Política judiciária brasileira: da produção de cidadania à cooptação sistêmica

Jackson da Silva Leal, Lucas Machado Fagundes

Resumo


Neste trabalho se analisa os esforços da Justiça Oficial e Estatal brasileira na sua clara intencionalidade de cooptar projetos alternativos de Justiça. Abordam-se as teorias em práticas da Justiça Comunitária em sua vertente originária, participativa, extraoficial e emancipatória, assim como, também a Justiça Restaurativa, em cotejo com as recentes tentativas da Justiça ordinária em englobar tais projetos e torná-los público-estatais, a partir de seu viés de procedimentalidade pré-determinada (ritualizada). Objetiva-se refletir sobre a possibilidade de sucesso destes intentos sistêmicos diante da irritação gerada por práticas alternativas que surgem no seio da sociedade moderna. Fala-se das práticas de Justiça Restaurativa que tem avançado no mundo todo em termos teóricos (e práticos) diante da incapacidade da Justiça Criminal em dar conta das complexidades que envolvem os conflitos cada vez mais intensos; e, também da teoria e praticas de Justiça Comunitária que se tem difundido a partir da existência e desvelamento da multiplicidade de aportes culturais e suas necessidades imanentes, das quais o Estado e seu paradigma de juridicidade, não têm condições de abarcar, regular e, quiçá, emancipar. Trabalha-se a partir de uma análise eminentemente bibliográfica e de um referencial de pluralismo jurídico de viés critico e reflexivo. Entendendo como um estudo que guarda importância dado o ímpeto do sistema em abarcar as dinâmicas alternativas, e assim, propõe-se a desvelar tais práticas.

Texto completo:

Texto completo

Referências


ARDILA AMAYA, E. (Coord.). A dónde va la justicia comunitaria en Colombia? Medellín: corporación Región, 2006.

ARDILA AMAYA, E. Elementos para el debate de la fi gura de los Jueces de Paz. In: LÓPEZ B., Manuel et al. (Org.). Justicia Comunitaria y Jueces de Paz: las técnicas de la paciencia. Medellín, Colombia: Corporación Región; Red de Justicia Comunitaria, Instituto Popular de Capacitación de la Corporación de Promoción Popular, 2000. p. 63-92.

ARDILA AMAYA, E. Justicia comunitaria como realidad contemporánea: claves para el estudio de las políticas en justicia comunitaria. Revista El Otro Derecho, Bogotá, n. 30, dez. 2003.

ARDILA AMAYA, E. Justicia Comunitaria y Sociedad Nacional. Revista Cuarto Intermedio, Cochabamba, Bolivia, n. 93-94, p. 80-104, abr. 2010.

BRAITHWAITE, J. Emancipação e Esperança. In: SLAKMON, C. et al. (Org.). Novas direções na governança da justiça e da segurança. Brasília: Ministério da Justiça, 2006. p. 389-410.

BRAITHWAITE, J. Entre proporcionalidade e a impunidade: confrontação-verdade-prevenção. In: SLAKMON, C. et al. (Org.). Novas direções na governança da justiça e da segurança. Brasília: Ministério da Justiça, 2006. p. 371-388.

BRASIL. Ministério da Justíça. [Website]. Disponível em: http://portal.mj.gov.br/data/Pages/MJA21B014BPTBRIE.htm. Acesso em: 10 ago. 2010.

BRASIL. Ministério da Justíça. Reforma do judiciário: avaliação de impacto dos NJC. Disponível em: http://portal.mj.gov.br/data/Pages/MJDA9EC2A8ITEMIDD605BBB259FAE696D053971C183PTBRIE.htm. Acesso em: 10 maio 2010.

BRASIL. Ministério da Justiça. Secretaria de Reforma do Judiciário. Justiça Comunitária: uma experiência. Disponível em: http://portal.mj.gov.br/main.asp?View={597BC4FE-7844-402D-BC4B06C93AF009F0}. Acesso em: 10 abr. 2010.

CHRISTIE, N. Confl ict as property. The British Journal of Criminology, Oxford; London, n. 17, p. 1-15, 1977.

DUSSEL, E. 1492, el encubrimiento del otro, hacia el origen del “mito de la modernidad”. La paz: Plural editores - Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación – UMSA, 1994. (Colección Academia, no. Uno).

DUSSEL, E. 20 Teses de Política. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales – CLACSO; São Paulo: Expressão Popular, 2007.

ELLIOTT, E.; GORDON, R. M. New Directions in Restorative Justice: proactice, evaluation. Vancouver: Cullompton; Willan, 2005.

FLORES, J. H. A (re)invenção dos direitos humanos. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2009.

GROSSI, P. Mitologias jurídicas da modernidade. Tradução Arno Dal Ri Júnior. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2004.

JACCOUD, M. Princípios, tendências e procedimentos que cercam a Justiça Restaurativa. In: SLAKMON, C. et al. (Org.) Justiça restaurativa. Brasília: Ministério da Justiça; Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, 2005. p. 163-188.

KONZEN, A. A. Justiça Restaurativa e Ato Infracional: desvelando sentidos no itinerário da Alteridade. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.

MASCARO, A. L. Filosofi a do direito. São Paulo: Atlas, 2010.

MIGNOLO, W. Os esplendores e as misérias da ciência: colonialidade, geopolítica do conhecimento e pluriversalidade epistêmica. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado. São Paulo: Cortez, 2006. p. 667-709.

MORRISON, B. Justiça Restaurativa nas escolas. In: SLAKMON, C. et al. (Org.). Justiça Restaurativa: Brasília: Ministério da Justiça, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, 2005. p. 295-319.

PALLAMOLLA, R. P. Justiça Restaurativa: da teoria à prática. São Paulo: IBCRIM, 2009.

SANTAMARÍA, R. A. La justicia comunitaria: aportes a la construcción de un nuevo orden jurídico social. In: LÓPEZ B., Manuel et al. Justicia comunitaria y jueces de paz: las técnicas de la paciencia. Medellín, Colombia: Corporación Región; Red de Justicia Comunitaria, Instituto Popular de Capacitación de la Corporación de Promoción Popular, 2000. p. 34-62.

SANTOS, B. S. (Org.). Democratizar a democracia: os caminhos da democracia participativa. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

SANTOS, B. S. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2006.

SANTOS, B. S. Introdução a uma Ciência Pós-Moderna. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

SANTOS, B. S. Para uma revolução democrática da Justiça. São Paulo: Cortez, 2007.

SANTOS, B. S. Sociología Jurídica Crítica: para un nuevo sentido común en el Derecho. Madrid; Bogotá: Trotta/ILSA, 2010.

SANTOS, B. S. Um discurso sobre as ciências. Porto: edições afrontamento, 1987.

SLAKMON, C.; OXHORN, P. Micro-justiça, desigualdade e cidadania democrática: a construção da sociedade civil através da Justiça Restaurativa no Brasil. In: SLAKMON, C. et al. (Org.). Justiça Restaurativa. Brasília: Ministério da Justiça, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, 2005. p. 189-211.

SLAKMON, C.; OXHORN, P. O poder da atuação dos cidadãos e a micro-governança da justiça no Brasil. In: SLAKMON, C. et al. (Org.). Novas direções na governança da justiça e da segurança. Brasília: Ministério da Justiça, 2006. p. 31-57.

SOUZA, T. Direitos Humanos e Filosofi a Jurídica na América latina. In: WOLKMER, A. C. Direitos humanos e Filosofi a Jurídica. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2004. p. 327-359.

WOLKMER, A. C. Pluralismo Jurídico: fundamentos de uma nova cultura do direito. São Paulo: Alfa Omega, 2001.

WOLKMER, A. C. Pluralismo Jurídico: os novos caminhos da contemporaneidade. São Paulo: Saraiva, 2010.

ZEHR. H. Avaliação e princípios da Justiça Restaurativa. In: SLAKMON, C. et al. (Org.). Novas direções na governança da justiça e da segurança. Brasília: Ministério da Justiça, 2006. p. 411- 417.

ZEHR. H; TOEWS, B. Maneiras de conhecer para uma visão restaurativa de mundo. In: SLAKMON, C. et al. (Org.) Novas direções na governança da justiça e da segurança. Brasília: Ministério da Justiça, 2006. p. 419-432.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v2i1.1677

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia