Direito autoral na cibercultura: uma análise do acesso aos bens imateriais a partir das licenças creative commons 4.0

Gabriela Maia Rebouças, Fernanda Oliveira Santos

Resumo


Este artigo analisa os movimentos de acesso aos bens imateriais que ocorrem através do compartilhamento de arquivos na internet, no intuito de compreender em que medida os bens culturais na sociedade da informação estão à disposição de uma cultura de Direitos Humanos. Partindo da hipótese de que há na rede mundial de computadores uma ampliação do acesso à produção cultural, a qual é fomentada por movimentos como o Creative Commons, Copyleft, Linux e Flok Society, realiza-se um estudo qualitativo sobre as licenças criativas, com suporte no levantamento de dados, documentos e referencial teórico, utilizando a análise de conteúdo nas licenças Creative Commons 4.0, para problematizar os direitos autorais e os reflexos da tecnologia na maneira como a população tem acesso aos bens culturais. Os resultados apontam para uma proteção da propriedade com muito acento ainda no direito autoral tradicional, frustrando quem pudesse esperar das licenças um novo paradigma na relação entre criação, produção e circulação coletiva de ideias. No entanto, conclui-se que a semente está lançada, no sentido de ampliar o debate e promover, cada vez mais, uma cultura de produção e acesso à informação que contemple uma perspectiva forte de Direitos Humanos.

Palavras-chave


Cibercultura. Direitos Humanos. Direito Autoral. Creative Commons.

Texto completo:

Pdf

Referências


ALTIERI, Júlio Monteiro; ROCHA, Renan Lúcio. A Prensa, os tipos romanos e itálicos no mundo textual renascentista. Contemporânea, v. 9, n. 18, 2012. Disponível em:. Acesso em: 12 abr. 2016.

ARIENTE, Eduardo Altomare. Políticas de acesso aberto para trabalhos científicos: interesse pública e direitos do autor. Revista Brasileira de Políticas Públicas, v. 7, n. 1, 2017. Disponível em: . Acesso em 22 out. 2017.

ASCENSÃO, José Oliveira. As “exceções e limites” ao direito de autor e direitos conexos. In: Seminário Internacional sobre Direito Autoral, 2008, Fortaleza. Anais do Fórum Nacional de Direito Autoral. Brasília: Ministério da Cultura, 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2016.

BARCELOS, Valdo. Antropofagia Cultural e Educação Ambiental: contribuições à formação de professores(as). In: Reunião Anual da ANPED, 28., 2005, Caxambu, MG. Anais...Caxambu, MG, 2005.

BARDIN. Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BENKLER, Yochai. A economia política dos Commons.In: SILVEIRA, Sérgio Amadeo et al. Comunicação digital e a construção dos Commons: redes virais espectro aberto e as novas possibilidades de regulação. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2007.

BRANCO, Sérgio. O domínio público no direito autoral brasileiro: uma obra em domínio público. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011.

BRANCO, Sérgio; BRITTO, Walter. O que é Creative Commons? : novos modelos de direito autoral em um mundo mais criativo. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2013.

BRANCO, Sérgio; PARANAGUÁ, Pedro. Direitos Autorais. Rio Janeiro: FGV, 2009.

BRASIL. Acesso à internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal-2014. Pesquisa nacional por amostra de domicílios. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

BRIGGS, Asa; BURKE, Peter. Uma história social da mídia: de Gutenberg à Internet. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

BURKE, Peter. A propriedade das ideias. Folha de São Paulo, +mais!, São Paulo, 24 jun. 2001. Disponível em:. Acesso em: 20 nov. 2016.

CANEDO, Daniele. “Cultura é o que? ”- Reflexões sobre o conceito de cultura e a atuação dos poderes públicos. In: Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (ENECULT),5., 2009, Salvador. Anais eletrônicos...Salvador: Faculdade de Comunicação/UFBA: 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2016.

CARBONI, Guilherme. Aspectos gerais da teoria da função social do direito de autor. In: PIMENTA, Eduardo Salles. Propriedade intelectual: estudos em homenagem ao Min. Carlos Fernando Mathias de Souza.1.ed. São Paulo: Letras Jurídicas, 2009. Disponível em:. Acesso em: 11 set. 2016.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. 7. ed., rev. e ampl. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

CAVALHEIRO, Juciane dos Santos. A concepção de autor em Bakhtin, Barthes e Foucault. Signum: Estudos da Linguagem, v. 11, n. 2, 2008. Disponível em: . Acesso em 21 maio 2016.

CHARTIER, Roger. A aventura do livro: do leitor ao navegador - conversações com Jean Lebrun. Tradução de Reginaldo Carmello Corrêa de Moraes. São Paulo: UNESP, 1998.

CITELLI, Adilson et al. Dicionário de comunicação: escolas, teorias e autores. Editora Contexto, 2014.

COLETIVO FREE CULTURE. Manifesto Cultura Livre. 2009. Disponível em: . Acesso em> 11 nov. 2016.

CREATIVE COMMONS. Creative Commons Legal Code Attribution 4.0 Internacional. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2016.

CREATIVE COMMONS. Creative Commons Legal Code Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2016.

CREATIVE COMMONS. Creative Commons Legal Code Attribution-NonCommercial 4.0 International. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2016.

CREATIVE COMMONS. Creative Commons Legal Code Attribution-NonCommercial- ShareAlike 4.0 International. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2016.

CREATIVE COMMONS. Creative Commons Legal Code Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2016.

CREATIVE COMMONS. Creative Commons Legal Code Attribution-ShareAlike 4.0 Internacional. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2016.

CREATIVE COMMONS. Defining “Noncommercial”: a study of how the online population understands “noncommercial use”. Creative Commons Corporation: San Francisco, 2009. Disponível em:. Acesso em: 12 dez. 2016.

CREATIVE COMMONS. State of the commons 2015. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2016.

ESCRITÓRIO CENTRAL DE ARRECADAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO (ECAD). O Ecad. Rio de Janeiro, [2016?]. Disponível em: . Acesso em 29 mar. 2016.

EVANGELISTA, Rafael. O movimento software livre, suas divisões políticas e suas ideias. 34º Encontro Anual da Anpocs, 2010, Anpocs. Anais do 34º Encontro Anual da Anpocs, 2010. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2016.

FOUCAULT, Michel. Estética: literatura e pintura, música e cinema, Coleção Ditos e escritos III, org. e seleção de textos Manoel Barros da Motta, Trad. Inês Autran Dourado Barbosa, 2. ed., Rio de Janeiro: Forense universitária, 2006. p. 264-298.

GANDELMAN, Henrique. De Gutenberg à internet: direitos autorais na era digital. Rio de Janeiro: Record, 2007.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2002.

KLANG, Helena. Antropofagia digital: a questão autoral no tempo do compartilhamento. 2011. 132f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Faculdade de Comunicação Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: . Acesso em: 11 maio 2016.

KLANG, Helena. Políticas culturais na era digital ou a Revolução Caraíba contemporânea. Contemporânea, ed.15, vol.8, n. 2, 2010 .Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2016.

LARA, Paula Maria Tecles; POLI, Leonardo Macedo. Uma análise humana e democrática dos direitos morais do autor. In: BARROS, Renata Furtado; LARA, Paula Maria Tecles; POLI, Leonardo Macedo (orgs.). Direitos Humanos: um debate contemporâneo. Raleigh: Lulu Publishing, 2011.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

LEMOS, André. A crítica da crítica essencialista da cibercultura. MATRIZes, v. 9, n. 1, p. 29-51, 2015. Disponível em: . Acesso em 15 maio 2016.

LEMOS, André. Cibercultura, cultura e identidade. Em direção a uma “Cultura Copyleft”?. Contemporanea-Revista de Comunicação e Cultura, v. 2, n. 2, 2009.Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2016.

LESSIG, Lawrence. Cultura livre: como a grande mídia usa a tecnologia e a lei para bloquear a cultura e controlar a criatividade. São Paulo: Trama, 2005.

LÉVY, Pierre. O que é virtual? São Paulo: Editora 34, 1996.

LIMA, Clóvis Montenegro de; SANTINI, Rose Marie. Copyleft e licenças criativas de uso de informação na sociedade da informação. Ci. Inf., Brasília, v. 37, n. 1, p. 121-128, abr. 2008. Disponível em:. Acesso em: 14 out. 2016.

LIMA, Clóvis Ricardo Montenegro de; SANTINI, Rose Marie. Música e cibercultura. Revista FAMECOS, v. 1, n. 40, 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2016.

MANSO, Eduardo J. Vieira. O que é direito autoral. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

MARINHO, Maria Edelvacy Pinto. A proteção positiva do domínio público. Rev. Bras. Polít. Públicas (Online), Brasília, v. 7, nº 2, 2017 p. 32-40. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2017.

MEGGS, Philip B.; PURVIS, Alston W. História do design gráfico. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

MIZUKAMI, Pedro Nicoletti. Função social da propriedade intelectual: compartilhamento de arquivos e direitos autorais na CF/88. 2007. Dissertação (Mestrado em Direito) –Pontifícia Universidade Católica. Disponível em: Acesso em: 12 jan. 2016.

MÖLLER, Erik. The case for free use: Reasons not to use a Creative Commons-NC license. Open Source Jahrbuch, p. 271-282, 2006. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2016.

MORIGI, Valdir; SANTIN, Dirce Maria. Reflexões sobre os valores do Movimento Software Livre na criação de novos movimentos informacionais. Informação & Informação, v. 12, n. 1, p. 5-18, 2007. Disponível em: Acesso em: 12 jan. 2016.

NIGRI, Deborah Fisch. Cadernos de Direito da Internet: direito autoral e a convergência de mídias. V.II. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006.

PRIMO, Alex. Interação mediada por computador: comunicação, cibercultura e cognição. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2011.

PRONER, Carol. Propriedade intelectual: para uma outra ordem jurídica possível. São Paulo: Cortez, 2007.

REBOUÇAS, Gabriela Maia. Tramas entre subjetividades e direito: a constituição do sujeito em Michel Foucault e os sistemas de resolução de conflitos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2012.

RÜDIGER, Francisco. As teorias da cibercultura: perspectivas, questões e autores. 2. ed. Porto Alegre, RS: Sulina, 2013.

SANTOS, Manuella. Direito autoral na era digital: impactos, controvérsias e possíveis soluções. 1.ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

SANTOS, Samory. P. A interpretação das licenças Creative Commons de vedação de uso comercial diante do Movimento Cultura Livre. In: Maraluce Maria Custódio, João Marcelo de Lima Assafim. (Org.). Direito, inovação, propriedade intelectual e concorrência. 1ed.Florianópolis: CONPEDI, 2015.

SHWINGEL, Carla. O copyleft o desenvolvimento colaborativo como bases da cultura livre. Razón y Palabra, Zaragoza, n.53, 2006. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2016.

STATUTE OF ANNE, 1710. The History of Copyright: A Critical Overview With Source Texts in Five Languages. Disponível em: . Acesso em 13 out. 2016.

STAUT JÚNIOR, Sérgio Said. Um novo mundo para as ideias. Tuiuti: Ciência e Cultura (Online), v. 45, p. 135-152, 2012.

TAVARES, Luis Eduardo. Cultura Livre: projeto de ação política no capitalismo informacional. Aurora. Revista de Arte, Mídia e Política., n. 4, 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2016.

TRIDENTE, Alessandra. Direito autoral: paradoxos e contribuições para a revisão da tecnologia jurídica no século XXI. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

TURKLE, Sherry. Fronteiras do real e do virtual. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 11, p. 117-123, 1999. Disponível em:. Acesso em: 22 mai.2016.

ZANINI, Leonardo Estevam de Assis. A proteção internacional do direito de autor e o embate entre os sistemas do copyright e do droit d’auteur. VIDERE, v. 3, n. 5, p. 107-128, 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v7i3.4954

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia