Direito à Saúde, Políticas Públicas e portadores de transtorno mental: a internação compulsória do dependente químico no município do Rio de Janeiro.

Emerson Affonso da Costa Moura, Laila Rainho de Oliveira

Resumo


A internação compulsória dos dependentes químicos com fundamento na Lei nº 10.216 de 2001 promovido pelos poderes públicos enquanto política pública de saúde ou medida higienista é o tema posto em debate, a partir da análise do direito fundamental à saúde e das políticas públicas sanitárias determinadas pela Constituição Federal sob a competência do Sistema Único de Saúde, do reconhecimento dos dependentes químicos como pessoas portadoras de transtornos mentais e as referidas políticas estatais de saúde trazidas pela Lei de Reforma Psiquiátrica, bem como, das operações de internação adotadas pelo Município do Rio de Janeiro para dependentes químicos em áreas de “cracolândia” no âmbito do Protocolo do Serviço Especializado em Abordagem Social.

Texto completo:

PDF

Referências


II LENAD Levantamento Nacional de Drogas / Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Políticas Públicas do Álcool e outras drogas. Disponível em: http://inpad.org.br/wp-content/uploads/2013/04/LENAD_

ALCOOL_Resultados-Preliminares.pdf Acesso em 09.09.2013.

A Política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas / Ministério da Saúde, Secretaria Executiva, Coordenação Nacional de DST e Aids. Brasília: Ministério da Saúde, 2003.

BARROS, Daniel Martins de. SERAFIM, Antonio de Padua. Parâmetros Legais para a Internação Voluntária no Brasil. Revista de Psiquiatria Clínica, vol. 36, n. 4, 2009.

BARROSO, Luís Roberto. Interpretação e aplicação da Constituição. 6. ed. Rio de Janeiro: Saraiva, 2006.

BARROSO, Luís Roberto. O direito constitucional e a efetividade de suas normas. Limites e possibilidades da Constituição

brasileira. 7. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2003.

BARROSO, Luís Roberto. Neoconstitucionalismo e constitucionalização do direito: O triunfo tardio do direito constitucional

no Brasil. In: SOUZA NETO, Cláudio Pereira de; SARMENTO, Daniel (orgs.). A constitucionalização do direito: fundamentos teóricos e aplicações específicas. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007. p. 203-250.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 05 de Outubro de 1988.

BRASIL. Lei 8.080, de 19 de Setembro de 1990.

BRASIL. Lei 9.961 de 28 de Janeiro de 2000.

BRASIL. Lei nº 10.216 de 06 de Abril de 2001.

BRASIL. Lei nº 11.343 de 23 de Agosto de 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 3.088 de 23 de Dezembro de 2011.

BRASIL. Resolução nº 3 GSIPR/CH/CONAD. de 27 de Outubro de 2005.

BRASIL. Resolução nº 148 do Ministério da Saúde de 31 de Janeiro de 2012.

BRASIL.Secretaria Municipal de Assistência Social. Resolução nº 20 de 27 de Maio de 2011.

BONAVIDES, Paulo. Curso de direito constitucional. 13. ed. São Paulo: Malheiros, 2003.

BRANCO NETO, Joffre do Rêgo Castello. Reforma Psiquiátrica e Políticas Públicas de Saúde Mental no Brasil: Resgate da Cidadania das Pessoas Portadoras de Transtornos Mentais, VI Encontro de Iniciação

Científica, Faculdade 7 de Setembro, 2010, p. 8-9.

BUCCI, Maria Paula Dallari. Direito administrativo e políticas públicas. São Paulo: Saraiva, 2002.

CALDAS, Amanda de Alvarenga; NOBRE, Julio Cesar de Almeida. Saúde Mental e Reforma Psiquiátrica Brasileira: Reflexões Acerca da Cidadania aos Portadores de Transtornos Mentais. Cadernos UNIFOA,

n. 20, dez/2012.

CAPEZ, Fernando. Tóxicos - Internação compulsória e educação. Revista Magister de Direito Penal e Processual Penal. Porto Alegre, v. 8, n. 45, jan./mar. 2011.

CARVALHO, João Alberto. A saúde mental na visão da psiquiatria. Revista Jurídica Consulex. Brasília, n.320, mai. 2010.

CINTRA JUNIOR, Dyrceu Aguiar Dias. Direito e Saúde Mental. Revista de Direitos Difusos. Brasília, v. 19,maio./jun. 2003.

CORREA JUNIOR, Rubens. As internações involuntárias de drogodependentes frente à legislação brasileira: Uma análise em relação ao contexto histórico do tratamento de dependentes e as políticas

higienistas e de profilaxia social. Revista de Direitos Fundamentais e Democracia, Curitiba, v. 13, n. 13, p. 276, janeiro/junho de 2013.

COSTA, Danilo; LACAZ, Francisco Antonio de Castro; JACKSON FILHO, José Marçal; VILELA, Rodolfo Andrade Gouveia. Saúde do Trabalhador no SUS: desafios para uma política pública. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional vol.38 no.127 São Paulo, Jan./June 2013.

COSTA, Ileno Izidio. Problematizações sobre a eficácia da internação compulsória no tratamento da drogadição. Debate “Internação Compulsória”, Ordem dos Advogados do Brasil, Distrito Federal, 2013.

Disponível em: http://www.unb.br/noticias/downloads/ATT00013.pdf Acesso em 20.12.2013.

CUNHA, Marco Túlio Ribeiro. Direito Fundamental à Saúde Ambiental: Interdisciplinariedade entre o Direito fundamental à saúde e ao meio ambiente. Revistas da Faculdade Católica de Uberlândia, vol. 2, n. 3,

p. 10-11, 2011.

DALLARI, Sueli Gandolfi. Competência Municipal em Matéria de Saúde. Revista de Direito Público, v. 22, n. 92, p. 173, out./dez. 1989.

FRASCATI, Jacqueline Sophie P. G. A Força jurídica dos direitos sociais, econômicos e culturais. RDCI 63/85. São Paulo: Ed. RT, abr. 2008.

GIANNINI, Rogério. Cracolândia: Bairro da Luz, interesses obscuros e ataques à Lei de Saúde Mental. Revista Grandes Temas do Conhecimento – Psicologia. São Paulo, n. 01, mar/2013.

HESSE, Konrad. A força normativa da Constituição. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Ed., 1991.

LEAL, Rogério Gesta. Os princípios fundamentais do direito administrativo brasileiro. São Leopoldo: Anuário do Programa de Pós-graduação em Direito da Universidade do Vale do Rio Sinos, 2000.

LIMA, Taisa Maria Macena de; SÁ, Maria de Fátima Freide. Autonomia Privada e Internação não Consentida. Revista Brasileira de Estudos Políticos, v. 99, 2009.

LOCCOMAN, Luiz. A polêmica da internação compulsória. Revista Mente e Cérebro. São Paulo, n. 31.

MACHADO, Gisele Cardoso de Almeida. A difusão do pensamento higienista na cidade do Rio de Janeiro e suas conseqüências espaciais. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História, São Paulo, julho 2011.

MARQUES, Rosa Maria. O Financiamento do Sistema Público de Saúde Brasileiro. Santiago: Cepal, 1999.

MELLO, Luiz Carlos. Nise da Silveira: uma psiquiatra rebelde. Revista Canal Saúde. Rio de Janeiro, n. 7, maio/ jun. 2001.

MIRANDA, Jorge. Manual de direito constitucional: Direitos fundamentais. 2. ed. Coimbra: Almedina,1998. t. IV.

MOURA, Emerson Affonso da Costa. Do Controle Jurídico ao Controle Social: Parâmetros a Efetividade dos Direitos Sociais. Revista de Direito Constitucional e Internacional, v. 77, 2011.

PAULUS JUNIOR, Aylton; CORDONI JUNIOR, Luiz. Políticas Públicas de Saúde no Brasil. Revista Espaço para a Saúde, Londrina, v. 8, n. 1, p. 17, dez/2006.

PRATTA, Elisângela Maria Machado; SANTOS, Manoel Antonio. O Processo Saúde-Doença e a Dependência Química: Interfaces e Evolução. Psicologia: Teoria e Pesquisa, abr-jun 2009, vol. 25, n. 2.

Relatório de Visitas aos Abrigos Especializados para Crianças e Adolescentes. Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro / Comissão de Direitos Humanos e Cidadania. Rio de Janeiro: Conselho Regional de Psicologia, 2012. Disponível em: http://www.crprj.org.br/documentos/2012-relatorio_CADQs.pdf. Acesso

em 10.12.2013.

Relatório da 4ª Inspeção Nacional de Direitos Humanos: locais de internação para usuários de drogas. Conselho Federal de Psicologia. Brasília, 2011. p. 200. Disponível em: http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/03/2a_Edixo_relatorio_inspecao_VERSxO_FINAL.pdf. Acesso em 11.12.2013.

Relatório do Módulo de Saúde Mental / Ministério Público do Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: http://

msm.mp.rj.gov.br/wp-content/uploads/2013/01/relatorio_MSM2012.pdf . Acesso em 20.12.2013.

SARLET, Ingo Wolfgang. Algumas Considerações em Torno do Conteúdo Eficácia e Efetividade do Direito à Saúde na Constituição de 1988. Interesse Público, n. 12, 2001.

SARLET, Ingo Wolfgang; FIGUEIREDO, Mariana Filchtiner. Proteção e Promoção da Saúde aos 20 anos

da CF/88 Revista de Direito do Consumidor, nº 67, 2008.

SARMENTO, Daniel. O neoconstitucionalismo no Brasil: Riscos e possibilidades. In: ______ (org.). Filosofia e teoria constitucional contemporânea. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009. p. 113-146.

SARMENTO, Daniel. A proteção judicial dos direitos sociais. In: ______; SOUZA NETO, Cláudio Pereira

de (orgs.). Direitos sociais: fundamentos, judicialização e direitos sociais em espécie. Rio de Janeiro: Lumen Juris,

SCLIAR, M. Do Mágico ao Social: A Trajetória da Saúde Pública. Porto Alegre: L&PM, 1998.

SERAFIM, Antonio de Pádua; BARROS, Daniel Martins. Apontamentos sobre assistência aos portadores de transtorno mental. Revista Jurídica Consulex. Brasília, v. 14, n. 320, maio. 2010.

SILVA, José Afonso da. Aplicabilidade das normas constitucionais. 7. ed. São Paulo: Malheiros, 2008.

SOUZA, Maria Milaneide; CARVALHO, Rafael Nicolau; SILVA, Leandro Roque da; SANTOS, Jossana Rafaela dos; AZEVEDO, Elisangela Braga de; CAVALCANTI, Patrícia Barreto. Política Nacional sobre Drogas e

Saúde Mental. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, Universidade Federal de Santa Catarina, v.5, n. 11, 2013.

VARALDA, Renato Barão. CORDEIRO, Flávia de Araújo. Dependência química: vulnerabilidade e desafios. Revista Jurídica Consulex. Brasília, v. 15, n. 352, set, 2011.

TORRES, Marcelo Nóbrega da Câmara. Direitos sociais. Brasília: Senado Federal, 1987.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v4i1.2666

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia