A privatização de presídios e a ideia neoliberal de criação de um Estado Mínimo

Gina Marcilio Vidal Pompeu, Carlos Lélio Lauria Ferreira

Resumo


O presente artigo aborda a possibilidade de privatização de presídios e a ideia neoliberal de criação de um Estado Mínimo. Examina-se a administração pública no Brasil com minúcia a partir de uma concepção burocrática e gerencial, bem como apresentam-se, de modo particular, os paradoxos da administração prisional brasileira. Justifica-se a escolha do tema por entender que se trata de questão desconsiderada no mundo jurídico brasileiro e, de certa forma, desconhecida no âmbito da execução penal internacional, mesmo com o reconhecimento da absoluta falência do Estado e seu caráter intervencionista. O objetivo da pesquisa é mostrar, inicialmente, que a crise do Estado autoriza considerar a ideia neoliberal da administração prisional em todos os seus aspectos. Trata-se de matéria que reclama pronunciamento acerca da vantagem de estatizar ou privatizar alguns setores da administração pública. O problema constatado na abordagem é a dicotomia entre as normas penal, administrativa e constitucional. A metodologia utilizada é a analítica, empírica, com conceitos jurídicos e normativos no âmbito do Direito Constitucional e Administrativo. Os conceitos utilizados levam em consideração a realidade do sistema penitenciário brasileiro e sua forma arcaica de administração, a aplicação de normas e princípios previstos na Constituição da República de 1988, assim como o entendimento doutrinário e jurisprudencial sobre o tema. Espera-se obter como resultado do trabalho a possibilidade de contribuir para o esclarecimento e a reflexão sobre modelos de gestão adequados à administração prisional no Brasil.

Palavras-chave


Privatização; Neoliberalismo; Direito Constitucional; Dicotomia entre normas; Estado Mínimo.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, P. “Balanço do Neoliberalismo”. In: SADER, E.; GENTILI, P. (Ed.) Pós-Neoliberalismo: As Políticas Sociais e o Estado Democrático. São Paulo: Paz e Terra, 1995. p. 9-23.

ANDREWS, Christina W.; KOUZMIN, Alexander. O discurso da nova administração pública. Lua Nova, n. 45, p. 97-129, 1998.

ARAÚJO JÚNIOR, João Marcello (Coord.). Privatização das prisões. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1995.

AVELÃS NUNES, António José. As duas últimas máscaras do Estado capitalista. Revista Pensar, Fortaleza, v. 16, n. 2, p. 409-476, jul./dez. 2011.

BIONDI, Aloysio. O Brasil privatizado: um balanço do desmonte do Estado. São Paulo: Geração, 2014.

BORGES, Maria Angélica. Eugênio Gudin: capitalism e neoliberalismo. São Paulo: EDUC, 1996.

BRESSER-PEREIRA, L. C. A Reforma do Estado nos Anos 1990. Lógica e Mecanismos de Controle. Brasília: Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado, 1997. Trabalho apresentado na segunda reunião do círculo de Montevidéu, Barcelona, 25-26 abril.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Da administração pública burocrática à gerencial. Revista do Serviço Público, v. 120, n. 1, 1996.

BRIGHENTE, Liliam Ferraresi. Resenha da obra “Estado e economia no capitalismo”, de Adam Pzreworsky. Rev. Bras. de Políticas Públicas, Brasília, v. 1, n. 1, p. 245-259, jan./jun. 2011.

CARNOY, M. Estado e teoria política. Campinas: Papirus, 1986.

CARVALHO, Elaine. Hayek e Friedman e as origens do neoliberalismo. Disponível em: http://www.angelfire.com/planet/anpuhes/ensaio. Acesso em: 3 jul. 2017.

CARVALHO, Ney. A guerra das privatizações. São Paulo: Cultura, 2009. CHOMSKY, Noam. O lucro ou as pessoas? Neoliberalismo e Ordem Global. Revista Pensar, Fortaleza, v. 16, n. 2, p. 439-458, jul./dez. 2011.

COELHO, Daniella Mello. Elementos essenciais ao conceito de administração gerencial. Disponível em: http://www.senado.gov.br/web/cegraf/ril/Pdf/pdf_147/r147-20.PDF#_blank. Acesso em: 28 jun. 2017.

CORDEIRO, Grecianny Carvalho. Privatização do sistema prisional brasileiro. Rio de janeiro: F. Bastos, 2014.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Parcerias na administração pública. São Paulo: Atlas, 2002.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da Biopolítica. São Paulo: M. Fontes, 2008.

FREITAS JÚNIOR, Luiz Romeu de. Modelos de gestão na administração pública: influência dos gestores na aplicação dos modelos de administração. Disponível em: http://www.admpg.com.br/2015. Acesso em 3 jun. 2017.

FRIEDMAN, Milton. Capitalismo e liberdade. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

FRIEDMAN, Milton; FRIEDMAN, Rose. Liberdade de Escolher: o novo Liberalismo Econômico. Trad. Ruy Jungmann. Rio de Janeiro: Record, 1980. p. 152.

GONÇALVES, Marcos Augusto. Neoliberalismo em choque: o pós-Consenso de Washington. Caderno Mais! 12 jun. 1998. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs12079804.htm. Acesso em: 28 jun. 2017.

HAMILKO, Adeildon. Ética da Administração Pública. Disponível em: http://imap.curitiba.pr.gov.br/files/imap. Acesso em: 28 jun. 2017.

HAYEK, F. A. O caminho da servidão. 4. ed. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 1987.

IRIARTE, Gregório. Neoliberalismo, sim ou não? São Paulo: Paulinas, 1995.

KURZ, R. O colapso da modernização. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

LIRA, Daiane Nogueira de. Políticas públicas para a infância e juventude: uma análise a partir da reforma estatal dos anos 90. Rev. Bras. de Políticas Públicas, Brasília, v. 1, n. 2, p. 225-257, jul./dez. 2011.

MALAGUTI, Manoel L. Smith e Hayek, irmandados na defesa das regras do jogo. In: MALAGUTI, Manoel L.; CARCANHOLO, Reinaldo; CARCANHOLO, Marcelo D. (Org.). Neoliberalismo: a tragédia do nosso tempo. São Paulo: Cortez, 1998.

MINHOTO, Laurindo Dias. Privatização de presídios e criminalidade: a gestão da violência no capitalismo global. São Paulo: Max Limonad, 2000.

MORAES, R. C. Neoliberalismo: de onde vem, para onde vai. São Paulo: SENAC, 2001.

MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo. Administração Pública gerencial. Disponível em: http://www.camara.rj.gov.br/setores/proc/revistaproc. Acesso em: 28 jun. 2017.

PINHEIRO, A. C.; GIAMBIAGI, F. Brazilian Privatization in the 1990s. World Development, v. 22, n. 5, 1994, p. 737-753.

PZREWORSKY, Adam. Estado e economia no capitalismo. Trad. Argelina C. Figueiredo e Pedro P. Z. Bastos. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995. p. 35.

RAMOS, Roberto; BIZ, Osvaldo. O âncora e o neoliberalismo: a privatização do sentido. Porto Alegre: Evangraf, 2007.

SANTOS, Alba Conceição Marquez. A administração pública gerencial. Disponível em: http://www.seplag.rs.gov.br/uploads%3e.%20Acesso%20em%2028%20jun.%202017. Acesso em 28 jun. 2017.

SELZNICK, Philip. American Sociological Review. v. 13, Issue 1, Feb., 1948, 25-35. Disponível em https:// www2.bc.edu/jonescq/mb851/1948.pdf. Acesso em: 3 jun. 2017.

SILVA, José Adaumir Arruda da. Privatização de presídios: uma ressocialização perversa. Rio de Janeiro: Revan, 2016.

STIGLITZ, Joseph E. Globalização: como dar certo. Tradução: Pedro Maia Soares. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

VASCONCELOS Flávio Carvalho de. Racionalidade, autoridade e burocracia: as bases da definição de um tipo organizacional pósburocrático. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index. Acesso em: 4 jun. 2017.

WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília: UnB, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v8i1.4839

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia