O atual direito processual de grupos sociais: entre o ativismo judicial e o garantismo judicial

Jefferson Carús Guedes

Resumo


O presente artigo busca discutir o chamado direito processual de grupos sociais, especialmente sua categorização entre o ativismo judicial e o garantismo processual. Em 2006 já havíamos tratado da existência de um “direito processual social” ou “direito processual de grupos sociais” ao repor o debate sobre certas áreas do processo civil que podem ou devem merecer tratamento diferenciado das regras processuais e, de modo geral, apenas, como um reflexo de diferenciações originadas do direito material. O que se nos parece, às vezes, é que ressuscitamos velhos temas ao debater o atual garantismo processual e o ativismo judicial. Entende-se ser possível que haja normas autoritárias em regimes democráticos e normas democráticas em regimes autoritários. Pensar-se em regras universais não faz mais muito sentido no Brasil, hoje, quando se quer um processo cada vez mais “customizado” ou adequado à tutela desejada pela parte. Reequilibrar partes com regras do processo, quando e se necessário, pode ser tarefa estatal, seja pela outorga de direitos, seja pela compensação processual, sejam aos pobres ou desassistidos, negros, beneficiários de seguro social, adolescentes em condição de risco, indígenas, mulheres, agricultores, desabrigados de catástrofes, homossexuais e outras minorias, refugiados, detentos, imigrantes, desempregados, doentes, acidentados, microempresários; sem-terra, deficientes. Mas, além disso, tutelar não mais ou não apenas os direitos desses indivíduos ou grupos de indivíduos, mas as pessoas e como pessoas, assim reconhecidas pela técnica processual.

Palavras-chave


Ativismo Judicial; Garantismo Processual; Direito Processual de Grupos Sociais;

Texto completo:

PDF

Referências


ALCALÁ-ZAMORA Y CASTILLO, Niceto. Causas y efectos sociales del Derecho Procesal. Estudios de Teoría General e Historia del Proceso. Ciudad de México: UNAM, 1974, v. II.

________. Liberalismo y autoritarismo en el proceso. Estudios de Teoría General e Historia del Proceso. Ciudad de México: UNAM,1974.

ALMEIDA, Gregório Assagra de. Direito Processual Coletivo brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2003.

ALVARADO VELLOSO, Adolfo. Garantismo procesal contra actuación judicial de oficio. Valencia: Tirant lo Blanch, 2005.

ARZATE SALGADO, Jorge G. Elementos conceituais para a construção de uma teoria sociológica da carência. Desigualdades na América Latina: novas perspectivas analíticas. Porto Alegre: UFRGS, 2005. Orgs. Antonio David Cattani e Laura Mota Diaz. Trad. Ernani Ssó.

BARBOSA MOREIRA, José Carlos. Neoprivatismo no processo civil, Temas de Direito Processual, Nona série. São Paulo: Saraiva, 2007.

________. A função social do processo civil moderno e o papel do juiz e das partes na direção e na instrução do processo, Temas de Direito Processual: terceira série. São Paulo: Saraiva, 1984.

BEDAQUE. José Roberto dos Santos. Poderes instrutórios do juiz, 3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2001.

BÖHN, Peter. Processo civile e ideologia nello stato nazisocialista, Rivista Trimestrale de Diritto e Procedura Civile, anno LVIII, n. 2. Milano: Giuffrè, giug/2004.

CABRAL, Antonio do Passo. O processo como superego social: um estudo sobre os fins sociais da jurisdição, Revista de Processo, n. 115. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004.

________. Imparcialidade e impartialidade: por uma teoria sobre a repartição e incompatibilidade de funções nos processos civil e penal. Teoria do Processo: panorama doutrinário mundial. Salvador: JusPodivm, 2008. Coord. Fredie Didier Jr. e Eduardo Ferreira Jordão.

CALAMANDREI, Piero. Premissas políticas do Projeto do Código de Processo Civil italiano, Processo Oral: coletânea de estudos de juristas nacionais e estrangeiros. Rio de Janeiro: Forense, 1940.

________. Instituciones de Derecho Procesal Civil: según el nuevo Código. Buenos Aires: Depalma, 1943. Trad. Santiago Sentis Melendo.

CÂMARA, Alexandre Freitas. Poderes instrutórios do juiz e processo civil democrático, Revista de Processo, n. 153. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.

CAMPOS, Francisco. Exposição de Motivos, Código de Processo Civil, 3. ed. São Paulo: Saraiva, 1969.

CHIOVENDA, Giuseppe. Le riforme processuali e le correnti del pensiero moderno. Saggi di Diritto Processuale Civile, v. 1º. Milano Giuffrè, 1993.

CAPPELLETTI, Mauro. Iniciativas probatorias del juez y bases prejurídicas de la estructura del proceso. La oralidad de las pruebas en el proceso civil. Trad. Santiago Sentís Melendo. Buenos Aires: Ejea, 1972.

________. Publicización, oralidad, socialización. El processo civil en el Derecho Comparado. Buenos Aires: EJEA, 1973. Trad. Santiago Sentis Melendo.

COUTURE, Eduardo J., Oralidade e regra moral no processo civil, Processo Oral: coletânea de estudos de juristas nacionais e estrangeiros. Rio de Janeiro: Forense, 1940.

________. Algunas nociones fundamentales sobre Derecho Procesal del Trabajo, Estudios de Derecho Procesal Civil, 3. ed. Buenos Aires: Depalma, 1989. tomo I.

DENTI, Vittorio. Il processo come strumento di politica sociale, Processo civile e giustizia sociale. Milano: Comunità, 1971.

DEVIS ECHANDÍA, Hernando. Política social en la justicia civil, Estudios de Derecho Procesal. Buenos Aires: Zavalia, 1985.

DIDIER JR., Fredie. Os três modelos de direito processual: inquisitivo, dispositivo e cooperativo, Direitos, deveres e garantias fundamentais. Salvador: JusPodivm, 2011. Coord. George Salomão Leite, Ingo Wolfgang Sarlet, Miguel Carbonell.

DINAMARCO, Cândido R. Liebman e a cultura processual brasileira, Revista de Processo, n. 119, São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005; Doutrinas Essenciais de Processo Civil, v. 6. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

FISS, Owen. Grupos y cláusula de igual protección. Derecho y grupos desavantajados. Barcelona: YLS-UP- Gedisa, 1999. Comp. Roberto Gargarella.

BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Em busca de um conceito fugidio - o ativismo judicial, As novas faces do ativismo judicial. Salvador: JusPodivum, 2011. Orgs. André Fernandes Fellet; Daniel Giotti de Paula; Marcelo Novelino.

GRECO, Leonardo. Publicismo e privatismo no processo civil. Revista de Processo, n. 164, São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.

GRINOVER, Ada Pellegrini. A iniciativa instrutória do juiz no processo penal acusatório. A marcha do processo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

GUEDES, Jefferson Carús. Direito Processual Social no Brasil: as primeiras linhas. Revista Latinoamericana de Derecho Social, v. 2, p. 55-91, Universidad Nacional Autónoma de México: México, 2006.

________. Igualdade e desigualdade no processo civil: o processo como técnica compensatória de desigualdades sociais. Tese de Doutorado. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica, 2008.

________. O princípio da oralidade: procedimento por audiências no Direito Processual Civil brasileiro. São Paulo. Revista dos Tribunais, 2003.

GUIMARÃES, Luiz Machado. Processo autoritário e regime liberal, Estudos de Direito Processual Civil. São Paulo-Rio de Janeiro: Jurídica Universitária, 1969.

JARDIM, Afrânio Silva, A publicização do processo civil. Rio de Janeiro: Liber Juris, 1982.

KELLY, John M. Storia del pensiero giuridico occidentale. Bologna: Mulino, 1996. Trad. Simona Ferlini.

KYMLICKA, Will. Multiculturalismo liberal e Direitos Humanos. Igualdade, diferença e Direitos Humanos. Rio de Janeiro: Lumen Iuris, 2008. Coord. Daniel Sarmento, Daniela Ikawa e Flavia Piovesan.

LOPES, João Batista. Os poderes do juiz no aprimoramento da prestação jurisdicional. Revista de Processo, n. 35. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1984.

MACEDO JUNIOR, Ronaldo Porto. Ação civil pública, o direito social e os princípios, Estudos em homenagem à professora Ada Pellegrini Grinover. São Paulo: DPJ, 2005. Coordenação Flávio Luiz Yarshell e Maurício Zanoide de Morais.

MENGER, Anton. El Derecho Civil y los pobres. Granada: Comares, 1998. Trad. Adolfo Posada.

MARINONI, Luiz Guilherme. Novas linhas do processo civil: o acesso à Justiça e os institutos fundamentais do Direito Processual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1993.

MITIDIERO, Daniel. Colaboração no processo civil: pressupostos sociais, lógicos e éticos. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

MONTERO AROCA, Juan. Proceso civil e ideología: un prefacio, una sentencia, dos cartas y quince ensayos. Valencia: Tirant lo Blanch, 2006. Coordenador Juan Montero Aroca.

________. El proceso civil llamado “social” como instrumento de “justicia” autoritaria, Proceso civil e ideología: un prefacio, una sentencia, dos cartas y quince ensayos. Valencia: Tirant lo Blanch, 2006. Coord. Juan Montero Aroca.

________. El Derecho Procesal en el siglo XX. Valencia: Tirant lo Blanch, 2000.

NAVES, Candido. Impulso, processual e poderes do juiz. Belo Horizonte: Santa Maria, 1949.

NUNES, Dierle José Coelho . Processo Jurisdicional democrático: uma análise crítica das reformas processuais. Curitiba: Juruá, 2008.

NUNES, Dierle José Coelho; BAHIA, Alexandre G. M. F. Processo, jurisdição e processualismo constitucional democrático na América Latina: alguns apontamentos. Revista Brasileira de Estudos Políticos, v. 10. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

PARRA QUIJANO, Jairo. Racionalidad e ideología en las pruebas de oficio. Bogotá: Themis, 2001.

RAMOS, Glauco Gumerato. Ativismo e garantismo no processo civil: apresentação de debate. Revista Brasileira de Direito Processual, n. 70. Belo Horizonte: Fórum, 2010.

________. O processo civil gatopardista dos Juizados Especiais. Revista Brasileira de Direito Processual, n. 77. Belo Horizonte: Fórum, 2012.

RICCI, Gian Franco. Il processo civile fra ideologie e quotidianità. Rivista Trimestrale di Diritto e Procedura Civile, ano LIX, Milano: Giuffrè, mar/2005.

ROCHA, Eliana Pires; GUEDES, Jefferson Carús. Derechos Fundamentales y Proceso Civil en el Brasil: algunas técnicas procesales compensatorias de desigualdades sociales y la protección judicial de los derechos fundamentales. Anuario de Derechos Humanos, v. 11. Universidad Complutense de Madrid: Madrid, 2010.

RODRIGUEZ SOLERA, Carlos Rafael. Sete grandes debates sobre a desigualdade social, Desigualdades na América Latina: novas perspectivas analíticas. Porto Alegre: UFRGS, 2005. Orgs. Antonio David Cattani e Laura Mota Díaz.

PISANI, Andrea Proto. Pubblico e privato nel processo civile, Revista de Processo, n. 207, São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012.

PICÓ I JUNOY, Joan. El derecho procesal entre el garantismo y la eficacia: un debate mal planteado. Proceso civil e ideología: un prefacio, una sentencia, dos cartas y quince ensayos. Valencia: Tirant lo Blanch, 2006. Coordenador Juan Montero Aroca.

SANTOS, Moacyr Amaral. Contra o processo autoritário. Revista da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, v. LIV, fasc. II, São Paulo: USP, 1959.

SEN, Amartya. Desigualdade reexaminada. Rio de Janeiro: Record, 2001. Trad. Ricardo Doninelli Mendes.

SOMMA, Alessandro. Fascismo e diritto, Rivista Trimestrale di Diritto e Procedura Civile, anno LV, n. 3. Milano: Giuffrè, set/2001.

SUNDFELD, Carlos Ari. O direito processual e o direito administrativo, Direito Processual Público: A Fazenda pública em juízo. São Paulo: Malheiros, 2000. Coordenadores Carlos Ari Sundfeld e Cássio Scarpinella Bueno.

TARUFFO, Michele. La giustizia civile in Italia dal ‘700 a oggi. Bologna: Mulino, 1980.

TROCKER, Nicolò. Il processo civile tedesco e quello italiano: loro basi storico-ideologiche, Processo civile e Costituzione: Problemi de diritto tedesco e italiano. Milano: Giuffrè, 1974

VERDE, Giovanni. Las ideologías Del proceso en un reciente ensayo, Proceso civil e ideología: un prefacio, una sentencia, dos cartas y quince ensayos. Valencia: Tirant lo Blanch, 2006. Coordenador Juan Montero Aroca.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v6i1.3135

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia