A sustentabilidade econômico-financeira das operadoras de planos de saúde diante da concessão indiscriminada de tutelas de urgência no Brasil

Álisson José Maia Melo, Nathalia Aparecida Sousa Dantas

Resumo


O objetivo do presente artigo é investigar as possibilidades de dar efetividade ao direito fundamental à saúde, sem inviabilizar o funcionamento das operadoras de planos de saúde, quando instadas a fornecer tratamentos de alto custo, avaliando, ainda, a repercussão que a liquidação de uma operadora pode causar no SUS. Discute-se quais ferramentas o judiciário deve se valer para análise das tutelas de urgência, considerando a necessidade de conhecimento técnico, a ponderação do custo-efetividade e da irreversibilidade da tutela, tendo em vista os valores envolvidos. Primeiramente, analisou-se os limites da atuação das operadoras de planos de saúde, a natureza jurídica dos contratos e a escassez dos recursos. Em seguida, abordou-se a utilização das tutelas de urgência como mecanismos de concretização do direito à saúde. Por fim, explorou-se a necessidade de assessoramento técnico dos julgadores e o impacto dessas decisões na saúde suplementar. Foi utilizado o método dedutivo, o qual teve por norte a ocorrência de desequilíbrio econômico das operadoras de planos de saúde, com pesquisa bibliográfica e jurisprudencial. Conclui-se que a concretização do direito à saude por meio da concessão de liminares deve ocorrer a partir do assessoramento técnico dos julgadores, tendo como alternativa a ampliação da atuação do NAT-JUS, a fim de que as deciões proferidas sejam fundamentadas na Medicina baseada em evidências. Além disso, a oitiva dos médicos assistente e da operadora, promovendo maior diálogo entre o julgador e os profissionais envolvidos, nos termos dos enunciados do CNJ, colabora para uma decisão racional e com respeito ao contraditório.

Palavras-chave


Direito à saúde; Saúde suplementar; Limitação dos recursos; Tutelas de urgência; Medicina basada em evidências

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR. ANS disponibiliza relação de Perguntas e Respostas sobre o IDSS ano-base 2017. Portal da ANS, Rio de Janeiro, Avisos para Operadoras, 11 out. 2018. Disponível em: . Acesso em: 07 jan. 2019.

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR. Boletim informativo: utilização do sistema público por beneficiários de planos de saúde e ressarcimento ao SUS. Rio de Janeiro: ANS, abr. 2018. Disponível em: . Acesso em: 11 set. 2018.

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR. Dados gerais: Beneficiários de planos privados de saúde, por cobertura assistencial (Brasil – 2008-2018). Portal ANS, Rio de Janeiro, Dados do setor, 2018. Disponível em: . Acesso em: 11 set. 2018.

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR. Sala de Situação. Portal da ANS, Rio de Janeiro, Dados e Indicadores do setor, nov. 2018. Disponível em: . Acesso em: 07 jan. 2019.

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR. Gerência Executiva de Estímulo à Inovação e Avaliação da Qualidade Setorial. Ficha técnica: indicadores do Programa de Qualificação de Operadoras 2018. Rio de Janeiro: ANS, 2018. Disponível em: . Acesso em 07 jan. 2019.

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Detalhe do Produto: Spinraza. Portal da ANVISA, Consultas, 20 nov. 2018. Disponível em: . Acesso em: 07 jan. 2019.

AGÊNCIA SENADO. Promulgada emenda constitucional do teto de gastos públicos. Senado Notícias, Brasília, Matérias, Congresso, 15 dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 07 jan. 2019.

ALENCAR, Rosmar Antonni; LOZADA, Claudia de Oliveira. Breve análise dos aspectos processuais que envolvem questões relacionadas à judicialização da saúde: a tutela antecipada. Revista do Direito, Santa Cruz do Sul, v. 2, n. 52, p. 18-37, maio/set. 2017. Disponível em: . Acesso em: 28. set. 2018.

ALMEIDA, Evandro Xavier de; TOALDO, Adriane Medianeira; MARIANO, Bruna Carolina. O ativismo judicial como instrumento de garantia do direito à saúde. XI SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE DEMANDAS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA. Anais... VII Mostra de Trabalhos Jurídicos Científicos, 2014.

ALEXY, Robert. Teoria dos Direitos Fundamentais. 2 ed. São Paulo: Malheiros, 2015.

ÁVILA, Ana Paula Oliveira; DE MELO, Karen Cristina Correa. Separação dos Poderes e diálogos institucionais nos litígios envolvendo saúde. Revista de Investigações Constitucionais, Curitiba, v. 5, n. 1, p. 83-108, jan./abr. 2018. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2018.

BARROS, J. L.; BEIRUTH, A. X. Aplicação de Modelos de Previsão de Insolvência nas Operadoras de Planos de Saúde do Brasil. RAGC, v. 4, n. 15, p. 15-28, 2016.

BERTOTTI, Bárbara Marianna de Mendonça Araújo. Da inefetividade à judicialização do direito fundamental à saúde: em busca de parâmetros adequados para a concessão de medicamentos de alto custo. Fórum Administrativo – FA, Belo Horizonte, ano 16, n. 187, p. 9-28, set. 2016.

BOCCHI, Edimar Alcides; MARIN NETO, José Antônio. Aplicação dos Princípios da Medicina Baseada em Evidências em Programas de Avaliação de Procedimentos e Medicamentos de Alto Custo. Arq. Bras. Cardiol., v. 76, n. 4, p. 339-342, 2001.

BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 30a edição. São Paulo: Malheiros, 2015.

BORGES, Alexandre Walmott; GADIA, Giovanna Cunha; OLIVEIRA JÚNIOR, Mário Ângelo. Direito fundamental à saúde e a responsabilidade do Estado. Revista do Direito UNISC, Santa Cruz do Sul, n. 36, p. 95-119, jul./dez. 2011. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 06.06.2018.

BRASIL. Lei 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Disponível em:. Acesso em 06.06.2018.

BRASIL. Lei 9.656, de 3 de junho de 1998. Dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde. Disponível em: Acesso em 06.06.2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. Recomendação n. 31 de 30/3/2010. Disponível em: . Acesso em 06.06.2018.

COMISSÃO NACIONAL DE INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO SUS. Relatório de Recomendação: Nusinersena para o tratamento de pacientes com atrofia muscular espinhal 5q tipo I. Brasília: Ministério da Saúde, ago. 2018. Disponível em . Acesso em: 11 set. 2018.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Enunciados aprovados na I Jornada de Direito da Saúde do Conselho Nacional de Justiça em 15 de maio de 2014 – São Paulo-SP. São Paulo: CNJ, 2014. Disponível em: . Acesso em: 06 jun. 2018.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Pesquisa na Base de Conhecimento Pública. Brasília: CNJ, 2018. Disponível em: . Acesso em: 08 jan. 2019.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Recomendação nº 31 de 30 de março de 2010. Recomenda aos Tribunais a adoção de medidas visando melhor subsidiar os magistrados e demais operadores do direito, para assegurar maior eficiência na solução das demandas judiciais envolvendo a assistência à saúde. Brasília: CNJ, 2010. Disponível em: . Acesso em: 08 jan. 2019.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Resolução 236, de 13 de julho de 2016. Regulamenta, no âmbito do Poder Judiciário, procedimentos relativos à alienação judicial por meio eletrônico, na forma preconizada pelo art. 882, § 1º, do Novo Código de Processo Civil (Lei 13.105/2015). Brasília: CNJ, 2016. Disponível em: . Acesso em: 07 jan. 2019.

CRISTÓVAM, José Sérgio; CIPRIANI, Manoella Peixer. Sobre o ativismo judicial nas questões relacionadas ao direito à saúde: mensageiro da boa nova ou lobo em pele de cordeiro. Revista Brasileira de Direito, Passo Fundo, v. 13, n. 3, p. 163-188, dez. 2017. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2018.

DAHINTEN, Bernardo Franke; DAHINTEN, Augusto Franke. Judicialização do sistema de saúde suplementar — Possíveis causas. Revista Fórum de Direito Civil — RFDC, Belo Horizonte, ano 15, n. 80, jul./ago. 2013.

DIAS, Eduardo Rocha; SILVA JUNIOR, Geraldo Bezerra. A Medicina Baseada em Evidências na jurisprudência relativa ao direito à saúde. Einstein, São Paulo, v. 14, n. 1, São Paulo, jan./mar. 2016.

DOMINGUES, Eduardo Garcia Ribeiro Lopes; RAMALHO, Bruno. Os planos de saúde e sua efetividade contratual — análise comparativa entre a jurisprudência do STJ e os entendimentos da ANS. Revista Brasileira de Direito Público — RBDP, Belo Horizonte, ano 15, n. 58, p. 125-156, jul./set. 2017.

DWORKIN, Ronald. Levando os direitos à sério. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FERREIRA, Siddharta Legale; DA COSTA, Aline Matias. Núcleos de assessoria técnica e judicialização da saúde: constitucionais ou inconstitucionais? Rev. SJRJ, Rio de Janeiro, v. 20, n. 36, p. 219-240, abr. 2013.

KRELL, Andreas J. Realização dos direitos fundamentais sociais mediante controle judicial a prestação dos serviços públicos básicos (uma visão comparativa). Revista de Informação Legislativa, Brasília a. 36 n. 144, p. 239-260, out./dez. 1999. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2018.

LARA, Natalia. Texto para discussão nº 72 – 2018: O setor de saúde na perspectiva macroeconômica. Período 2010 – 2015. São Paulo: Instituto de Estudos de Saúde Suplementar, 2018. Disponível em . Acesso em: 07 jan. 2019.

LÔBO, Edilene; SANTIAGO, Frederico Dutra. Ativismo judicial e direito à saúde: a quebra dos princípios sensíveis e organizatórios do Estado brasileiro. Revista de Direito Administrativo e Gestão Pública, Brasília, v. 3, n. 1, p. 121-138, jan./jun. 2017. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2018.

MARIANO, Cynara Monteiro; FURTADO, Emannuel Teófilo; ALBUQUERQUE, Felipe Braga; PEREIRA, Fabrícia Helena Linhares Coelho da Silva. Diálogos sanitários interinstitucionais e a experiência de implantação do NAT-JUS. Revista de Investigações Constitucionais, Curitiba, v. 5, n. 1, p. 169-188, jan./abr. 2018.

MARMELSTEIN, George. Cinco Pontos de Reflexão sobre a Judicialização da Saúde. 2016. Disponível em: . Acesso em 20.05.2018.

MARMELSTEIN, George. You can’t always get what you want: repensando a judicialização da saúde com base no fornecimento de medicamentos. Revista de Informação Legislativa: RIL, v. 54, n. 216, p. 105-130, out./dez. 2017. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2018.

MARTINI, Sandra Regina; LESSA, Pablo Henrique Cordeiro. O ativismo judicial e a intervenção do Poder Judiciário: a limitação dos orçamentos públicos e a garantia do direito fundamental à saúde. Revista Jurídica, Blumenau, v. 21, n. 44, p. 5-24, jan./abr. 2017. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2018.

MASTRODI, Josué; FULFULE, Elaine. O problema da judicialização da saúde no Brasil: sugestão de novos rumos. Quaestio Iuris, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 593-614, abr./jun. 2017. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2018.

MEDINA, José Miguel Garcia. Novo Código de Processo Civil comentado: com remissões e notas comparativas ao CPC/1973. 5. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2017.

MENDES, Aluisio Gonçalves de Castro; SILVA, Larissa Clare Pochmann da. A tutela provisória no ordenamento jurídico brasileiro: a nova sistemática estabelecida pelo CPC/2015 comparada às previsões do CPC/1973. In: COSTA, Eduardo José da Fonseca; PEREIRA, Mateus Costa; GOUVEIA FILHO, Roberto P. Campos (coord.). Tutela provisória. 2. ed. Salvador: JusPodivm, 2019, p. 27-36. (Grandes Temas do Novo CPC, v. 6).

NEVES, Daniel Amorim Assumpção. Manual de direito processual civil. Volume único. 7. ed. São Paulo: Gen, Método, 2015.

NUNES, Danyelle Rodrigues de Melo; PORTO, Uly de Carvalho Rocha; ERHARDT JÚNIOR, Marcos. Limites da intervenção judicial nos contratos de plano de saúde. Revista Fórum de Direito Civil — RFDC, Belo Horizonte, ano 5, n. 11, p. 85-108, jan./abr. 2016.

PAULA, Ana Cristina Alves de; NETTO, Juliana Presotto Pereira. A judicialização da saúde suplementar e seus impactos na atividade das operadoras de planos de saúde. Raízes Jurídicas, Curitiba, vol. 8, n. 2, p. 65-92, jul./dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2018.

PIETROBON, Louise; PRADO, Martha Lenise; CAETANO, João Carlos. Saúde suplementar no Brasil: o papel da Agência Nacional de Saúde Suplementar na regulação do setor. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 18 [ 4 ]: 767-783, 2008.

REDONDO, Bruno Garcia. Estabilização, modificação e negociação da tutela de urgência antecipada antecedente: principais controvérsias. Revista de Processo. São Paulo: RT, a.40, v. 244, jun.2015, p. 167-194.

REZENDE, Paulo Roberto Vogel de. Cálculo atuarial, mutualismo, equilíbrio econômico e plano de saúde: uma abordagem sobre dois julgados. In: PIRES, Danielle S., AGUIAR, Lívia C. SOUZA, Jordana M. (Coord.). Judicialização da Saúde Suplementar. Belo Horizonte: Unimed — BH Cooperativa de Trabalho Médico, 2008, p. 185-198.

REZENDE, Paulo Roberto Vogel de. Os contratos de plano de saúde e seu equilíbrio econômico-financeiro: mutualismo, cálculo atuarial e o impacto econômico das decisões judiciais. 2011. Dissertação (Mestrado em Direito Empresarial). Faculdade de Direito Milton Campos, Nova Lima, 2011. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2018.

SALDIVA, Paulo Hilário Nascimento; VERAS, Mariana. Gastos públicos com saúde: breve histórico, situação atual e perspectivas futuras. Estudos Avançados, São Paulo, v. 32, n. 92, jan./abr. 2018.

SARLET, Ingo Wolfgang; FIGUEIREDO, Mariana Filchtiner. Algumas considerações sobre o direito fundamental à proteção e promoção da saúde aos 20 anos da Constituição Federal de 1988. Revista de Direito do Consumidor, n. 67, p. 125-172, 2008.

TAVARES, André Ramos. Curso de direito constitucional. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

UNIMED. Relatório de gestão e sustentabilidade 2017. Fortaleza: Unimed, 2018. Disponível em: . Acesso em: 07 jan. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v8i3.5699

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia