Descolonialismo e o direito internacional privado na América latina : desvendando novos paradigmas

Eduardo Biacchi Gomes, Luis Alexandre Carta Winter

Resumo


: Direito Internacional Privado, também denominado de conflito de leis no espaço, em sua concepção tradicional tem por objetivo definir os critérios de conexão resolver as relações jurídicas conectadas entre dois sistemas jurídicos. Sua construção possui nítida influência da visão europeia e, de certo ponto, norte-americana, através da escola anglo-saxônica. A hipótese central do presente artigo, utilizando-se do método de abordagem o dialético e de procedimento, o método histórico-comparativo, versa, de um lado, sobre a evolução do direito internacional privado clássico, e, de outro, sob a perspectiva latino-americana e dentro de uma perspectiva descolonial. A novidade da pesquisa consiste em investigar a questão de acordo com paradigmas do descolonialismo e da interculturalidade sem abandonar a perspectiva eurocêntrica da construção do direito internacional privado. Há que se lembrar que a América Latina possui interessantes experiências nesta perspectiva, especialmente no que diz respeito à própria humanização do Direito Internacional Privado e também em relação aos critérios uniformizadores das normas.

Palavras-chave


descolonialismo, américa latina, uniformização, direito internacional privado, eurocentrismo

Texto completo:

PDF

Referências


BARIÉ GREGOR, Cletus. Derecho indígena y medios alternativos de resolución de conflictos. Revista Latinoamericana de Estudios de Seguridad. N. 3, 2008, Disp. em: http://revistas.flacsoandes.edu.ec/urvio/article/view/110-118, acesso em 21 de janeiro de 2017.

BARBOSA, Luiza Nogueira; MOSCHEN, Valesca Raizer Borges. O direito transnacional (“global law”) e a crise de paradigma do estado-centrismo: é possível conceber uma ordem jurídica transnacional? Revista de Direito Internacional, Brasília, v. 13, n. 3, 2016 p. 145-158, Disp. em: https://www.publicacoesacademicas.uniceub.br/rdi/article/view/4155/pdf. Acesso em 13 de janeiro de 2019.

CALÇADO TRINDADE, Antonio Augusto, Direito das Organizações Internacionais, 6ª.ed., ed. Del Rey: BH, 2014.

CIDIP http://r.search.yahoo.com/_ylt=A0LEVvU2I0laFU0A594f7At.;_ylu=X3oDMTByOHZyb21tBGNvbG8DYmYxBHBvcwMxBHZ0aWQDBHNlYwNzcg--/RV=2/RE=1514771383/RO=10/RU=http%3a%2f%2fscm.oas.org%2fdoc_public%2fPORTUGUESE%2fHIST_04%2fCP12514P08.doc/RK=2/RS=7CVKu6Lpb5ZjpAxUEP3O4.h8RWc- acesso em 30 de dezembro de 2017

DELMAS-MARTY, Mireille. Por um direito comum. Editora Martins Fontes: São Paulo, 2004.

DOLINGER Jacob e TIBÚRCIO Carmen. Direito Internacional Privado, 12a.ed. RJ:Forense, 2016.

ELIAS, Fernando Lopes Ferraz. A internacionalização do direito a partir de diferentes fenômenos privados de construção normativa. Revista de Direito Internacional, Brasília, v. 11, n 1, 2013, pp. 116 a 133. Disp. em: https://www.publicacoesacademicas.uniceub.br/rdi/article/view/2854, acesso em 12 de janeiro de 2019l

GOMES, Eduardo Biacchi. Blocos Econômicos e Solução de Controvérsias. Juruá: Curitiba, 3a. Ed., 2010.

JAEGER JÚNIOR, Augusto. Europeização do Direito Internacional Privado. Caráter Universal da Lei Aplicável e outros contrastes com o Ordenamento Jurídico Brasileiro. Juriá:Curitiba, 2012.

JAIME, ERIK. O direito internacional privado do novo milênio; a proteção da pessoa humana face à globalização. Pp. 3 e ss. In. O novo direito internacional privado. Estudos em homenagem a Erik Jaime. Editora Renovar:Rio de Janeiro, 2005.

MARTINS, Paulo Henrique. Sur y el Norte como experiências epistemológicas necesarias a la descolonidad. Estudos de Sociologia. Ver. do Progr. de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE, v. 16 n. 2, p. 73-96, disp. em

http://www.revista.ufpe.br/revsocio/index.php/revista/article/view/117, acesso em 21 de janeiro de 2017.

MIGNOLO, Walter D. La colonialidad: la cara oculta de la modernidad. in Desobediencia epistémica. Retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. Ediciones del Siglo:Buenos Aires, 2010. Disp. em http://www.macba.es/PDFs/walter_mignolo_modernologies_cas.pdf, acesso em 21 de janeiro de 2017.

RODAS, José Grandino; MONACO, Gustavo Ferraz de Campos. A Conferência da Haia de Direito Internacional Privado: a participação do Brasil. FUNAG:Brasília, 2007.

RAMOS, ANDRÉ DE CARVALHO. Direito Internacional Privado de matriz legal e sua evolução no Brasil. Revista da AJURIS v. 42, n. 137, março 2015. Pp. 89 a 113. Disponível em:

http://www.ajuris.org.br/OJS2/index.php/REVAJURIS/article/view/378, acesso em 12 de julho de 2017.

RAMOS, André de Carvalho. Direito internacional privado e o direito transnacional: entre a unificação e a anarquia. Revista de Direito Internacional, Brasília, v. 13, n. 12,, 2016. Pp. 504 a 520), Disp. em https://www.publicacoesacademicas.uniceub.br/rdi/article/view/4169/0, acesso em 13 de janeiro de 2019.

SAGVINY. Friedrich Carl Von. https://archive.org/details/privateinternat00guthgoog Acesso em 08.09.2017

SCHIOPPA, Antonio Padoa. História do Direito da Europa, 1a.ed. Trad. Marcos Marcionilo. SP: Martins Fontes, 2014

WALSH, Catherine. Interculturalidad, conocimientos y descolonialidad. In. Revista: Espaço, Tiempo y sujetos de la multi(inter)culturalidad. Vol. 24. N. 46, 2006, pp. 39-50. Disp. em: http://revistas.javeriana.edu.co/index.php/signoypensamiento/article/viewFile/4663/3641, acesso em 21 de janeiro de 2017.

WOLKMER, Antonio Carlos. Pluralismo Jurídico. Fundamentos de uma nova cultura do direito. Editora Alfa Ômega:São Paulo, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rdi.v16i1.5907

ISSN 2236-997X (impresso) - ISSN 2237-1036 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia