ESTIMATIVA REMOTA DA CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO DO RESERVATÓRIO DO DESCOBERTO

Tairone Urcino Oliveira, Bruno Collischonn

Resumo


O reservatório do Descoberto, principal manancial para abastecimento público de água do
Distrito Federal sofreu grandes oscilações de níveis de água nos últimos dois anos em virtude
da crise hídrica. A urbanização, a alteração do uso do solo na bacia hidrográfica e a possível
deposição de sedimentos, levaram a dúvidas quanto a real capacidade de armazenamento
hídrico do reservatório, uma vez que o último levantamento de sua capacidade foi realizado
no ano de 2002. Neste estudo, propõe-se uma forma mais rápida e econômica de cubar
reservatórios de regularização, por meio do sensoriamento remoto. A curva cota-área-volume
pode ser obtida com base na integração da área do reservatório extraída de uma sequência
de imagens de satélite com os dados de nível de água. Aplicou-se a técnica para o reservatório
do Descoberto, e a curva resultante nesse estudo foi comparada com a curva obtida no último
levantamento batimétrico, de forma a estimar o assoreamento no período. Comparou-se o
resultado com uma estimativa teórica do assoreamento, obtida de métodos consagrados,
como o uso conjunto do mapa de produção potencial de sedimentos e a curva de Brune. Os
resultados mostram que não houve assoreamento expressivo no período, ao contrário do que
o senso comum sugeria. Este resultado foi confirmado pelas estimativas teóricas realizadas,
bem como por análises visuais em campo


Palavras-chave


Sensoriamento remoto. Curva cota-volume. Assoreamento.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5102/pic.n3.2017.5772

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia