Liberdade pelo trabalho ou trabalho pela liberdade? – O caso dos catadores de materiais recicláveis

Vinícius Ferreira Baptista

Resumo


Este trabalho se propõe a discutir o trabalho dos catadores de materiais recicláveis, as ações estatais e coletivas referentes aos mesmos e perspectivas quanto à Política Nacional dos Resíduos Sólidos. A exploração do trabalho dos catadores é o ponto de partida, seguida da construção da economia solidária pelo Estado e seu significado e a institucionalização do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis no contexto da coleta seletiva, chegando-se por fim, à apreciação da PNRS, no que toca artigos referentes aos catadores. Procurou-se apontar as contradições mais gerais do sistema capital envolto à coleta seletiva, os limites e possibilidades dos processos formativos de emancipação humana que concorram para a superação das relações sociais capitalistas e do próprio sistema. Compreendeu-se que, no caso das cooperativas de catadores, a liberdade e o trabalho se atravessam. Se não tiverem instrumentos de fomento à infraestrutura, assim como proteção legal, trabalhista e institucional, estas organizações de cooperação não conseguem atingir o seu propósito: a liberdade ao trabalho e o próprio trabalho como forma de libertação.

Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, H. Justiça ambiental e construção social do risco: desenvolvimento e meio Ambiente. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM AMBIENTE E SOCIEDADE, 4., 2008, Brasília. Disponível em: . Acesso em: 2 dez. 2011.

BARBOSA, Rosangela Nair de Carvalho. A economia solidária como política pública: uma tendência de geração de renda e ressignificação do trabalho no Brasil. São Paulo: Cortez, 2007.

BESEN, Gina Rizpah. Sustentabilidade dos programas de coleta seletiva com inclusão social: Avanços, desafios e indicadores. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM AMBIENTE E SOCIEDADE, 4., 2008, Brasília. Disponível em: . Acesso em: 2 dez. 2011.

BOSI, Antônio de Pádua. A organização capitalista do trabalho “informal”: o caso dos catadores de recicláveis. Revista Brasileira Ciências Sociais, São Paulo, v. 23, n. 67, jun. de 2008. Disponível em: . Acesso em: 7 mar. 2012.

BRASIL. Lei nº. 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a política nacional de resíduos sólidos; altera a Lei nº. 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Disponível em . Acesso em: 2 dez. 2010.

CONCEIÇÃO, Márcio Magera. Os empresários do lixo: um paradoxo da modernidade: análise interdisciplinar das cooperativas de reciclagem de lixo. Campinas, SP: Átomo, 2003.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional de Saneamento Básico, 2008. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. In: JARDIM, Arnaldo; YOSHIDA, Consuelo; MACHADO FILHO, José Valverde (Ed.). Política nacional, gestão de gerenciamento de resíduos sólidos. Barueri, SP: Manole, 2012.

JACOBI, P. R. Gestão compartilhada de resíduos sólidos no Brasil – inovação com inclusão social. São Paulo: Annabulme, 2006. In: BESEN, Gina Rizpah. Sustentabilidade dos programas de coleta seletiva com inclusão social: avanços, desafios e indicadores. ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM AMBIENTE E SOCIEDADE, 4., 2008, Brasília. Disponível em: . Acesso em: 2 dez. 2011.

JARDIM, Arnaldo; YOSHIDA, Consuelo; MACHADO FILHO, José Valverde (Ed.). Política nacional, gestão de gerenciamento de resíduos sólidos. Barueri, SP: Manole, 2012.

KRUEGER, Guilherme. Cooperativas de trabalho na terceirização. Belo Horizonte: Mandamentos, 2003.

MOVIMENTO NACIONAL DOS CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS (MNCR). Política Nacional de Resíduos Sólidos e o Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis. In: JARDIM, Arnaldo; YOSHIDA, Consuelo; MACHADO FILHO, José Valverde (Ed.). Política nacional, gestão de gerenciamento de resíduos sólidos. Barueri, SP: Manole, 2012.

PEREIRA, Maria Cecília Gomes; TEIXEIRA, Marco Antonio Carvalho. A inclusão de catadores em programas de coleta seletiva: da agenda local à nacional. Cad. EBAPE. BR [online]. v. 9, n. 3, p. 895-913, 2011. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2012.

ROSA, A. R. et al. Resíduos sólidos e políticas públicas: reflexões acerca de uma proposta de inclusão social. Organizações Rurais & Agroindustriais, América do Norte, 8 abr. 2011. Disponível em: http://revista.dae.ufla. br/index.php/ora/article/view/173>. Acesso em: 29 dez. 2012.

RUA, Maria das Graças. Políticas públicas. Brasília: CAPES, 2009 SANTOS, A. M. M.; DELUIZ, N. Economia popular e educação: percursos de uma cooperativa de reciclagem de lixo no Rio de Janeiro. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, out. 2009. Disponível em: . Acesso em: 29 dez. 2012.

SANTOS, Boaventura de Sousa et al. Produzir para viver: os caminhos da produção não capitalista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. SECCHI, L. Políticas públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

SILVA, M. K.; OLIVEIRA, G. L. Solidariedade assimétrica: capital social, hierarquia e êxito em um empreendimento de “economia solidária”. Rev. katálysis, Florianópolis, v. 12, n. 1, jun. 2009. Disponível em: . Acesso em: 29 dez. 2012.

SINGER, Paul. Introdução à economia solidária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2002




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v3i1.2061

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia