A judicialização do processo político e a politização do poder judiciário: uma análise da intervenção do Supremo Tribunal Federal no processo político partidário

Ana Paula de Almeida Lopes

Resumo


O presente estudo tem por objetivo analisar o controle de constitucionalidade do Supremo Tribunal Federal em relação ao processo político partidário, partindo-se da análise dos julgamentos da medida cautelar na ADIn nº 1.354, ajuizada pelo Partido Social Cristão – PSC, e da ação principal, ADIn nº 1.351, ajuizada pelo Partido Democrático Trabalhista – PDT e pelo Partido Comunista do Brasil – PC do B, com o objetivo de impedir a vigência da cláusula de barreira, prevista no artigo 13 da Lei nº 9.096/95 – Lei dos Partidos Políticos. Ambos os julgamentos tiveram votações unânimes, apesar das divergentes decisões. Com efeito, no julgamento do pedido liminar, na ADIn nº 1.354, julgada em 1996, indeferiu-se a declaração de inconstitucionalidade da cláusula de barreira. No entanto, em dezembro de 2006, no julgamento da ADIn nº 1.351, foi julgado o seu deferimento. A partir disso, para avaliar as implicações jurídicas e políticas dessas decisões para a democracia brasileira, são investigados dois efeitos: a judicialização da política e a politização da justiça. O primeiro, basicamente, caracteriza-se pela intervenção do Supremo na arena política, e o segundo pela influência de fatores políticos externos que influenciaram a decisão do Supremo nos dois julgamentos. Assim, por meio desse panorama, busca-se ponderar o impacto político do STF na definição das regras do regime democrático não apenas como “guardião da Constituição Federal”, o que implica certa neutralidade nas suas decisões, mas também pela influência de questões de conveniência política decorrentes da composição do governo federal e do Congresso Nacional. Por fim, conclui-se que ambas as decisões do Supremo, em períodos distintos, 1996 e 2006, foram instrumentais, ou seja, de acordo com as necessidades políticas do governo para manter e /ou aumentar a sua base governista em situações específicas.

Texto completo:

Texto completo

Referências


ARAÚJO, A.; MAGALHÃES, P. C. A justiça constitucional: uma instituição contra as maiorias? Análise Social: Revista do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, Lisboa, v. 35, p. 207-247, 2000. Disponível em: http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1218810451D6gVF8jb0Dg12PO1.pdf. Acesso em: 6 nov. 2008.

AZEVEDO, Plauto Faraco de. Da politicidade do poder judiciário. Notícia do Direito Brasileiro, Brasília, n. 10, p. 49-60, jan. 2005.

BISCHOFF, Álvaro Walmrath; AXT, Gunter; SEELIG, Ricardo Vaz. Histórias de vida do Ministério Público do Rio Grande do Sul: a Constituinte de 1988. Porto Alegre: Procuradoria-Geral de Justiça, Memorial do Ministério Público, 2006.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade. Partido Social Cristão e Congresso Nacional. ADIn n° 1.354-8. Tribunal Pleno. Relator: Ministro: Maurício Corrêa. Brasília, 7 de fevereiro de 1996. Disponível em: http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/publicacaoRTJ/anexo/206_1.pdf. Acesso em: 9 jul. 2008.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação direta de inconstitucionalidade. Partido Comunista do Brasil e Congresso Nacional. ADIn nº 1.351-3. Tribunal Pleno. Relator: Ministro Marco Aurélio. Brasília, 30 de março de 2007. Disponível em: http://www.stf.jus.br/imprensa/pdf/votoerosadi1351.pdf. Acesso em: 9 jul. 2008.

CAPPELLETTI, Mauro. Juízes legisladores? Porto Alegre: S. A.Fabris, 1999.

CAPPELLETTI, Mauro. O controle de constitucionalidade das leis no direito comparado. Porto Alegre: S. A. Fabris, 1984.

CARVALHO, Ernani Rodrigues. Em busca da judicialização da política no Brasil: apontamentos para uma nova abordagem. Revista de Sociologia Política, Curitiba, n. 23, p. 115-126, nov. 2004.

CASTRO, Marcos Faro de. O Supremo Tribunal Federal e a judicialização da política. São Paulo, 2009. Disponível em: http://www.anpocs.org.br/portal/publicacoes/rbcs_00_34/rbcs34_09.htm. Acesso em: 28 ago. 2010.

CITTADINO, Gisele. Judicialização da política, constitucionalismo democrático e separação de poderes. In: WERNECK VIANNA, Luiz (Org.). A democracia e os três poderes no Brasil. Belo Horizonte: UFMG, Rio de Janeiro: IUPERJ/FAPERJ, 2002. p. 17-42.

CITTADINO, Gisele. Pluralismo, direito e justiça distributiva: elementos da filosofia constitucional contemporânea. 3 ed. Rio de Janeiro: Lumen Júris, 2004.

CRUZ, Álvaro Ricardo de Souza. Breve histórico do Supremo Tribunal Federal e do controle de constitucionalidade brasileiro. In: SAMPAIO, José Adércio Leite. Crise e desafios da Constituição. Belo Horizonte: Del Rey, 2003. p. 201-254.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Constituição e governabilidade: ensaio sobre a (in)governabilidade brasileira. São Paulo: Saraiva, 1995.

HABERLE, Peter. Hermenêutica constitucional: a sociedade aberta dos intérpretes da Constituição: contribuição para a interpretação pluralista e “procedimental” da Constituição. Tradução Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: S. A. Fabris, 1997.

MACHADO, Sérgio. Reforma político-partidária. Brasília: Senado Federal, 1998. Relatório Final.

MAINWARING, Scott P. Sistemas partidários em novas democracias: o caso do Brasil. Tradução Vera Pereira. Porto Alegre: Mercado Aberto, 2001.

MENDES, Gilmar Ferreira. Jurisdição Constitucional: o controle abstrato de normas no Brasil e na Alemanha. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 1999.

OLIVEIRA, Vanessa Elias de. Judiciário e privatizações no Brasil: existe uma judicialização da política? DADOS: revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 48, n. 3, p. 559-587, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/dados/v48n3/a04v48n3.pdf. Acesso em: 13 jul. 2008.

SANTOS, Fabiano. Em defesa do presidencialismo de coalizão. In: SOARES, G. A. D.; RENNÓ, L. (Org.). Reforma política: lições da história recente. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2006. p. 281-295.

SANTOS, Marcelo Paiva dos. A história não contada do Supremo Tribunal Federal. Porto Alegre: S. A. Fabris, 2009.

SOUZA, Amaury de; LAMOUNIER, Bolívar. O futuro da democracia: cenários político-institucionais até 2022. Estudos Avançados, São Paulo, v. 20, n. 56, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br. Acesso em: 9 jul. 2008.

TAVARES FILHO, Newton. Democratização do processo de nomeação dos ministros do Supremo Tribunal Federal. Brasília: Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados, 2006. Disponível em: http://apache.camara.gov.br/portal/arquivos/Camara/internet/publicacoes/estnottec/tema6/2006_469.pdf. Acesso em: 21 out. 2008.

TAVARES, José Antônio Giusti. Reforma política e retrocesso democrático: agenda para reformas pontuais no sistema eleitoral e partidário brasileiro. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1998.

VIANA, João Paula Saraiva Leão. Reforma política: cláusula de barreira na Alemanha e no Brasil. Porto Velho: EDUFRO, 2006.

VIANNA, Luiz Werneck et al. A judicialização da política e das relações sociais no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v1i2.1272

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia