Aborto no Brasil atual: entre o direito e as políticas públicas

Thiago Ferrare Pinto

Resumo


O presente artigo tem por fim analisar o processo de formulação e as consequências gerais dos dois últimos programas institucionalizados pelo governo federal no âmbito da saúde da mulher: a rede cegonha (portaria 1.459/2011 do Ministério da Saúde) e o sistema nacional de cadastramento e acompanhamento de gestantes e puérperas (medida provisória nº 557). Buscar-se-á demonstrar que tais programas somente podem ser plenamente compreendidos enquanto instrumentos para a efetivação do dispositivo penal (art. 124 da lei 7.209/84) proibitivo do aborto. A partir dessa hipótese central, serão expostos os efeitos mais sensíveis, tanto em termos de reconhecimento de identidades sociais quanto de distribuição de recursos, da possível implementação daquilo que dispõem os documentos referidos. Nesse particular, a linha de argumentação desenvolvida nos permitirá perceber que a estrutura dos dois programas reforça a lógica da exclusão e da desigualdade social, ao mesmo tempo em que incorpora uma representação social da mulher como ser humano desprovido de autonomia.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Estado de exceção. São Paulo: Boitempo, 2004.

ARILHA, Margareth Martha. Aborto: avanços na América Latina e retrocessos no Brasil? Le Monde Diplomatique Brasil, São Paulo, n. 55, p. 10-11, 2012.

BARATTA, Alessandro. O paradigma de gênero. In: CAMPOS, Carmen Hein de. (Org.). Criminologia e feminismo. Porto Alegre: Sulina, 1999.

BATISTA, Nilo. Introdução crítica ao direito penal brasileiro. Rio de Janeiro: Revan, 2007.

BORGES, Nadine; CUNHA, José Ricardo. Direitos humanos, (não) realização do Estado de Direito e o problema da exclusão; in: CUNHA, José Ricardo (Org.). Direitos humanos, poder judiciário e sociedade. Rio de Janeiro: FGV, 2011. p. 218.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ciência e Tecnologia. Aborto e saúde pública no Brasil: 20 anos. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

CAMPOS, Carmen Hein de. O segredo de Vera Drake (e de milhares de mulheres brasileiras). In: DUARTE, Evandro C. Pisa; ZACKSESKI, Cristina (Org.). Criminologia e cinema: perspectivas sobre o controle social. Brasília: UniCEUB, 2012.

CASTRO, Lola Aniyar de. Criminologia da reação social. Rio de Janeiro: Forense, 1983.

CRESCÊNCIO, Cíntia Lima. A experiência do aborto em narrativas. Revista Estudos feminist, Florianópolis, v. 20, n. 3, p. 955-957, 2012. CUNHA, José Ricardo (Org.). Direitos humanos, poder judiciário e sociedade. Rio de Janeiro: FGV, 2011.

DINIZ, Débora; MEDEIROS, Marcelo. Aborto no Brasil: uma pesquisa domiciliar com técnica de urna. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de janeiro, v. 15, p.959-966, 2010.

DINIZ, Débora; MEDEIROS, Marcelo. Itinerários e métodos do aborto ilegal em cinco capitais brasileiras. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, p. 1671- 1681, 2012.

DOUZINAS, Costas. O Fim dos Direitos Humanos. São Leopoldo: Unisinos, 2009.

FRASER, Nancy. Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça numa era “pós-socialista”. Cadernos de Campo. São Paulo, n. 14-15, p. 231-239, 2006.

FRASER, Nancy. Igualdade, identidades e justiça social. Le Monde Diplomatique Brasil, São Paulo, n. 59, p. 34-35, 2012.

MÜLLER, Friedrich. Quem é o povo?: a questão fundamental da democracia. São Paulo: Max Limonad, 2010.

NEVES, Marcelo. Entre Têmis e Leviatã: uma relação difícil. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

REDE NACIONAL FEMINISTA DE SAÚDE, DIREITOS SEXUAIS E DIREITOS REPRODUTIVOS. Porto Alegre, 2012. Disponível em: . Acesso em: 27 maio 2012.

SECCHI, Leonardo. Políticas públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. São Paulo: Cengage Learning, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v3i1.1951

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia