVIDES, Paulo. Os sistemas eleitorais. Ciência Política. 16 ed. São Paulo: Malheiros, 2009.

BRASIL. Cálculo do Quociente Eleitoral. Disponível em: http://www.tre-sp.gov.br/eleicoes/2004/quociente.htm. Acesso em: 27 jan. 2011.

BUCCI, Maria Paula Dallari (Org.). Políticas públicas: reflexões sobre o conceito jurídico. São Paulo: Saraiva, 2006.

CAGGIANO, Mônica Herman Salem. Direito parlamentar e direitoleitoral. Barueri: Manole, 2004.

CAGGIANO, Mônica Herman Salem. Sistemas eleitorais X representação política. 1989. Tese (Doutorado em Direito) - Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1989.

CERQUEIRA, Thales Tácito Pontes Luz de Pádua. Fidelidade partidária e perda do mandato: a polêmica consulta 1398 do TSE e sua duvidosa constitucionalidade: a nota promissória cobrada com sangue. Disponível em: www.portalttc.com.br. Acesso em: 12 dez. 2009.

COMPARATO, Fabio Konder. Afirmação histórica dos direitos humanos. São Paulo: Saraiva, 2010.

CORDEIRO, Rodrigo Aiache. Sistemas partidários e sistemas eleitorais. Santa Catarina: Buscalegis UFSC, 2009. Disponível em: http://www.buscalegis.ufsc.br/revistas/index.php/buscalegis/article/viewArticle/31409. Acesso em: 15 out. 2009.

COSTA, Adriano Soares da. Instituições de direito eleitoral: teoria da inelegibilidade: direito processual eleitoral: comentários à lei eleitoral. 4. ed. Belo Horizonte: Del Rey. 2000.

DE PLÁCIDO E SILVA, Oscar Joseph. Vocabulário jurídico. 27 ed. Rio de Janeiro Forense, 2006.

DWORKIN, Ronald. Levando direitos à sério. 2. ed. Tradução: Jefferson Luis Camargo. São Paulo: M. Fontes, 2007.

FERNANDEZ, Fernando Francisco Afonso. Fidelidade partidária no Brasil: análise sob a óptica da política jurídica. Florianópolis: Conceito Editorial, 2008.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Os partidos políticos nas constituições democráticas. Belo Horizonte: Universidade de Minas Gerais, 1966. Edição da Revista brasileira de estudos políticos.

INKS, Maria Beatriz D’Almeida Ramos. O exercício da cidadania segundo as teorias política e jurídica propostas por Ronald Dworkin. 2008. Dissertação (Mestrado em Direito Econômico e Político) - Programa de Mestrado da Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2008.

KELSEN, Hans. Teoria geral do direito e do Estado. Tradução Luiz Carlos Borges. São Paulo: M. Fontes, 1998.

KRAUSE, Silvana; DANTAS, Humberto; MIGUEL, Luis Felipe (Org.). Coligações partidárias na nova democracia brasileira: perfis e tendências. Rio de Janeiro; São Paulo: UNESP, 2010. Fundação Konrad Adenauer Stifung.

MENDONÇA, José Carlos. Partidos políticos: da visão dos clássicos aos desafios da (pós) modernidade. Revista Eletrônica dos pós graduandos em Sociologia Política da UFSC, Santa Catarina, v. 4, n. 2 -2, p. 67-83, 2008.

PEREIRA, Erick Wilson. Direito eleitoral: interpretação e aplicação das normas constitucionais-eleitorais. São Paulo: Saraiva, 2010.

SALES, Osman Rodrigues de. As coligações partidárias e a Lei nº 9.504/97. Disponível em: http://jus.uol.com.br/revista/texto/2481/as-coligacoes-partidarias-e-a-leino-9-504-97. Acesso em: 18 mar. 2012.

SOARES, Carlos Dalmiro da Silva. Evolução históricosociológica dos partidos políticos no Brasil Imperial. Disponível em: http://jus.uol.com.br/revista/texto/1503/evolucao-historico-sociologica-dos-partidos-politicosno-brasil-imperial. Acesso em: 15 mar. 2012.

TELLES, Olívia Raposo da Silva. Direito eleitoral comparado: Brasil, Estados Unidos, França. São Paulo: Saraiva, 2009.

WELFORT, Francisco C. (Org.). Os clássicos da política. São Paulo: Ática, 2001. v. 2. Série Fundamentos.

YURTSEVER, Leyla. Os partidos políticos e a democracia representativa. Publicado em 27 de maio de 2009. Disponível em: http://artigos.netsaber.com.br/resumo_artigo_15185/artigo_sobre_os_partidos_pol%C3%8Dticos_e_a_democracia_representativa. Acesso em: 13 fev. 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v2i2.1645

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia