A geoeconomia do etanol: as condicionantes e as oportunidades para a consolidação de um mercado global 10.5102/uri.v13i2.3570

Emily Aparecida Ferreira Brandão

Resumo


Há uma potencial demanda crescente pelos biocombustíveis ditada, sobretudo, por Estados Unidos e União Europeia que na última década estabeleceram metas para o consumo de combustíveis renováveis. No entanto, o mercado global para os biocombustíveis ainda não se consolidou, em função das diversas barreiras técnicas e protecionistas que condicionam a sua formação. Em contrapartida, superando-se essas barreiras, há oportunidades claras de se explorar etanol de primeira geração produzido a partir de cana-de-açúcar, enquanto se desenvolvem tecnologias para a produção economicamente viável de biocombustíveis de segunda geração. Diante disso, o objetivo deste artigo é analisar a geopolítica do etanol, considerando as condicionantes e as oportunidades para a ampliação desse mercado e também a África como uma fronteira para a diplomacia brasileira. Observou-se que a política diplomática brasileira de internacionalização do etanol perdeu força ao longo do governo Dilma Rousseff, enfraquecendo o projeto brasileiro de se tornar uma força hegemônica do etanol no mundo.

Palavras-chave


geopolítica; etanol; diplomacia brasileira; África

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5102/uri.v13i2.3570

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1807-2135 (impresso) - ISSN 1982-0720 (on-line) - e-mail: universitas.rel@uniceub.br

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia