AVALIAÇÃO DO IMPACTO DO RUÍDO AERONÁUTICO NO ENTORNO DO AEROPORTO DE BRASÍLIA

Patrícia dos Reis de Morais, Raphaella de Souza Serapião Amorim, Edson Benício de Carvalho Júnior

Resumo


O presente estudo avaliou o impacto do ruído aeronáutico no entorno do Aeroporto
Internacional de Brasília, após a implementação das operações simultâneas nas suas cabeceiras.
Esse aeroporto tornou-se o primeiro aeroporto da América do Sul a operar com as quatro
cabeceiras independentes. O método foi sustentado em simulações de curvas de ruído e
elaboração de mapas de ruído. Para a simulação foi utilizada a metodologia descrita no
Regulamento Brasileiro da Aviação Civil 161 de 2013 com uso da métrica acústica DNL (daynight
average sound level) que representa o nível de ruído médio em um período de 24h. O
software utilizado foi o INM 7.0d e o output gerado foi exportado para um software SIG para
elaboração dos mapas de ruído. Os dados necessários para a realização da pesquisa foram
fornecidos pela operadora do aeroporto – INFRAMERICA. Foram realizadas simulações para
dois cenários. O primeiro para o mês de março de 2017 onde ocorreram operações de pouso e
decolagem no formato padrão, ou seja, as movimentações de pouso ocorrem preferencialmente em uma pista e as de decolagem na outra pista. O segundo cenário foi para março de 2018 onde ocorreram somente operações simultâneas nas quatro cabeceiras. As áreas das curvas de ruído geradas foram comparadas e o total de movimentações foi de 13.366 (março 2017) e 13.260(março 2018) movimentações/mês. A frota de aeronaves utilizada foi a mesma nos doiscenários variando somente os percentuais de operação das aeronaves. Embora o total demovimentos seja praticamente o mesmo nos dois cenários, o cenário de operações simultâneastrouxe mudanças no percentual de uso em todas as cabeceiras. Essas alterações podem serdevidas a condições meteorológicas especificas. Em relação às pistas, foi observado umpercentual maior de utilização da pista 2 (11R/29L), mais próxima ao Park Way, em relação à pista 1 (11L/29R), próxima ao Lago Sul, nos dois cenários. Talvez explique essa concentração
na pista 2 um número maior de voos com destino às principais cidades do Sudeste e Sul do país que decolam preferencialmente dessa pista. Analisando os mapas de ruído elaborados foi
observado que o cenário 2 resultou em poucas alterações na comparação entre as áreas das
curvas de ruído com o cenário 1. Desse modo, não se observou mudanças expressivas de
aumento da população exposta ao ruído aeronáutico no interior dessas curvas. Dessa forma, a
alteração da configuração de operação, baseada no cenário 1 para o cenário 2, não resultou em
impactos expressivos de ruído aeronáutico nas áreas circunvizinhas ao Aeroporto de Brasília.
Todavia, verificou-se uma população exposta significativa ao ruído aeroviário nas DNL’s 55 e
60, ou seja, essas curvas atingem regiões de Taguatinga, Samambaia, Riacho Fundo, Setor de
Mansões Dom Bosco e Lago Sul. Essas curvas de ruído ainda estão fora das restrições de uso
e ocupação do solo indicados no RBAC 161. Apesar de serem compatíveis com o uso
residencial, o ruído aeronáutico nessas regiões é percebido pelos moradores podendo gerar
reações. Portanto, as áreas sob essas curvas devem ser incluídas em estudos de impactos
ambientais


Palavras-chave


Ruído aeronáutico. Zoneamento Sonoro. Mapas de ruído. Impacto ambiental.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5102/pic.n3.2017.5768

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia