MÉTODOS NÃO DESTRUTIVOS E SEMI-DESTRUTIVOS NA AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

Andressa Lemos, Neusa Mota

Resumo


Brasília tem mais de 50 anos e existe uma preocupação em relação as estruturas
de concreto armado das edificações, sendo necessário estudos sobre a
deterioração ao longo da vida útil e durabilidade das referidas estruturas. O objetivo
desta pesquisa consiste em estudar os métodos não destrutivos e semi-destrutivos
aplicados em estruturas de concreto armado, com mais de 30 anos de idade,
localizadas no Plano Piloto de Brasília - DF, a fim de avaliar a deterioração e as
anomalias da estrutura, baseado na corrosão de armaduras, resistência a
compressão e fissuração. Foram realizados ensaios de medida da frente de
carbonatação, com uso da fenolftaleína; dureza superficial pelo esclerômetro,
resultando na previsão de resistência a compressão do concreto; medida de
cobrimento e bitolas de aço das estruturas de concreto armado, com a técnica de
detecção eletromagnética com o pacômetro; velocidade de pulso ultrassônico para
análise de fissuração do concreto; e, resistência à compressão do concreto, em
laboratório, a partir de testemunhos extraídos. Os ensaios foram executados em
duas edificações, a pública, com o objetivo de obter o levantamento da estrutura
para realização de reforma mantendo as suas características originais; e, a outra
edificação, privada, com o objetivo de obter o diagnóstico das causas das
manifestações patológicas. Ao final, baseado na vistoria e ensaios, obteve-se
resultados satisfatório de acordo com os respectivos objetivos, além da
possibilidade de análise conjunta entre os ensaios realizados em cada estrutura.
Para a edificação pública obteve-se índice esclerométrico mínimo de 29,5 e
resistência à compressão do concreto média de 22,1 MPa, não sendo observadas
fissuras e nem corrosão de armaduras na sua estrutura. Na edificação privada temse
presença de fissuração em vigas, ausência de corrosão de armaduras em vigas
e pilares e índice esclerométrico mínimo em vigas de 41,5 e resistência à
compressão média de 39,8 MPa. Concluiu-se que as edificações não apresentaram,
ao longo da vida útil, deterioração precoce, e que a pública necessitará de reforço
estrutural, devido a execução de reformas, e de recuperação das anomalias
pontuadas. A edificação privada demandará recuperação das fissuras estruturais
nas vigas bem como, instalação de proteção térmica na cobertura para redução da
temperatura, principal causa da fissuração estrutural. Com relação aos
equipamentos utilizados na pesquisa, pode-se concluir que o pacômetro e o ultrasom
se mostraram adequados ao estudo proposto, no que se refere a tecnologia de
detecção de armaduras e condições de fissuração dos elementos estruturais


Palavras-chave


Ensaios não destrutivos. Ensaios semi-destrutivos. Concreto armado

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5102/pic.n2.2016.5526

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia