Mediação como política pública para tratamento de conflitos consumeristas

Fernando Pedro Meinero, Fernanda Sartor Meinero

Resumo


A fim de combater a litigiosidade, bem como promover mudanças na cultura do litígio, outras formas de tratamento de conflitos foram promovidas no ordenamento brasileiro, tais como a mediação e a arbitragem. Além disto, o Conselho Nacional de Justiça por meio da Resolução 125/2010, instituiu a Política Judiciária Nacional que trata sobre a implantação de ações para a promoção de métodos consensuais de tratamento de conflitos. A mediação foi regulamentada pela Lei 13.140/15 e pelo novo Código de Processo Civil (Lei nº 13.105/2015) como prática adjudicatória em que há vínculo entre os envolvidos. Portanto, na concepção da norma, é possível os conflitos decorrentes de relações de consumo se submeterem à mediação. Assim, a pesquisa tem como objetivo verificar se a mediação, na forma em que foi positivada, pode se tornar uma adequada ferramenta de acesso à justiça para os consumidores considerando a sua vulnerabilidade. O estudo revela que a forma como foi implementada a mediação no Brasil pode recair na lógica adversarial, aumentando a desproteção já sofrida pelo consumidor quando não há interesse na recomposição da relação. Utilizar-se-á como metodologia a pesquisa bibliográfica exploratória, adotando-se como principais referenciais teóricos Luis Alberto Warat e Pierre Bourdieu.

Palavras-chave


Mediação; Relações de consumo; Vulnerabilidade, Política Judiciária Nacional

Texto completo:

PDF

Referências


BAUDRILARD, Jean. A sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70, 1995.

BAUMAN, Zygmunt. Globalização: as consequências humanas. Tradução: Marcul Penchel. Rio de Janeiro: Jorge Zahar ed., 1999.

______. Modernidade líquida. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar ed., 2001.

BOURDIEU, Pierre. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 2004.

______. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. 10ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

BOURDIEU, Pierre; TEUBNER, Gunter. La fuerza del derecho. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2000.

BUSH, Barusch; FOLGER, Joseph P. La promesa de mediación. Tradução de Anibal Leal. Buenos Aires: Granica, 2008.

CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à justiça. Porto Alegre: Fabris, 1988.

CARMONA, Carlos Alberto. Arbitragem e processo. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

COMPARATO, Fábio Konder. Ensaio sobre o juízo de constitucionalidade de políticas públicas. Revista de Informação Legislativa, Brasília, a. 35, nº 138.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Justiça em números 2016: ano-base 2015. Brasília: CNJ, 2016. Disponível em: . Acesso em: 25 jun 2017.

______. Resolução n. 125. Disponível em: . Acesso em: 25 jun 2017.

CONSUMIDOR RS. Projeto Solução Direta Consumidor do TJRS. Disponível em: . Acesso em: 25 jun 2017

FECOMERCIO. Inclusão da mediação nos contratos de consumo. Disponível em: Acesso em: 25 jun 2017.

LUCHIARI, Valeria Ferioli Lagrasta. Mediação judicial: análise da realidade brasileira: origem e evolução até a Resolução no. 125 do Conselho Nacional de Justiça. Rio de Janeiro: Forense, 2012.

MANCUSO, Rodolfo de Camargo. Acesso à Justiça: condicionantes legítimas e ilegítimas. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2011.

MARQUES, Cláudia Lima. Proteção do consumidor no comércio eletrônico e a chamada nova crise do contrato: por um direito do consumidor aprofundado. Revista de Direito do Consumidor, v. 15, n. 57, p. 9-59, jan/mar, 2005.

MARQUES, Cláudia Lima; MIRAGEM, Bruno. O novo direito privado e a proteção dos vulneráveis. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2012, p. 117.

MEINERO, Fernanda Sartor. A mediação no judiciário: placebo ou cura para os males do aumento da judicialidade? Formas consensuais de resolução de conflitos. Ano 2015. Disponível em:. Acesso em: 25 jun 2017.

MEINERO, Fernanda Sartor; RIBEIRO, Diógenes Vicente Hassan. A poliafetividade e o acesso à justiça – a mediação como solução. Acesso à Justiça II. Disponível em: . Acesso em: 25 jun 2017.

MORAIS, José Luiz Bolzan de; SPENGLER, Fabiana Marion. Mediação e arbitragem. Alternativas à Jurisdição. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012.

SERPA, Maria de Nazareth. Teoria e prática da mediação de conflitos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 1999.

SPENGLER, Fabiana Marion. Da Jurisdição à Mediação: por uma outra cultura no Tratamento de Conflitos. Ijuí: Editora Unijuí, 2010.

WARAT, Luis Alberto. Introdução Geral ao Direito II. A Epistemologia Jurídica da Modernidade. Morais, José Luis Bolzan de Moraes (trad.). Porto Alegre: Sergio Fabris editor, 1995.

______. Surfando na Pororoca: O ofício do Mediador. Volume III. Coordenação: MEZZAROBA, Orides; DAL RI JÚNIOR, ARNO; ROVER, Aires José; MONTEIRO, Cláudia Servilha. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2004.

______. Em nome do acordo. A mediação no Direito. Florianópolis: Almed: 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v9i1.4780

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia