A polícia judiciária e o combate à criminalidade

Júlio Lopes Hott

Resumo


A Polícia Judiciária realiza a investigação criminal através de procedimentos informais e também através da instrução cartorária do Inquérito Policial fazendo uma espécie de “formação de culpa” pré-processual. Trata-se de uma ação inquisitorial de política pública criminal que interfere na intimidade e na liberdade das pessoas com um grau de seletividade e discricionariedade que deve ser demonstrado através de um referencial de criminologia crítica. O objetivo desta pesquisa é verificar como se constrói a agenda desse programa de segurança pública e se essa atuação policial combate ou induz a criminalidade. Buscando uma alternativa compatível com o referencial utilizado, sugere-se a abolição do atual modelo concentrado na União e nos Estados e oferece como hipótese um modelo municipalizado. Para essa conclusão, analisa-se a cultura e o campo policial, os habitus juridicos, o discurso existente entre seus atores, as práticas investigativas herdadas de um paradigma etiológico de criminologia, a forma de controle (accountability) que é exercido sobre as etapas do procedimento investigativo e o método utilizado para investigação dos crimes.

Palavras-chave


Política Criminal, Inquérito Policial, Investigação, Polícia Judiciária, poder de polícia.

Texto completo:

PDF

Referências


BARATTA. Alessandro. Criminologia crítica e crítica do direito penal. 3. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2002.

BATISTA, Nilo. Introdução crítica ao direito penal brasileiro. 11. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2007.

BAYLEY, David H. Padrões de policiamento: uma análise comparativa internacional. Trad. Renê Alexandre Belmonte. 2. ed. 1. reimpr. São Paulo: Edusp, 2006. (Série Polícia e Sociedade; n. 1).

BEATO FILHO, Claudio C., RABELO, Karina & OLIVEIRA JÚNIOR, Almir de. Reforma policial no Brasil. In: Compreendendo e avaliando: projetos de segurança pública. Org. Claudio Beato. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

BOURDIEU, Pierre.(1989) O poder simbólico. Tradução Fernando Tomaz, 10. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 58. ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

BRASIL. Código de Processo Penal Anotado. 10. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

BRASIL. Oficina 3 do II Congresso Brasileiro de Carreiras Jurídicas de Estado, Brasília: MJ, 2010.

BECCARIA, Cesare. Dos delitos e das penas. São Paulo: Martin Claret, 2000.

BUCCI, Maria Paula Dallari (org.). O conceito de política pública em direito. In Políticas Públicas: reflexões sobre o conceito jurídico. São Paulo: Saraiva, 2006.

CARNELLUTTI, Francesco. Cómo se hace um processo. Tradução de Santiago Sienís Melendo e Marino Ayerra Redín, Santa Fé, Bogotá, Colombia, Temis, 1977.

CARVALHO, Salo de. Pena e garantias. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2003.

CIDADANIA, justiça e violência/ Organizadores Dulce Pandolfi...[et al]. Rio de Janeiro: Fundação GetulioVargas, 1999. Disponível em: . Acesso em 12 nov. 2011.

CONSEG. Cadernos Temáticos. Coordenação Geral da 1ª Conferência Nacional de Segurança Pública, - Ministério da Justiça – Ano I, 2009, n. 06. ISSN 2175-5949.Brasília, DF.

COSTA, A. T. O inquérito policial no Distrito Federal in Reflexões sobre a investigação brasileira através do inquérito policial. Brasília: MJ. 2009.

COSTA, A. T. É possível uma Política Criminal? A discricionariedade no Sistema de Justiça Criminal do DF. Revista Soc. estado. vol. 26 no.1 Brasília Jan./Apr. 2011.

DE GIORGI, Alessandro. Tolerancia Cero: estrategias y prácticas de la sociedad del control. Barcelona:Virus, 2005.

DIAS, Jorge de Figueiredo, ANDRADE, Manuel da Costa. Criminologia: o homem delinquente e a sociedade criminógena. Coimbra: Coimbra, 1984.

DÍEZ-PICAZO, Luis María. El poder de acusar: Ministerio Fiscal y Constitucionalismo. Barcelona: Ariel Derecho, 2000, p. 76-80.

FEDERAÇÃO NACIONAL DOS POLICIAIS FEDERAIS, Inquérito Policial “Um elefante Branco”. Disponível em: .

FERRI, Henrique. Princípios de direito criminal. Tradução por Luiz Lemos D'Oliveira. São Paulo: Saraiva, 1931.

GONZAGA, João Bernardino. A inquisição em seu mundo. São Paulo: Saraiva, 1994.

GRINOVER, Ada Pellegrini. As nulidades no processo penal, São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006.

HALL, Peter. Policy paradigms, social learning, and the State: the case of economic policy-making in Britain. Comparative politics, New York, NY, v.25, n.3, p. 275-298, apr. 2003

HOLLOWAY, Tomas H. Polícia no Rio de Janeiro: repressão e resistência numa cidade do século XIX. Rio de Janeiro: FGV, 1997.

HULSMAN, Louk; CELIS, Bernat J de. Penas perdidas: o sistema penal em questão. Tradução de Maria Lúcia Karam. Rio de Janeiro: Luam, 1997.

KANT DE LIMA, Roberto. A polícia da cidade do Rio de Janeiro: seus dilemas e paradoxos. Rio de Janeiro: Forense, 1995.

KANT DE LIMA, Roberto. Polícia e exclusão na cultura judiciária. Revista de Sociologia da USP, São Paulo, vol. 9, n. 1, p. 169-183, maio, 1997.

KANT DE LIMA, Roberto. Polícia, Justiça e sociedade no Brasil: uma abordagem comparativa dos modelos de administração de conflitos no espaço público. Revista de Sociologia e Política, 1999.

KANT DE LIMA, Roberto. Direitos Civis, Estado de Direito e 'Cultura Policial': A Formação Policial em Questão. Revista Brasileira de Ciências Criminais, ano 11, nº 41, 2003.

KUHN, Thomas. S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1991.

LARRAURI, Elena. La herencia de la criminologia crítica. 2. ed. Madri: Siglo veintiuno de España, 2000.

LOPES JR, Aury. Sistemas de investigação preliminar no processo penal. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006.

MANNING, Peter. Police Work: the social organization of policing. Cambridge: MIT press, 1977.

MANNING, Peter. Police Contingencies. Chicago: University of Chicago Press, 2003.

MARIANO, Benedito Domingos. Por um novo modelo de polícia no Brasil: a inclusão dos municípios no sistema de segurança pública. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004. – (Coleção Brasil Urgente).

MISSE, Michel. O inquérito policial no Brasil: uma pesquisa empírica. Rio de Janeiro: Booklink, 2010.

MISSE, Michel. O papel do inquérito policial no processo de incriminação no Brasil: algumas reflexões a partir de uma pesquisa. Revista de Sociologia da USP, São Paulo, vol. 26, n. 1, Janeiro, 2011.

MONJARDET, Dominique. O que faz a polícia: Sociologia da força pública. São Paulo: EDUSP, 2003. (Série Polícia e sociedade). Tradução de Mary Amazonas Leite de Barros.

MPDFT. Estatísticas das promotorias criminais. Disponível em: .

MULLER, Pierre. Politiques Publiques, Paris, Presses Universitaires de France, 2003.

MULLER, Pierre. L’Analyse Cognitive des politiques publiques :vers une sociologie politique de l’action publique, in Revue Française de Science Politique, vol. 50, n°2, avril 2000.

MUSUMECI, Leonarda. Resistências e dificuldades de um programa de policiamento comunitário. Revista Tempo Social, São Paulo, vol. 9, n. 1, Maio de 1997.

OAB. Delegado sem concurso e formação jurídica. Revista da Ordem dos Advogados de Goiás. Disponível em: .

PIERANGELI, José Henrique. Manual de direito penal brasileiro. 3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2001.

REINER, Robert. A política da polícia. São Paulo: EDUSP, 2004. (Trad.de Jacy C. Ghirotti e Maria C.P. da C. Marques).

SARAVIA, Enrique e FERRAREZI, Elisabete (Org.). Políticas públicas; coletânea. Brasília: ENAP, 2006.

REVISTA VEJA, on-line, edição 1800, Abril. Disponível em: . Acesso em 11 nov. 2013.

ROLIM, Marcos. A síndrome da rainha vermelha: policiamento e segurança pública no Século XXI. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar: Oxford, Inglaterra: University of Oxford, Centre for Brazilian Studies, 2009.

SENASP, Anuário do fórum brasileiro de segurança pública, publicado em 06/11/2013.Ministério da Justiça.

SKOLNICK, Jerome H. Justice without trial. Law enforcement in democratic society. New York: John Wiley, 1966.

SKOLNICK, Jerome H. e FYFE, J.J. Above the law: police and the excessive use of force. N.York/Toronto/Singapore/Sydney, The Free Press, a Division of Mcmillan Inc., 1993.

TJDFT. Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, processo nº 2007.08.1.009734-8APR.

TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Manual de processo penal. São Paulo: Saraiva, 2009.

SAAD, Marta. O direito de defesa no inquérito policial. São Paulo, ERT, 2004

VOGLIOTTI, Massimo. Les relations police-parquet: un équilibre menacé? Droit et Société, Paris, n. 58, 2004, pp. 453-497.

WACQUANT, Loïc. Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos. 2. ed. Col. Pensamento Criminológico. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

WALKER, Samuel. Taming the System: The Control of Discretion in Criminal Justice, 1950-1990. New York: Oxford University Press, 1993.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da violência 2013. Disponível em: . Acesso em 13 dez. 2013.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl. Manual de direito penal brasileiro. 3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2001.

ZAVERUCHA, J. FHC. Forças armadas e polícia: entre o autoritarismo e a democracia, 1999-2002. Rio de Janeiro: Record, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v5i1.2845

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia