A persecução penal do tráfico internacional de seres humanos no sistema de justiça federal

Luciano Ferreira Dornelas, Bruno Amaral Machado

Resumo


O artigo tem como objetivo analisar as decisões da Polícia Federal, do Ministério Público Federal e da Justiça Federal nos casos de tráfico internacional de pessoas. O estudo tem como ponto de partida a análise do fluxo do Sistema de Justiça Criminal, no Brasil, e utiliza-se das técnicas de pesquisa exploratória descritiva quantitativa e qualitativa de dados. A pesquisa abrange o histórico e a produção de decisões dos atores envolvidos no enfrentamento do tráfico de pessoas no período de 2004 a 2015, contempla as relações interorganizacionais e as premissas decisórias na tomada de suas decisões. O problema que se procura responder: como é implementada a persecução penal nos processos de tráfico internacional de pessoas? A pesquisa orienta-se pela abordagem organizacional da teoria sistêmica e pelas análises de rede e governança para o enfrentamento ao tráfico e contou também com entrevistas em profundidade com autoridades federais que atuaram na condução de investigações e processos criminais.

Palavras-chave


Análise Organizacional; Fluxo do sistema de justiça; Tráfico de Seres Humanos

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, S. Crise no sistema de justiça criminal. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 54, n. 1, p. 50-51, 2002.

BEGNIS, H. S. M.; ESTIVALETE, V. F. B.; PEDROZO, E. Á. Confiança, comportamento oportunista e quebra de contratos na cadeia produtiva do fumo no sul do Brasil. Gestão Produtiva, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 311-322, 2007.

BRASIL. Atuação do Departamento de Polícia Federal no combate aos crimes violadores dos direitos humanos. Brasília: Ministério da Justiça, Departamento de Polícia Federal, 2016.

CHO, S. Y. Modelling for determimants of human trafficking: an empirical analysis. Social Inclusion, Lisbon, Portugal, v. 3, issue 1, p. 2-21, 2015.

COLARES, M. I diagnóstico sobre o tráfico de seres humanos: São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Ceará. Brasília: SNJ, 2004. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2018.

EUA. State Government. 2018. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2018.

HALES, L. The Criminalisation and Imprisonment of Migrant Victims of Trafficking. Oñati Socio-legal Series [online], v. 8, n. 1, p. 50-70, 2017.

ICMPD. Jornadas Transatlânticas: uma pesquisa exploratória sobre tráfico de seres humanos do Brasil para Itália e Portugal. Brasília: Ministério da Justiça, 2011.

JONES, J.; WINTERDYK, J. Introduction. Human Trafficking: Challenges and Opportunities for the 21st Century. Oñati Socio-legal Series [online], v. 8, n. 1, p. 1-10. 2018.

KENIS, P.; SCHNEIDER, V. (eds.) Organisation und Netzwerk. Institutionelle Steuerung in Wirtschaft und Politik. Frankfurt: Campus, 1996.

LUHMANN, N. Sociologia do direito I. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1983.

LUHMANN, N. Sociologia do direito II. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1985.

LUHMANN, N. Organización y decisión. Cidade do México: Herder, 2010.

LUHMANN, N. O direito da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2016.

MACHADO, B. A. Justiça criminal: diferenciação funcional, interações organizacionais e decisões. 1ª ed. São Paulo: Marcial Pons, 2014.

MACHADO, B. A.; VIEIRA, P. B. S. O controle penal do tráfico de pessoas: construção jurídica, interações organizacionais e cooperação internacional. Revista de direito internacional, Brasília, v. 13, n. 3, 2016, p. 484-503.

MACHADO, B. A.; ZACKSESKI, C.; RAUFF, R. M. Tempos de investigação: o transcurso do inquérito policial no sistema de Justiça Federal. Revista Brasileira de Ciências Criminais, São Paulo, ano 24, v. 124, p. 143-181, out. 2016.

OLIVEIRA, M. V. B. N.; MACHADO, B. A. A análise do fluxo do sistema de justiça criminal (SJC) como técnica de pesquisa empírica no direito e no campo da segurança pública. Revista Direito e Práxis, Rio de Janeiro, 2017.

PIRES, R.; GOMIDE, A. Governança e capacidades estatais: uma análise comparativa de programas federais. Rev. Sociologia Política, v. 24, n. 58, p. 121-143, jun 2016.

SEIDL, D. Organisational identity in Luhmann’s theory of social systems. In: BAKKEN, T.; HERNES, T. Autopoietic Organisation Theory: Drawing on Niklas Luhamann’s Social Systems Perspective. Copenhagen: Copenhagen Business School Press, 2003, pp. 123-150.

SEIDL, D. Organization and Interacion. In: SEIDL, D.; BECKER, K. H. (Ed.). Niklas Luhmann and Organizationl Studies. Kristiantad: Kristiantad Boktruyckeri AB, 2005, p. 145-170.

SCHNEIDER, V. Redes de políticas públicas e a condução de sociedades complexas. Civitas, v.5, n. 1, p. 29-58. 2005.

SNJ. Relatório: indícios de tráfico de pessoas no universo de deportadas e não admitidas que regressam ao Brasil via o aeroporto de Guarulhos. Brasília: Ministério da Justiça, 2005. 88p.

SNJ; OIT. Tráfico internacional de pessoas e tráfico de migrantes entre deportados(as) e não admitidos(as)que regressam ao Brasil via o aeroporto internacional de São Paulo. Brasília: Ministério da Justiça, 2007.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais – A pesquisa qualitativa em educação. São Paulo, Atlas, 1987.

UNODC. Travaux Préparatoires de las negociaciones para la elaboración de la Convención de las Naciones Unidas contra la Delincuencia Organizada Transnacional y sus Protocolos. Nueva York, 2008. Disponível em: . Acesso em: nov. 2018.

VENTURA, A B. Fluxo do funcionamento da justiça criminal para o crime de homicídio doloso na Região Metropolitana de Florianópolis em 2003. Revista Mosaico Social, ano 3, n. 3, p. 305-319, dez 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v9i3.6456

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia