Economia comportamental e direito: a racionalidade em mudança

Marcia Carla Pereira Ribeiro, Victor Hugo Domingues

Resumo


O artigo busca demonstrar a mudança de paradigma do conceito de racionalidade econômica a partir da Economia Comportamental e como a ocorrência desse fenômeno alterou a formulação de políticas públicas e o seu conjunto de proposições normativas. Para isso apresenta-se a trajetória histórica do pensamento econômico, que transitou de um conceito de racionalidade forte, para o qual o indivíduo tem preferências completas e estáveis, para um conceito de racionalidade fraca, no qual o indivíduo não apresenta condições de realizar as melhores escolhas, uma vez que condicionado por vieses psicológicos que afetam suas preferências e, por via reflexa, sua condição de bem-estar social. Em seguida, a partir das descobertas da Teoria da Prospecção de Amos Tversky e Daniel Kahneman, demonstrou-se como as políticas públicas foram influenciadas pelos mecanismos de Economia Comportamental, mediante aplicação de um novo desenho de incentivos, especialmente de natureza normativa. Concluiu-se que que a mudança da concepção do conceito de racionalidade foi determinante para a adoção de novos formatos de políticas públicas. Da mesma forma, foi possível concluir que a Economia Comportamental, quando aplicada às políticas públicas, amplia a interferência do Estado regulador em ambientes antes reservados à autonomia privada. Finalmente, propõe-se a ampliação de um debate que ainda não foi realizado no Brasil, sobre os limites e perspectivas de aplicação de ferramentas da Economia Comportamental às políticas públicas.

Palavras-chave


Racionalidade; Economia Comportamental; Políticas Públicas.

Texto completo:

PDF

Referências


AKERLOFF, George; SHILLER, Robert. O espírito animal. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

ARAÚJO, Fernando. Análise económica do direito: programa e guia de estudo. Lisboa: Almedina, 2008.

ARIELY, Dan. Positivamente irracional. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

BARCELLOS, Ana Paula de. Neoconstitucionalismo, direitos fundamentais e controle das políticas públicas. Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, n. 240, p. 83-103, abr./jun. 2005.

BARON, Jonathan. Biases in the quantitative measurement of values for public decisions. Psychological Bulletin, Filadélfia, n. 122, p. 72-88, 1997.

BOWLES, Samuel. The moral economy: why good incentives are no substitue for good citizens. New York: Yale University Press, 2016.

BRUNI, Luigino; SUNGDEN, Robert. The road not taken: how psychology was removed from economics, and how it might be brought back. The Economic Journal, Rio de Janeiro, v. 117, n. 516, p. 146–173, 2007.

CÁRDENAS, Juan Camilo. Groups, commons and regulations: experiments with villagers and students in Colombia. In: AGARWAL, Bina; VERCELLI, Alessandro. (Ed.). Psychology, rationality and economic behavior. New York: Palgrave MacMillan, 2005.

DAVIDAI, Shai; GILOVICH, Thomas; ROSS, Lee D. The meaning of default options for potential organ donors. Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 109, n. 38, p. 15201-15205, sep. 2012.

DWORKIN, Ronald. Levando os direitos a sério. São Paulo: M. Fontes, 2007.

EPSTEIN, Richard. Behavioral economics: human errors and market corrections. University of Chicago Law Review, Chicago, n. 73.1, p. 111-132, 2006.

FERGUSIN, Andrew. Nudge, nudge, wink wink: behavioral economics – The Governing Theory of Obama’s Nanny State. Time Magazine, n. 19, abr. 29, 2010. Disponível em: http://www.weeklystandard.com/nudge-nudge-wink-wink/article/433737. Acesso em: 28 maio 2018.

FISHER, Irwing. The theory of interest. New York: Macmillan, 1930.

JEVONS, Willian S. The theory of political economy. Londres: McMillian, 1888.

JOLLS, Christine et al. A behavioral approach to law and economics. In: SUSTEIN, Cass R. (Coord.). Behavioral law & economics. New York: Cambridge University Press, 2000.

KAHNEMAN, Daniel. Rápido e devagar. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.

KOROBKIN, Russell B.; ULEN, Thomas S. Law and behavioral science: removing rationality assumption from law and economics. California Law Review, v. 88, p. 1138-1144, 2000.

LEWIN, Shira B. Economics and psychology: lessons for our own day from the early twentieth century. Journal of Economic Literature, v. 34, n. 3, p. 1293-1323, set. 1996.

LOHRENZ, Terry; MONTAGUE, P. Read. Neuroeconomics: what neuroscience can learn from economics. In: LEWIS, Alan. (Org.). The Cambridge handbook of psychology and economic behaviour. Cambridge: Cambridge University Press, 2008.

MANDLER, Michael. Dilemmas in economic theory: persisting foundational problems in microeconomics. New York: Oxford, 1999.

MARSHAL, Alfred. Principles of economics. 8. ed. Londres: McMillian, 1920.

MELLO, Vera Rita Ferreira de; SAPUNAR, Barbara. Nudging for good: o caso do programa unidos por crianças mais saudáveis. Centro de Estudos em Finanças GVcef, 2016. Disponível em: https://bi-bliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/18898/GVcef_Ferreira%3b%20Sapunar.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 28 maio 2018.

MILL, John Stuart. Utilitarismo. São Paulo: Hunter Books, 2014.

MONROY, Daniel. Nudges y decisiones inconscientes: sesgo de status quo y políticas públicas em Colombia. Revista Desafios, Bogotá, v. 29, n. 1, p. 211-247, dic. 2016.

MURAMATSU, R. The death and resurrection of economics with psychology: remarks from a methodological standpoint. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 29, p. 62-81, jan./mar. 2009.

MURAMATSU, Roberta; FONSECA, Patrícia. Freedom of choice in a world of boundedly rational agents: remarks about the light paternalistic policy implications of behavioral economics. Disponível em: http://www. econ.uba.ar/www/institutos/epistemologia/marco_archivos/trabajos _XV_archivos/Muramatsu%20 y%20Fonseca%20-%20Freedom%20of%20Choice%20in%20a% 20World%20of%20Bounde.pdf. Acesso em: 28 maio 2018.

MURAMATSU, Roberta; FONSECA, Patrícia. Um enigma do comportamento do consumidor no Brasil: análise comportamental do consumo procrastinado em um cenário inflacionário. In: ENCONTRO DA ANPAD, 32., 2008, Rio de Janeiro.

NEVES, Antônio Francisco Frota; SANTANA, Hector Valverde. A intervenção direta e indireta na atividade econômica em face da ordem jurídica brasileira. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, v. 7, n. 2, p. 332-348, ago. 2017.

PRADO, Eleutério F. S. A ortodoxia neoclássica. Estudo Avançados, São Paulo, v. 15, n. 41, jan./abr. 2001.

RIBEIRO, Márcia Carla Pereira. Racionalidade limitada. In: RIBEIRO, Márcia Carla Pereira; KLEIN, Vinicius (Coord.). O que é análise econômica do direito: uma introdução. 2. ed. Belo Horizonte: Fórum, 2016.

SAMUELSON, Paul. Fundamentos da análise econômica. São Paulo: Nova Cultural, 1998.

SANTOS, Ana Cordeiro dos. The social epistemology of experimental economics. New York: Routledge, 2009.

SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2009.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Cia. das Letras, 2000.

SHAFIR, Eldar. The behavioral foundations of public policy. Princeton: Princeton, 2012.

SIMON, H. Alternative visions of rationality. In: ARKES, H.; HAMMONDS, K. (Coord.). Judgement and decision making. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

SOWELL, Thomas. Conflito de visões: origens ideológicas das lutas políticas. São Paulo: É Realizações, 2011.

SUSTEIN, Cass. The ethics of influence. New York: Cambridge University Press, 2017.

SUSTEIN, Cass. Why nudge? the politics of libertarian paternalism. Londres: Yale University Press, 2012.

THALER, Richard H. Misbehaving: the making of behavioral economics. New York: Norton & Company, 2015.

THALLER, Richard; SUSTEIN, Cass R. Libertarian paternalism is not an oxymoron. University of Chicago Public Law & Legal Theory: Working paper, Chicago, n. 43, p. 09, 2003.

THALER, Richard H.; SUNSTEIN, Cass R. Nudge: improving decisions about health, wealth and happiness. London: Penguin, 2008.

TVERSKY, Amos; KAHNEMAN, Daniel. Judgement under uncertainty: heuristics and biases. Science, v. 185, n. 4157, sep. 1974.

WILLIAMSON, O. E. The economic institutions of capitalism. New York: Free Press, 1985.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v8i2.5218

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia