O discurso expansivo-punitivo dos meios de comunicação e sua influência na formação da agenda de políticas públicas de combate à criminalidade de crianças e adolescentes no Brasil

Felipe da Veiga Dias, André Viana Custódio

Resumo


A presente pesquisa objetiva demonstrar a afetação e os prejuízos causados pelo discurso expansivo-punitivo da mídia, quando atrelado as políticas públicas para crianças e adolescentes. Assim, o estudo realiza na primeira parte um aprofundamento das conexões entre os direitos fundamentais e os meios de comunicação, visto que o elo constitucional é a matriz central que liga as noções e funções sociais destes mecanismos informativos. Compreendida a importância constitucional esta também reaparece no segundo momento, para abalizar a nova visão dos direitos da criança e do adolescente, abandonando a óptica repressiva e passando ao viés sócio-educativo, aliado a sua efetivação pelas políticas públicas. Igualmente, os fundamentos constitucionais servem nas duas últimas etapas como substrato de crítica, seja na afronta as responsabilidades dos meios de comunicação (abuso do discurso do medo/risco) ou na irresponsabilidade da afetação das políticas públicas, em especial, conectando perspectivas jurídicas diversas, como as da esfera criminal e da infância. Posto isto, através de uma abordagem dedutiva, pautada nos parâmetros (gerais) dos ditames constitucionais, expôs-se a problemática (específica) contida na mídia nacional, ao afetar a formação da agenda das políticas públicas com a fala punitiva, prejudicando as demandas da criança e do adolescente, diante da suposta “criminalidade infantil”. Deste modo, entende-se pela forçosa filtragem informativa pelos gestores públicos, de modo a reduzir os danos da influência expansivo-punitiva nas políticas públicas focadas na infância, sendo que tal proposta contém alta complexidade, e demonstra a dificuldade não somente da solução, mas da própria demanda social analisada.

Texto completo:

PDF

Referências


AUGUSTIN, Sérgio; LIMA, Letícia Gonçalves Dias. O controle jurisdicional da discricionariedade técnica e os conceitos indeterminados na sociedade de risco: o elemento coletivo na nova responsabilidade ambiental. In: SPAREMBERGER, Raquel Fabiana Lopes; AUGUSTIN, Sérgio. O direito na sociedade de risco: dilemas e desafios socioambientais. Caxias do Sul: Plenum, 2009.

AZEVEDO, Rodrigo Ghiringhelli. Visões da sociedade punitiva: elementos para uma sociologia do controle penal. In: GAUER, Ruth Maria Chittó (Coord.) Sistema penal e violência. Rio de Janeiro: Lúmen Juris, 2006.

BARROSO, Luís Roberto. Fundamentos teóricos e filosóficos do novo direito constitucional brasileiro (pós-modernidade, teoria crítica e pós-positivismo). In: ______ (Org.). A nova interpretação constitucional: ponderação, direitos fundamentais e relações privadas. 2. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2006.

BARROSO, Luís Roberto. Colisão entre liberdade de expressão e direitos de personalidade. Revista latinoamericana de estudos constitucionais, São Paulo, n. 5, jan./ jun. 2005.

BECK, Ulrich; GIDDENS, Anthony; LASH, Scott. Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. Oeiras: Celta, 2000.

BECK, Ulrich; GIDDENS, Anthony; LASH, Scott. Sociedade de risco: rumo a outra modernidade. São Paulo: Editora 34, 2010.

BUCCI, Maria Paula Dallari. O conceito de política pública em direito. In: _____. Políticas Públicas: reflexões sobre o conceito jurídico. São Paulo: Saraiva, 2006.

CALLEGARI, André Luís; WERMUTH, Maiquel Ângelo Dezordi. Sistema penal e política criminal. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2010.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CONCEIÇÃO JÚNIOR, Hermes Siedler da; PES, João Hélio Ferreira. Os direitos das crianças e adolescentes no contexto histórico dos direitos humanos. In: PES, João Hélio Ferreira (Org.). Direitos humanos: crianças e adolescentes. Curitiba: Juruá, 2010.

CORRÊA, Gustavo Testa. Aspectos jurídicos da Internet. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

COSTA, Ana Paula Motta. A perspectiva constitucional brasileira da proteção integral de crianças e adolescentes e o posicionamento do Supremo Tribunal Federal. In: SARMENTO, Daniel; SARLET, Ingo Wolfgang (Coord.). Direitos fundamentais no Supremo Tribunal Federal: balanço e crítica. Rio de Janeiro: Lúmen Juris, 2011.

CUNHA, Camila Santos da. Os direitos fundamentais sob a perspectiva objetiva e a constituição como ordem de valores: em busca de aplicação dos direitos fundamentais nas relações interprivadas.

REIS, Jorge Renato dos; GORCZEVSKI, Clovis (Org.). Constitucionalismo contemporâneo: debates acadêmicos. Santa Cruz do Sul: IPR, 2010.

CUSTÓDIO, André Viana. Teoria da proteção integral: pressuposto para compreensão do direito da criança e do adolescente. Revista do Direito (UNISC). n. 29, p. 23–24, jan./jul. 2008. Disponível em: . Acesso em: 28 de abr. 2012.

ETZIONI, Amitai. La nueva regla de oro: comunidad y moralidad en una sociedad democratica. Barcelona: Paidós, 1999.

ETZIONI, Amitai. La tercera via hacia una buena sociedad. Propuestas desde el comunitarismo. Madrid: Mínima Trotta, 2001.

FARAH, Marta Ferreira Santos. Parcerias, novos arranjos institucionais e políticas públicas no nível local de governo. RAP. Revista Brasileira de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 35. n. 1. 2001.

FERRARI, Vincenzo. Democracia e informação no final do século XX. In: GUIMARÃES, César; JUNIOR, Chico (Org.). Informação e democracia. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2000.

FISS, Owen. La ironía de la libertad de expresión. Barcelona: Gedisa, 1999.

GERMAN, Christiano. “On-line-off-line” informação e democracia na sociedade de informação. In: GUIMARÃES, César; JUNIOR, Chico (Org.). Informação e democracia. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2000.

HESSE, Konrad. A força normativa da constituição. Porto Alegre: S. A. Fabris, 1991.

HULSMAN, Louk. El enfoque abolicionista: políticas criminales alternativas. In: RODENAS, Alejandra et. al. (Coord.). Criminologia critica y control social. Rosario: 1993.

INGLEHART, Ronald; WELZEL, Christian. Modernização, mudança cultural e democracia: a sequência do desenvolvimento humano. São Paulo: Francis, 2009. KLIKSBERG, Bernardo. Uma gerência pública para os novos tempos. In: O desafio da exclusão: para uma gestão social eficiente. São Paulo: Fundap. 1997.

LAMENZA, Francismar. Os direitos fundamentais da criança e do adolescente e a discricionariedade do Estado. São Paulo: Manole, 2011.

LANER, Vinicius Ferreira. Comunicação, desenvolvimento e democracia: uma análise crítica da mídia brasileira à luz do direito à informação e à liberdade de imprensa. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2004.

LIMBERGER, Têmis. O direito à intimidade na era da informação: a necessidade de proteção dos dados pessoais. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.

PARSONS, Wayne. Políticas públicas: una introducción a la teoría y la práctica del análisis de políticas públicas. México: Flacso, 2007.

PEREIRA, Guilherme Döring Cunha. Liberdade e responsabilidade dos meios de comunicação. São Paulo: Revista dos Tribunais. 2002.

PIMENTEL, Luiz Otavio. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2011. ROBERT, Philippe. Sociologia do crime. Petrópolis: Vozes, 2007.

ROSA, Alexandre Morais da. Direito infracional: garantismo, psicanálise e movimento antiterror. Florianópolis: Habitus, 2005.

ROXIN, Claus. Política criminal y sistema del derecho penal. 2. ed. Buenos Aires: Hammurabi, 2002.

SABAU, José Ramón Pólo. Libertad de expresión y derecho de acesso a los médios de comunicación. Madrid: CEPC, 2002. SÁNCHEZ, Jesús-María Silva. A expansão do direito penal: aspectos da política criminal nas sociedades pósindustriais. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

SARMENTO, Daniel. Direitos fundamentais e relações privadas. 2. ed. Rio de Janeiro: Lúmen Juris, 2010.

SHECAIRA, Sérgio Salomão. Criminologia. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.

SHECAIRA, Sérgio Salomão. Sistemas de garantias e o direito penal juvenil. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.

SCHMIDT, João Pedro. O comunitário em tempos de público não estatal. Avaliação (Scielo), Sorocaba, v. 15, n. 1, mar. 2010.

SCHMIDT, João Pedro. Para entender as políticas públicas: aspectos conceituais e metodológicos. In: REIS, Jorge Renato dos; LEAL, Rogério Gesta. (Org.). Direitos sociais e políticas públicas: desafios contemporâneos. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2008. v. 8.

SCHMIDT, João Pedro. O novo Estado, o público não estatal e as instituições comunitárias. In: REIS, Jorge Renato dos; LEAL, Rogério Gesta. (Org.). Direitos sociais e políticas públicas: desafios contemporâneos. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2009. v. 9.

SILVA, Virgílio Afonso da. A constitucionalização do direito. Os direitos fundamentais nas relações entre particulares. São Paulo: Malheiros, 2005.

SOUZA, Sérgio Ricardo de. Controle judicial dos limites constitucionais à liberdade de imprensa. Rio de Janeiro: Lúmen Juris, 2008.

UBILLOS, Juan María Bilbao. ¿En qué medida vinculan a los particulares los derechos fundamentales? In: SARLET, Ingo Wolfgang (Org.). Constituição, direitos fundamentais e direito privado. 3. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2010.

VERONESE, Josiane Rose Petry; RODRIGUES, Walkíria Machado. A figura da criança e do adolescente no contexto social: de vítimas a autores de ato infracional. In: _____; SOUZA, Marli Palma; MIOTO, Regina Célia Tamaso. Infância e adolescência, o conflito com a lei: algumas discussões. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2001.

WERMUTH, Maiquel Ângelo Dezordi. Medo e direito penal: reflexos da expansão punitiva na realidade brasileira. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v3i1.2162

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia