Estimativa de demanda pela formalização da economia informal no agreste pernambucano – uma aplicação do método de valoração contingente

Monaliza de Oliveira Ferreira, Kelly Samá Lopes de Vasconcelos

Resumo


O principal efeito da expansão da economia informal sobre a economia formal está relacionado à redução na receita tributária, reduzindo a quantidade e qualidade do fornecimento de serviços e bens públicos. Ademais, do ponto de vista da empresa, tem-se que a produtividade no setor informal é menor que a produtividade no setor formal. O objetivo desta pesquisa consiste em realizar uma estimativa da demanda potencial pela formalização da economia informal, utilizando o método de valoração contingente. Após a aplicação do modelo observou-se que os microempresários do Polo de Confecções do Agreste Pernambucano estão dispostos a pagar, em média, R$0,08 mensais em Caruaru e nada em Santa Cruz do Capibaribe. Conclui-se, portanto, que os feirantes que se encontram inseridos na economia informal, não estão muito dispostos a pagar para inserirem-se na economia formal, ou pelo fato de que acreditam já pagar muitos impostos ou porque acreditam estarem confortáveis com seus rendimentos sem ter de prestar contas sobre isso com o Estado.

Palavras-chave


Economia informal. Firma. Mercado de trabalho. Valoração contingente.

Texto completo:

PDF

Referências


BOEKE, J. Economics and economic policy of dual societies: as exemplified by Indonesia. New York: International Secretariat Institute of Pacific Relations, 1953.

BORGES, A.; FRANCO, A. Economia informal da RMS: verdades e mitos. Bahia Análise e Dados. Salvador – BA. SEI, v.9, n.3, p.68-89, dez./99.

BURNETT, A. A saga dos retalheiros: um estudo sobre a instituição da feira da sulanca no Agreste pernambucano. Século XXI: Revista de Ciências Sociais, v. 3, n. 2, p. 09-40, jul./dez. 2013.

CACCIAMALI, M. C. Setor informal urbano e formas de participação na produção. (Tese de Doutorado em Economia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 172f. 1983.

CACCIAMALLI, M. C. Globalização e processo de informalidade. São Paulo, Texto para Discussão Nº 01/2000, IPE/USP, 2000.

CACCIAMALLI, M. C.; SILVA, M. F. J. Mais informalidade, menos cidadania, os efeitos criados por esse circulo vicioso sobre a formulação da política social na América Latina. São Paulo, Cadernos Prolam/ USP, ano 2 – v.02- N.2 – 2003.

FILÁRTIGA, G. B. Custos de transação, instituições e a cultura da informalidade no Brasil. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, V. 14, N. 28, P. 121-144, dez. 2007.

FONTES, A.; PERO, V. Determinantes do desempenho dos microempreendedores no Brasil. Seminário de Pesquisa, IE/UFRJ, jun. 2009.

FREY, Bruno. La economía del arte: una visión personal, y Las falsificaciones en arte: ¿qué falsificaciones? Barcelona: La Caixa, 2000. (Estudios Económicos, 18).

HARRIS, J.;TODARO, M. Migration, unemployment and development: a two-sector Analysis. American Economic Review, Pittsburgh, v. 60, n. 1, p. 126-142, 1970.

HIRSCHMAN, A. Exit, Voice and loyalty: responses to decline in firms, organizations, and states. Cambridge: Harvard University Press, 1970.

INTERNATIONAL LABOR CONFFERENCE. Transition from the informal to the formal economy. Geneva: International Labor Office, 2014.

LEWIS, A. The Dual Economy revisited. The Manchester School, Hoboken, v. 47, n. 3, p. 211-229, Sept. 1979.

MACHADO, A. F.; OLIVEIRA, A. M. H.C.; ANTIGO, M. Evolução do diferencial de rendimentos entre setor formal e informal no Brasil: O papel das características não observadas. Revista Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 355-388, maio/ago. 2008.

MILHOMEM, A. V. Trabalho informal: precarização do trabalho e exclusão social em Goiás e no Brasil. Revista Anhanguera, v.4, n.1, jan./ dez. p. 139-155 2003.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO (MTE/IPEA). Mercado de trabalho: conjuntura e análise. Brasília, ano 14, v.39, maio 2009.

NERI, M. Informalidade. FGV, Ensaios econômicos, n. 635, p. 1-40, dezembro de 2006.

OLIVEIRA, R. V.; BRAGA, B. M. Território comercial de Toritama: persistência e metamorfoses da informalidade. Revista de Ciências Sociais Política & Trabalho, João Pessoa, n. 41, p. 193-225, out. 2014.

Organização Internacional do Trabalho (OIT). Disponível em: http://www.oitbrasil.org.br/content/o-que-e-trabalho-decente.

PERRY, G. Et al. Informality: Exit and Exclusion. Washington:The World Bank, 2007.

RAMOS, Lauro (ed.). Mercado de trabalho: conjuntura e análise. Brasília: IPEA, maio 2009. (Boletim, 39). Disponível

em: .

Acesso em: 10 ago. 2015.

SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas). Economia informal urbana. Observatório SEBRAE, julho de 2005.

RAMOS, Lauro (ed.). Mercado de trabalho: conjuntura e análise. Brasília: IPEA, maio 2009. (Boletim, 39). Disponível

em:.

Acesso em: 10 ago. 2015.

ROCHA, M.E.B. Economia informal cearense: uma caracterização. In: VIANNA, P.J.; ROSA, A.L.T. (Org.) Economia do Ceará em Debate. Fortaleza, Instituto de Pesquisas Econômicas do Ceará (IPECE), 2006, p.136-156.

ROSA, A.L.T.; CASTELAR, L.I.M. Demanda por microcrédito em Fortaleza: uma análise do método de avaliação contingente. Universidade Federal do Ceará. Curso de Pós-Graduação em Economia – CAEN. Fortaleza, 1998. (Texto para discussão, n. 174/98).

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Economia informal urbana: julho de 2005. Goiânia: Observatório SEBRAE, 2015.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Estudo da caracterização econômica do Polo de Confecções do Agreste Pernambucano: relatório final apresentado ao SEBRAE-PE. Recife: FADE/UFPE, maio de 2003.

SOTO, H. de. El otro sendero: la revolución informal. Bogotá: Oveja Negra, 1987.

SQUEEF, G. C. Produtividade do trabalho nos setores formal e informal no Brasil: uma avaliação do período recente. Rio de Janeiro: IPEA, 2015. (Texto para Discussão, n. 2084).




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v5i3.3268

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia