Ambiente urbano e segurança pública: contribuições das ciências sociais para o estudo e a formulação de políticas criminais

Sergio Francisco Carlos Sobrinho, Clóvis Eduardo Malinverni da Silveira, Aírton Guilherme Guilherme Berger Filho

Resumo


A pesquisa é orientada por dois objetivos simétricos: (i) discutir se o aumento da violência e do encarceramento podem ser entendidos como resultantes da forma como as cidades, enquanto locus simbólico, são produzidas – ou seja, a partir da noção integrativa de “ambiente urbano”; (ii) refletir sobre o papel das ciências sociais no estudo e na formulação de políticas de segurança pública, ao questionar de que maneira uma visão mais interdisciplinar, integrativa ou “ecológica” poderia contribuir com a sociologia da violência na tarefa de elucidar as razões e os sentidos da criminalidade urbana. A pesquisa consiste (a) na análise e no cotejo de diversos indicadores sobre a violência no Brasil, com o fito de evidenciar a correlação entre variáveis como: tipos de crimes praticados, desemprego, trabalho precário, trabalho penal, exclusão socioespacial e encarceramento; e (b) na discussão dos dados colhidos a partir de um enfoque “ambiental”, apresentado como proposta epistemológica. São propostos argumentos generalizáveis, embora não definitivos, sobre os efeitos deletérios de soluções como o recrudescimento do encarceramento e sobre a relação de retroalimentação entre o medo do encarceramento, a domesticação da força de trabalho e a normalização da violência. Conclui-se que as políticas criminais tendem a ser tanto mais bem-sucedidas quanto mais considerarem uma perspectiva complexa da violência urbana, incorporando elementos de ordem socioeconômica, espacial, cultural e psicológica a um conceito operacional de ambiente urbano. A originalidade do estudo, portanto, reside na aproximação entre o estudo das políticas de segurança pública e a epistemologia ambiental.

Palavras-chave


Ambiente urbano; violência; políticas públicas; epistemologia ambiental

Texto completo:

PDF

Referências


ARANTES, Otília; VAINER, Carlos; MARICATO, Ermínia. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, 2002.

AZEVEDO, Rodrigo Ghiringhelli de; CIFALI, Ana Cláudia. Política criminal e encarceramento no Brasil nos governos Lula e Dilma: elementos para um balanço de uma experiência de governo pós-neoliberal. Civitas: Revista de Ciências Sociais, v. 15, n. 1, p. 105-127, abr. 2015. Disponível em: http://revistaseletronicas. pucrs.br/ojs/index.php/civitas/article/view/19940. Acesso em: 16 fev. 2018.

AZEVEDO, Rodrigo Ghiringhelli de; RIBEIRO, Fernanda Bittencourt. Violência, segurança pública e direitos humanos no Brasil. Civitas: Revista de Ciências Sociais, Porto Alegre, ano 1, n. 1, jun. 2001.

BAZOLLI, João Aparecido; PEREIRA, Olivia Campos Maia; OLIVEIRA, Mariela Cristina Ayres. Regularização fundiária: nova lei, velhas práticas: caso de Araguaína – Amazônia Legal. Rev. Bras. Polít. Públicas, Brasília, v. 7, n. 2, p. 215-230, 2017.

BONAMETTI, João Henrique. A paisagem urbana como produto do poder. Revista Brasileira de Gestão Urbana (Brazilian Journal of Urban Management), v. 2, n. 2, p. 259-273, jul./dez. 2010.

BRASIL. Ministério da Justiça. Departamento Penitenciário Nacional – DEPEN. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias: INFOPEN. Dez. 2014. Disponível em: http://www.justica.gov.br/seus-direitos/ politica-penal/infopen_dez14.pdf/@@download/file. Acesso em: 18 fev. 2018.

CAPRA, Fritjof. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix, 1996.

CERQEIRA, Daniel et al. (Org.). Atlas da violência 2017. Brasília: IPEA; São Paulo: FBSP, 2017. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/170602_atlas_da_violencia_2017.pdf. Acesso em: 20 fev. 2018.

COSTA, Arthur Trindade Maranhão; LIMA, Renato Sérgio de. Segurança pública. In: LIMA, Renato Sérgio de; RATTON, José Luiz; AZEVEDO, Rodrigo Ghiringelli de (Org.). Crime, polícia e Justiça no Brasil. São Paulo: Contexto, 2014.

COUTINHO, Grijalbo Fernandes. Terceirização, máquina de moer gente trabalhadora: a inexorável relação entre a marchandage e a degradação laboral, as mortes e mutilações no trabalho. São Paulo: LTr, 2015.

DIAS, Felipe da Veiga; CUSTÓDIO, André Viana. O discurso expansivo-punitivo dos meios de comunicação e sua influência na formação da agenda das políticas públicas de combate à criminalidade de crianças e de adolescentes no Brasil. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, v. 3, n. 1, p. 91-104, jan./jul. 2013.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. São Paulo: FBSP, 2017. Disponível em: http://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2017/12/ANUARIO_11_2017.pdf. Acesso em: 15 fev. 2018.

GRAZIANO SOBRINHO, Sergio Francisco Carlos. Os impactos econômicos da atuação do sistema penal: vida virtual, isolamento e encarceramento em massa. Sequência: Estudos Jurídicos e Políticos, Florianópolis, v. 35, n. 69, p. 133-158, dez. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/sequencia/article/ view/2177-7055.2014v35n69p133. Acesso em: 20 fev. 2018.

LEFF, Enrique. Epistemologia ambiental. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

LEFF, Enrique. Racionalidade ambiental: a reapropriação social da natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

LEFF, Enrique. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. 8. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

LIMA, Renato Sérgio de; SINHORETTO, Jacqueline; BUENO, Samira. Dossiê: a violência entre teoria e empiria: a gestão da vida e da segurança pública no Brasil. Sociedade e Estado (UnB), Brasília, v. 30, n. 1, p. 123-144, jan./abr. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69922015000100123. Acesso em: 18 fev. 2018.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. 82. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

ROLNIK, Raquel. Guerra dos lugares: a colonização da terra e da moradia na era das finanças. São Paulo: Boitempo, 2015.

SANTOS, Thandara (Org.). Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias: INFOPEN. Jun. 2016. Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública; Departamento Penitenciário Nacional, 2017. Disponível em: http://www.justica.gov.br/news/ha-726-712-pessoas-presas-no-brasil/relatorio_2016_junho.pdf. Acesso em: 18 fev. 2018.

SCHMIDT, João Pedro. Condicionantes e diretrizes de políticas públicas: um enfoque comunitarista da transformação social. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, v. 63, n. 3, p. 51-72, 2016.

SOARES, Luiz Eduardo; ROLIM, Marcos; RAMOS, Silvia. O que pensam os profissionais da segurança pública no Brasil. Brasil: Ministério da Justiça; SENASP, 2009. Disponível em: http://www.justica.gov.br/sua-segu-ranca/seguranca-publica/analise-e-pesquisa/download/outras_publicacoes/pagina-2/17pesquisa_o-que-pensam-os-profissionais-da-seguranca-publica.pdf. Acesso em: 19 fev. 2018.

WAISELFISZ, Júlio Jacobo. Mapa da violência 2014: os jovens do Brasil. Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais – Flacso. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2014/Mapa2014_Jo-vensBrasil.pdf. Acesso em: 15 fev. 2018.

WAISELFISZ, Júlio Jacobo. Mapa da violência 2016: homicídios por arma de fogo no Brasil. Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais – Flacso. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/ pdf2016/Mapa2016_armas_web.pdf. Acesso em: 15 fev. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v8i1.5135

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia