Um estado de direito: movimento operário no Brasil

Leila Bijos

Resumo


Análise do mundo do trabalho, do movimento operário e das entidades sindicais ou partidárias organizadas, compostas por trabalhadores assalariados ligados à produção industrial. A globalização reflete-se como força impulsionadora do desenvolvimento econômico, mas também como desagregadora das relações sociais. Em um sistema internacional marcado pela aparente contradição entre fragmentação e globalização, destacam-se seis potências no “tabuleiro” de poder: EUA, Europa, China, Japão, Rússia e Índia. O que se percebe nesse cenário é que as relações internacionais tornaram-se globais, as comunicações, instantâneas. a economia mundial operando em todos os continentes, e as questões relacionadas ao trabalho e ao emprego suscitam questionamentos em uma sociedade civil em busca de espaço público e de regulação, de um novo multilateralismo e de democracia cosmopolita. Essa luta política tem o objetivo de apresentar as reais reivindicações em termos de políticas públicas e sociais, com a representação de associações e grupos sindicais.

Palavras-chave


Estado; Globalização; Militância operária; Sindicalismo; Direito do trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTAMIRA, César. Os marxismos do novo século. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

ALTHUSSER, Louis. Aparelhos ideológicos do Estado. 10. ed. São Paulo: Edições Graal, 1988.

ALVAREZ, Sônia E; DAGNINO, Evelina; ESCOBAR, Arturo. Cultura e política nos movimentos sociais latinoamericanos: novas leituras. Belo Horizonte: UFMG, 2000.

BALASSA, Bela. Teoria da integração econômica. Lisboa: Livraria Clássica, 1972.

BARRAZA, Ximena et AL. Alternativas populares da democracia. Petrópolis: Vozes, 1982.

BASTOS, Vânia Maria Lomônaco; SILVA, Maria Luiza Falcão. Para entender as economias do terceiro mundo. 2. ed. Brasília: UnB, 2001.

BAUMANN, Renato. Uma visão econômica da globalização. In: BAUMANN, Renato. (Org.). O Brasil e a economia global. Rio de Janeiro: Campus, 1996.

BERTONHA, João Fábio. Fascismo, nazismo, integralismo. São Paulo: Ática, 2002.

BLAINEY, Geoffrey. Uma breve história do século XX. São Paulo: Fundamento, 2008.

BOBBIO. Norberto. As ideologias e o poder em crise. 4. ed. Brasília: UnB, 1988.

BOBBIO. Norberto. Estado, governo e sociedade. 14. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

BOITO JÚNIOR, Armando. O sindicalismo de estado no Brasil. Campinas: Unicamp, 2001.

BORGES, Vavy Pacheco. Tenentismo e revolução brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1992.

BRZEZINSKI, Zbigniew. Th e grand chessboard: American primacy and its geostrategic imperatives. New York: Basic books, 1997.

CARDOSO, Adalberto Moreira. Sindicatos, trabalhadores e a coqueluche neoliberal: a era Vargas acabou? Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1999.

CARDOSO, Fernando Henrique; FALETTO, Enzo. Dependência e desenvolvimento na América Latina: ensaio de interpretação sociológica. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1970.

CARNEIRO, Ricardo (Org.). Os clássicos da economia: Rudolf Hilferding, Joseph A. Schumpeter, John Maynard Keynes, John R. Hicks, Friedrich A. Hayek e Milton Friedman. São Paulo: Ática, 1997.

CARONE, Edgard. Classes sociais e movimento operário. São Paulo: Ática, 1989.

CARR, Edward. Vinte anos de crise: 1919-1939: uma introdução ao estudo das relações internacionais. 2. ed. Brasília: UnB, 2001.

CARVALHO NETO, Menelick. A hermenêutica constitucional sob o paradigma do estado democrático de direito. Notícia do Direito Brasileiro: Nova Série, n. 6, 1998.

CARVALHO NETO, Menelick. Requisitos pragmáticos da interpretação jurídica sob o paradigma do estado democrático de direito. Revista de Direito Comparado, v. 3, maio 1999.

CARVALHO NETTO, Menelick. A contribuição do direito administrativo enfocado da ótica do administrado para uma reflexão acerca dos fundamentos do controle de constitucionalidade das leis no Brasil: um pequeno exercício de Teoria da Constituição. Revista Fórum Administrativo, Belo Horizonte, mar. 2001.

CHESNAIS, François. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

DREIFUSS, René Armand. 1964: a conquista do Estado-ação política, poder e golpe de classe. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

ENGELS, Friedrich; MARX, Karl. Manifesto comunista. São Paulo: Boitempo, 2007.

ESTANQUE, Elísio et al. (Org.). Mudanças no trabalho e ação sindical: Brasil e Portugal no contexto da transnacionalização. São Paulo: Cortez, 2005.

FARIA, José Eduardo (Org.). A crise do direito numa sociedade em mudança. Brasília: Universidade de Brasília, 1988.

FARIA, José Eduardo. Democracia e governabilidade: os direitos humanos à luz da globalização econômica. In: FARIA, José Eduardo (Org.). Direito e globalização econômica: implicações e perspectivas. São Paulo: Malheiros, 1996.

FARIA, José Eduardo. O direito na economia globalizada. São Paulo: Malheiros, 2002.

FARIA, José Eduardo. Democracia e governabilidade: os direitos humanos à luz da globalização econômica. In: FARIA, José Eduardo (Org.). Direito e globalização econômica: implicações e perspectivas. São Paulo: Malheiros, 1996.

FAUSTO, Boris. A revolução de 30: historiografia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

FAUSTO, Boris. Getúlio Vargas: o poder e o sorriso. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

FERNANDES, Simone Lemos. Contribuições neocorporativas na Constituição e nas leis. Belo Horizonte: Del Rey, 2005.

FERREIRA, Jorge. Trabalhadores do Brasil: o imaginário popular. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1997.

FIORANI, Mario. Breve história do fascismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1963.

FITOUSSI, Jean-Paul; ROSSANVALLON, Pierre. A nova era das desigualdades. Lisboa: Celta, 1996.

FRENCH, John D. Th e brazilian workers’ ABC: class conflict and alliances in modern São Paulo. The University of North Carolina Press, 1992.

FURTADO, Celso. O capitalismo global. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

GIDDENS, Anthony. A terceira via: reflexões sobre o impasse político atual e o futuro da social-democracia. Rio de Janeiro: Record, 2005.

GILPIN, Robert. The challenge of global capitalism: the world economy in the 21st century. Princeton: Princeton University Press. 1997.

GODOY, Arnaldo Sampaio de Moraes. Globalização, neoliberalismo e direito no Brasil. Londrina: Humanidades, 2004.

HABERMAS, Jürgen. A inclusão do outro: estudos de teoria política. 2. ed. São Paulo: Loyola. 2002.

HOBSBAWM, Eric. A era dos extremos: o breve século XX. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

HOBSBAWM, Eric. A era dos impérios. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

HOBSBAWM, Eric. Mundos do trabalho. São Paulo: Paz e Terra, 1988.

HOBSBAWM, Eric. Os trabalhadores. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

HUNT, E. K. História do pensamento econômico: uma perspectiva crítica. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1984.

HUNTINGTON, Samuel. O choque de civilizações e a recomposição da ordem mundial. Tradução M.H.C. Côrtes, Rio de Janeiro: Objetiva, 1997.

IANNI, Octavio. Teorias da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

KEYNES, John Maynard. A teoria geral do emprego, do juro e da moeda. São Paulo: Atlas. 1992.

KUHN, Th omas. A estrutura das revoluções científicas. 9. ed. São Paulo: Perspectiva Série Debates, 2005.

LAUERHASS JÚNIOR, Ludwig. Getúlio Vargas e o triunfo do nacionalismo brasileiro. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1986.

LEBRUN, Gérard. O que é poder? 14. ed. São Paulo: Brasiliense, 1995.

LEHER, Roberto; SETÚBAL, Mariana. Pensamento crítico e movimentos sociais: diálogos para uma nova práxis. São Paulo: Cortez, 2005.

LINHARES, Hermínio. Contribuição à história das lutas operárias no Brasil. São Paulo: Alfa-ômega, 1977.

MANGABEIRA, Wilma. Os dilemas do novo sindicalismo. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1993.

MANN, Michael. Consciousness and action among the western working class. London: The Macmillan Press, 1973.

MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia científica: para o curso de direito. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia científica. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

MARCUSE, Herbert. A ideologia da sociedade industrial. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

MARCUSE, Herbert. Contra-revolução e revolta. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

MARX, Karl. O capital. 7. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1980.

MEZZAROBA, Orides. O partido político em Marx e Engels. Florianópolis: Paralelo 27, 1998.

MILIBAND, Ralph. O Estado na sociedade capitalista. Rio de Janeiro: Zahar, 1972.

MILL, John Stuart. A liberdade- utilitarismo. São Paulo: M. Fontes, 2000.

MIRANDA, José Carlos; CARNEIRO, Ricardo (Org.). Os clássicos da economia: Rudolf Hilferding, Joseph A. Schumpeter, John Maynard Keynes, John R. Hicks, Friedrich A. Hayek e Milton Friedman. São Paulo: Ática, 1997.

MOISÉS, José Álvaro. Alternativas populares da democracia: Brasil, anos 80. São Paulo: Vozes, 1982.

MOORE JÚNIOR. Barrigton. Reflexões sobre as causas da miséria humana e sobre certos propósitos para eliminá-las. Rio de Janeiro: Zahar, 1974.

MORAES FILHO, Evaristo. O problema do sindicato único no Brasil: seus fundamentos sociológicos. São Paulo: Alfa-ômega, 1978.

MORAES, Orozimbo José. Investimento direto estrangeiro no Brasil. São Paulo: Aduaneiras, 2003.

NAPOLEONI, Cláudio. Smith, Ricardo e Marx: considerações sobre a história do pensamento econômico. 4. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

PEDROSO, Elizabeth Maria Kieling. Movimento sindical e de defesa dos direitos humanos como grupos de pressão. In: PETERSEN, Áurea T.; PEDROSO, Elizabeth M.; ULRICH, Maria A. Política brasileira: regimes, partidos e grupos de pressão. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1999.

PETERSEN, Áurea Tomatis. Uma breve discussão da história política brasileira: 1964-94. In: PETERSEN, Áurea T.; PEDROSO, Elizabeth M.; ULRICH, Maria A. Política brasileira: regimes, partidos e grupos de pressão. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1999.

PINTO, Almir Pazzianoto. 100 anos de sindicalismo. São Paulo: Lex, 2007.

POLANYI, Karl. A grande transformação: as origens da nossa época. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

POPPER, Karl R. A sociedade aberta e seus inimigos. Belo Horizonte: Itatiaia, 1998.

POULANTZAS, Nicos. Fascismo e ditadura. São Paulo: M. Fontes, 1978.

PRESTES, Anita Leocádia. Getúlio Vargas: depoimento de Luiz Carlos Prestes. In: GERTZ, R. E. et al. O feixe e o prisma: uma revisão do Estado Novo. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1991.

PRZEWORSKY, Adam. Estado e economia no capitalismo. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995.

PUREZA, José Manuel. Para um internacionalismo pós-vestefaliano. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). A globalização e as ciências sociais. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

RODRIGUES, Iram Jácome. A trajetória do novo sindicalismo. RODRIGUES, Iram Jácome. (Org.). In: O novo sindicalismo: vinte anos depois. Petrópolis: Vozes, 1999.

RODRIGUES, Leôncio Martins. Trabalhadores, sindicatos e industrialização. São Paulo: Brasiliense, 1974.

ROSANVALLON, Pierre. A crise do estado providência. Brasília: UnB, 1997.

ROSSO, Sadi Dal. Mais trabalho!: a intensificação do labor na sociedade contemporânea. São Paulo: Boitempo, 2008.

RUSSOMANO, Mozart Victor. O direito do trabalho no século XX. Curitiba: Gênesis, 1998.

SANTOS, Boaventura de Sousa. (Org.). A globalização e as ciências sociais. 2. ed. São Paulo: Cortez. 2002.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Sociedade e Estado em transformação. São Paulo: Unesp, 2000.

SCHUMPETER, Joseph A. Capitalism, socialism and democracy. 13. ed. London: Unwin University Books, 1974.

SCHÜRMANN, Francisca Albertina. Sindicalismo e democracia: os casos do Brasil e do Chile. Brasília: UnB, 1998.

SILVA, José Afonso. Curso de direito constitucional positivo. 19. ed. São Paulo: Malheiros, 2001.

SILVA, Walküre Lopes Ribeiro da. Liberdade sindical no contexto dos direitos humanos. Revista do Departamento de Direito do Trabalho e da Seguridade Social da Faculdade de Direito da USP, São Paulo, v.1, n. 1, p. 209-211, jan./jun. 2006.

SILVER, Beverly J. Forças do trabalho: movimentos trabalhistas e globalização desde 1870. São Paulo: Boitempo, 2005.

SIQUEIRA, Deis E.; SOUZA FILHO, Edson. Identidade e identidade de classe: refl exões para pesquisa. In: SIQUEIRA, Deis E.; POTENGY, Gisélia F.; CAPPELIN, Paola (Org.). Relações de trabalho, relações de poder. Brasília: UnB, 1997.

SMOUTS, Marie-Claude (Org.). As novas relações internacionais: práticas e teorias Brasília: Universidade de Brasília, 2004.

SOARES, Mário Lúcio Quintão. Jurisdição constitucional e os direitos fundamentais. Belo Horizonte: Del Rey, 1998.

SOBRINHO, Barbosa Lima. A verdade sobre a revolução de outubro - 1930. 3. ed. São Paulo: Alfa-ômega, 1983.

STEWART, Michael. A moderna economia: antes e depois de Keynes. São Paulo: Atlas, 1973.

STIGLITZ, Joseph. Globalization and its discontents. Nova York: W.W. Norton & Company, 2003.

STRECK, Lênio Luiz. As convenções internacionais, o direito de família e a crise de paradigma em face do Estado democrático de direito. Revista Advocacia Dinâmica: Seleções Jurídicas, p. 51-55, mar. 1998.

SÜSSEKIND, Arnaldo; MARANHÃO, Délio; VIANNA, Segadas; TEIXEIRA, Lima. Instituições de direito do trabalho. 21. ed. São Paulo: LTR, 2003.

SUZIGAN, Wilson. Estado e industrialização no Brasil. In: ODÁLIA, Nilo. Brasil, o desenvolvimento ameaçado: perspectivas e soluções. São Paulo: Unesp, 1989.

THOMPSON, E. P. A formação da classe operária inglesa: a força dos trabalhadores. Paz e Terra, 1987.

VIGEVANI, Tullo; LORENZETTI, Jorge (Org.). Globalização e integração regional: atitudes sindicais e impactos sociais. São Paulo: LTR, 1998.

VILLARI, Luigi. Th e fascist experiment. Nova York: Faber e Gwyer, 1972.

WOOD, Ellen Meiksins. Trabalho, classe e Estado no capitalismo global. In: LEHER, Roberto; SETÚBAL, Mariana (Org.). Pensamento crítico e movimentos sociais: diálogos para uma nova práxis. São Paulo: Cortez, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v2i2.1665

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia