A mediação de conflitos sob a perspectiva do desenvolvimento humano: as contribuições da psicologia positiva

Simone de Biazzi Avila Batista da Silveira, Deise Brião Ferraz

Resumo


Com o objetivo de verificar a hipótese de que existe um enfoque pedagógico/educativo na mediação familiar, buscou-se analisar as aproximações existentes entre as dinâmicas de mediação de conflitos com a abordagem Bioecológica do Desenvolvimento Humano e a Psicologia Positiva, numa perspectiva transformadora, bem como observar como as famílias podem ser impactadas por estes processos. A metodologia foi construída tendo como olhar a abordagem Bioecológica do Desenvolvimento Humano que situa os fenômenos estudados dentro de um contexto ecológico, numa abordagem sistêmica, o que lhe conferiu notável originalidade em relação a outros estudos da temática que não utilizaram essa abordagem. Os resultados obtidos apontaram que os processos educativos estão presentes nos procedimentos de mediação familiar, no ambiente físico onde se processa, na linguagem utilizada, na abordagem pessoal, bem como na condução dos processos, estando adequada ao tempo do conflito. No tocante aos impactos produzidos nas famílias, observou-se a necessidade que as mesmas ainda carregam de uma autoridade que lhes garanta certezas jurídicas, bem como as dificuldades do estabelecimento de autonomia para suas próprias decisões, tudo isto fruto de uma construção histórico-social que estabeleceu como parâmetros de condução de conflitos a litigiosidade e adversariedade resultantes da judicialização dos conflitos como forma de resolução predominante na sociedade atual. Foi observado, no entanto, que a mediação contribui para a construção de um importante caminho no sentido da autonomia, estando afinada com os reclamos de uma ação transformadora.

Palavras-chave


Mediação de Conflitos; Desenvolvimento Humano; Psicologia Positiva;

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, A.G. Manual de mediação judicial. Brasília: Ministério da Justiça e Programa das Nações Unidas, 2009.

BARBOSA, Á. A. Relação de respeito. Boletim IBDFAM, n. 38, ano. 6, p. 7, maio/jun. 2006.

BOBBIO, N.; PASQUINO, G. Dicionário de política. 12. ed. Brasília: Universidade de Brasília, 2004.

BREITMAN, S.; PORTO, A. C. Mediação familiar: uma intervenção em busca da paz. Porto Alegre: Criação Humana, 2001.

BRONFENBRENNER, U. A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

BRONFENBRENNER, U. Bioecologia do desenvolvimento humano: tornando os seres humanos mais humanos. Porto Alegre: Artmed, 2011.

BRONFENBRENNER, U. The ecology of human development. Cambridge: Harvard University Press, 1979.

BRONFENBRENNER, U.; MORRIS, P. The ecology of developmental processes. In: DAMON, W. (Org.). Handbook of child psychology. New York: John Wiley Sons, 1998. v. 1. p. 569-664.

BUSH, R. Baruch; FOLGER, J. The promise of mediation: responding to conflict through empowerment and recognition. São Francisco: Jossey-Bass, 1994.

CARVALHO, I. M. M. de; ALMEIDA, P. H. de. Família e proteção social. Perspectiva, São Paulo, v. 17, n. 2, 2003.

DIAS, M.B. Manual de direito das famílias. 8. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

FALCKE, D.; WAGNER, A. A dinâmica familiar e o fenômeno da transgeracionalidade: definição de conceitos. In: WAGNER, A. (Org.). Como se perpetua a família?: a transmissão dos modelos familiares. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005. p. 25-43.

FOLGER, J. P.; BUSH, R. A. B. Mediação transformativa e intervenção de terceiros: as marcas registradas de um profissional transformador. In: SCHNITMAN, D. F.; LITTLEJOHN, S. (Orgs). Novos paradigmas em mediação. Porto Alegre: Artmed, 1999. p. 85-100.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

GARAPON, A. Bem julgar: ensaio sobre o ritual judiciário. Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

GERGEN, K. J. Rumo a um vocabulário do diálogo transformador. In: SCHNITMAN, D. F.; LITTLEJOHN, S. (Orgs.). Novos paradigmas em mediação. Porto Alegre: Artmed, 1999. p. 29-45.

HAYNES, J. M.; MARODIN, M. Fundamentos da mediação familiar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

JULIANO, M. C.; YUNES, M. A. M. A abordagem bioecológica de desenvolvimento humano: conceitos fundamentais e interfaces com a educação ambiental. In: OLIVEIRA, M. V.; CORRÊA, B. L. (Orgs.). Tecendo a educação ambiental a partir de olhares coletivos. Porto Alegre: Evangraf, 2009.

MACEDO, R. M. A família do ponto de vista psicológico: lugar seguro para crescer? Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 91, p. 62-68, nov. 1994.

MARODIN, M.; BREITMAN, S. A prática moderna da mediação: integração entre psicologia e direito. In: ZIMERMAN, D.; COLTRO, A. C. M. (Orgs.) Aspectos psicológicos na prática jurídica. Campinas: Milennium, 2008. p. 335-343.

MARTINS, E.; SZYMANSKI, H. A abordagem ecológica de Urie Bronfenbrenner em estudos com famílias. Estudos e Pesquisas em Psicologia, n. 1, p. 63-78, 2004.

MORIN, E. Complexidade e transdisciplinaridade: a reforma da universidade e do ensino fundamental. Natal: UFRN, 2000.

NARVAZ, M. G.; KOLLER, S. H. O modelo bioecológico de desenvolvimento humano. In: KOLLER, S. H. (Org.). Ecologia do desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004. p. 51-66.

RODRIGO, M. J.; PALACIOS, J. Família e desarrollo humano. Madrid: Alianza Editorial, 1998.

ROSA, C. P. da R. Mediação: uma nova alternativa de tratamento dos conflitos familiares. In: Âmbito Jurídico, 2009. Disponível em: http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=6116&revista_caderno=14.

RUTTER, M. Psychosocial resilience and protetive mechanisms. American Journal of Orthopsychiatry, Washington, v. 57, n. 3, p. 316-331, 1987.

RUTTER, M. Resilience: some conceptual considerations. Journal of Adolescent Health, n. 14, p. 626- 631, 1993.

SANTOS, B. S. Os tribunais e as novas tecnologias de comunicação e informação. Sociologias, Porto Alegre, n. 13, p. 82-109, jan./jun. 2005.

SCHNITMAN, D. F. Novos paradigmas em resolução de conflitos. In: SHNITMAN, D. F.; LITTLEJOHN, S. (Orgs). Novos paradigmas em mediação. Porto Alegre: Artmed, 1999.

SELIGMAN, M. Felicidade autêntica: usando a nova psicologia positiva para a realização permanente. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004.

SELIGMAN, M. Florescer: uma nova compreensão sobre a natureza da felicidade e do bem-estar. Rio de Janeiro: Objetiva, 2011.

SERPA, M. N. Mediação de família. Belo Horizonte: Del Rey, 1999.

SZYMANSKI, H. Significados de família. In: LOCH, G. M.; YUNES, M. A. M. (Orgs.). A família que se pensa e a família que se vive. Rio Grande: FURG, 1998.

SZYMANSKI, H. Teoria e “teorias de famílias”. In: CARVALHO, M. do C. B. de (Org.). A família contemporânea em debate. São Paulo: EDUC/Cortez, 1995. p. 23-27.

WALSH, F. Fortalecendo a resiliência familiar. São Paulo: Roca, 2005.

YARN, D. E. Dictionary of conflict resolution. São Francisco: Jossey-Bass Inc., 1999.

YUNES, M. A. M. A questão triplamente controvertida da resiliência em famílias de baixa renda. 2001. 166 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2001.

YUNES, M. A. M.; GARCIA, N. M.; ALBUQUERQUE, B. de M. Monoparentalidade, pobreza e resiliência: entre as crenças dos profissionais e as possibilidades da convivência familiar. Reflexão & Crítica, Porto Alegre, v. 20, n. 3, 2007.

YUNES, M. A. M.; SZYMANSKI, H. Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. In: TAVARES, J. (Org.) Resiliência e educação. São Paulo: Cortez, 2001. p. 13-42.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v8i2.5253

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia