Análise dos impactos diretos e indiretos do Programa de P&D da ANEEL no setor elétrico: diferenças com os EUA

Igor Polezi Munhoz, Alessandra Cristina Santos Akkari, Neusa Maria Bastos Fernandes dos Santos

Resumo


Há grande interesse na avaliação dos impactos da Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), motivado pela necessidade de compreender os seus efeitos e garantir a manutenção dos recursos destinados a esse fim. Contudo, não há estudos na literatura destinados a analisar a efetividade desse tipo de programa, tampouco mensurar seus impactos, especialmente no setor elétrico. Sob essa perspectiva, o objetivo do presente trabalho foi estudar se existe correlação entre um dos possíveis resultados mensuráveis dos investimentos em P&D regulamentados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), o impacto no número de patentes do setor, e os impactos indiretos, sob a visão do consumidor, por meio da satisfação dos clientes. Ademais, desenvolveu-se uma comparação externa com os EUA, país líder na geração de inovação. Para as análises dos dados secundários, aplicou-se o Método dos Mínimos Quadrados, para prever os cenários futuros, e o Método de Pearson, a fim de verificar a existência de correlação. Nos EUA, observou-se uma forte correlação entre o índice de inovação e a satisfação do consumidor; o mesmo não foi possível constatar para o caso brasileiro, possivelmente devido à satisfação do cliente somente ser percebida no longo prazo, enquanto que a exploração do processo de inovação no Brasil é recente. Os resultados contribuem para a manutenção de políticas públicas de estímulo aos investimentos em P&D no Brasil no longo prazo, prevendo a necessidade de mecanismos capazes de mensurar os resultados dos programas, bem como orientar o setor produtivo e facilitar a interação dos diferentes atores do processo de inovação.

Palavras-chave


Inovação; Patentes; Políticas Públicas; ANEEL

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA. Manual do programa de pesquisa e desenvolvimento do setor de energia elétrica. Brasília, 2008. Disponível em: < http://www2.aneel.gov.br/cedoc/aren2008316_2.pdf>. Acesso em: 13 jul. 2014.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA. Manual dos programas de pesquisa e desenvolvimento tecnológico do setor elétrico brasileiro. Brasília, 2001. Disponível em: < http://www.aneel.gov.br/aplicacoes/leitu-ra_arquivo/default.cfm?idaplicacao=56>. Acesso em: 05 ago. 2015.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA. Relatório Brasil: IASC 2014. Brasília, 2014. Disponível em: < http://www.aneel.gov.br/arquivos/PDF/RELATORIO_BRASIL_IASC_2014_2.pdf>. Acesso em: 15 jan. 2015.

ALVAREZ, Roberto dos R. Inovar é preciso. In: ARBIX, Glauco et al. (Org.) Inovação: estratégia de sete países. Brasília: ABDI, 2010.

AMERICAN CUSTOMER SATISFACTION INDEX. Customer Satisfaction Benchmarks. Sector: energy utilities. 2015. Disponível em: < https://www.theacsi.org/customer-satisfaction-benchmarks/benchmarks-by-sector>. Acesso em: 22 fev. 2015.

ARANGO, Héctor Gustavo. Bioestatística teórica e computacional. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009. ARBIX, Glauco. Inovação e desenvolvimento. In: ______ et al. (Org.). Inovação: estratégia de sete países. Brasília: ABDI, 2010. p.66-91.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL. Informações institucionais. Disponível em: < http://embrapii.org.br/categoria/institucional/quem-somos/>. Acesso em: 05 ago. 2015.

BRASIL. Lei n° 9.991, de 24 de julho de 2000. Dispõe sobre realização de investimentos em pesquisa e desenvolvimento e em eficiência energética por parte das empresas concessionárias, permissionárias e autorizadas do setor de energia elétrica, e dá outras providências. Disponível em: < http://www2.planalto.gov.br/>. Acesso em: 18 out. 2014.

BRASIL. Lei n° 10.973, de 24 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov/>. Acesso em: 05 nov. 2014.

CALMANOVICI, Carlos. A inovação, a competitividade e a projeção mundial das empresas brasileiras. Revista da USP, São Paulo, n. 89, p. 190-203, 2011.

CAMPOS, André Luis Sica. Identificação de impactos econômicos a partir da pesquisa acadêmica: um estudo de projetos temáticos da FAPESP. 1999. 93 f. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS. História do setor de energia elétrica no Brasil. Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: < http://www.memoria.eletrobras.com.br/>. Acesso em: 14 maio 2014.

CERQUEIRA, João da Gama. Tratado da propriedade industrial. São Paulo: RT, 1982. CHEN, Peter Y.; POPOVIC, Paula M. Correlation. London: Sage, 2002. COSTA, Ana Carolina Vital da; ALMEIDA, José Álvaro Jardim de; GOMES, Carla Regina Pása. Investimentos em P&D no Setor Elétrico Brasileiro: um perfil dos resultados em eco-inovação. Ariús: Revista de Ciências Humanas e Artes, Campina Grande, v. 16, n. 1/2 p. 172-186, jan./dez. 2010.

FEDERAL LABORATORY CONSORTIUM FOR TECHNOLOGY TRANSFER. The Green Book: Federal Technology Transfer Legislation an Policy. 2013. Disponível em: < http://globals.federallabs.org/pdf/>. Acesso em: 14 maio 2014.

FURTADO, João. Padrões de Inovação na Indústria Brasileira. Disponível em: < http://www.ifhc.org.br/wp-content/uploads/apresentacoes/1941.pdf>. Acesso em: 2 abr. 2011.

HASEGAWA, Mirian; FURTADO, André Tosi. Avaliação dos impactos de programas de P&D. Inovação Uniemp, Campinas, v.2, n.3, p. 40-41, jul./ago. 2006.

HIGGS, Robert. Crisis and Leviathan: Critical Episodes in the Growth of American Government. New York: Oxford University Press, 1987.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa de inovação tecnológica – 2011. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: < http://www.pintec.ibge.gov.br/downloads/pintec2011%20publica-cao%20completa.pdf>. Acesso em: 10 jan. 2015.

JANSEN, Dorothea; OSTERTAG, Katrin; WALZ, Rainer (Ed.). Sustainability innovations in the electricity sector. New York: Physica-Verlag, 2012.

MARINHO, Vera Maria Costa; SEIDL, Peter Rudolf; LONGO, Waldimir Pirró. O papel governamental como ator essencial para a P&D de medicamentos: um estudo de casos. Química Nova, São Paulo, v. 31, n. 7, p. 1912-1917, 2008.

MARZANO, Fábio Mendes. Políticas de inovação no Brasil e nos Estados Unidos: a busca da competitividade, oportunidades para a ação diplomática. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2011.

MATTOS, Paulo; ABDAL, Alexandre. Estados Unidos: mudanças jurídico-institucionais e inovação. In: ARBIX, Glauco et al. (Org.). Inovação: estratégia de sete países. Brasília: ABDI, 2010. p. 92-120.

NEGRI, Fernanda de; CAVALCANTE, Luiz Ricardo. Análise dos dados da PINTEC 2011. Nota técnica DISET, n. 15. Brasília: IPEA, 2013. Disponível em: < http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/>. Acesso em: 10 out. 2014.

ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO ECONÔMICA E DESENVOLVIMENTO. Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 2006. Disponível em: < http://www.uesc.br/nucleos/nit/manualoslo.pdf>. Acesso em: 05 ago. 2015.

PEREIRA, José Matias; KRUGLIANSKAS, Isak. Gestão de inovação: a lei de inovação tecnológica como ferramenta de apoio às políticas industrial e tecnológica do Brasil. RAE Eletrônica, São Paulo, v. 4, n. 2, p. 1-15, jul./dec. 2005.

POMPERMAYER, Fabiano Mezadre; NEGRI, Fernanda de; CAVALCANTE, Luiz Ricardo. Inovação tecnológica no setor elétrico brasileiro: uma avaliação do programa de P&D regulado pela Aneel. Brasília: IPEA, 2011.

QUEIROZ, Odeon. O impacto do crescimento dos gastos em P&D na taxa de crescimento dos lucros das empresas de acordo com o modelo OJ: um estudo no mercado de capitais brasileiro. In: CONGRESSO ANPCONT, 4., 2010, Natal. Anais... Natal: ANPCONT, 2010. p. 1-16.

ROBINSON, Steve. Management, applied research and the free market paradox. Engineering Management Journal, Indiana, v.6, n.6, p. 261-269, 1996.

ROSENTHAL, David; MOREIRA, Inaldo Lima. Algumas considerações sobre a natureza do processo de capacitação tecnológica: fontes de inovação. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 26, n. 4, p. 145-160, out./dez. 1992.

SALTER, Ammon; MARTIN, Ben. The economic benefits of publicly funded basic research: a critical review. Research Policy, v. 30, n. 3, p. 509-532, Mar. 2001.

SCHUMPETER, Joseph. Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Zahar, 1984. SILVA, Evando Mirra Paula e. O significado da pesquisa Mobit. In: ARBIX, Glauco et al. (Org.). Inovação: estratégia de sete países. Brasília: ABDI, 2010. p.24-30.

TASH, William. Evaluating research centers and institutes for success! Fredericksburg: WT & Associates, 2006.

WINARSKI, Tyson. Protecting Electrical Technology through Patents. IEEE Technology and Society Magazine, Wollongong, v. 29, n. 4, p. 20-29, 2010. WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION. Global Innovation Index 2013: The Local Dynamics of Innovation. Genebra, 2013. Disponível em: < http://www.wipo.int/edocs/pubdocs/en/eco-nomics/gii/gii_2013.pdf>. Acesso em: 05 ago. 2015.

WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION. WIPO IP statistics data center: indicator: 5 patent publications by technology, report type: total count by applicant’s origin, year range: 2002-2011, origin: Brazil and United States, technology: electrical machinery, apparatus, energy. 2012. Disponível em: < https://www.wipo.int/ipstats/en/statistics/country_profile/countries/>. Acesso em: 14 set. 2014.

WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION. Wipo Overview: 2011 edition. Genebra, 2011. Disponível em: < https://www.wipo.int/ipstats/en/statistics/country_profile/>. Acesso em: 14 set. 2014.

WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION. WIPO statistical country profiles: Brazil. Genebra, 2012. Disponível em: . Acesso em: 14 set. 2014. WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION. WIPO statistical country profiles: United States of America. Genebra, 2012. Disponível em: < https://www.wipo.int/ipstats/en/statistics/country_profile/>. Acesso em: 14 set. 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v5i3.3321

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia