Análise dos paradigmas da política pública dos medicamentos genéricos no Brasil -doi10.5102/unijus.v23i2.2034

Pablo Zuniga Dourado

Resumo


O conceito de paradigma científico de Thomas S. Kuhn aliado à perspectiva de política pública como um processo de Enrique Saravia e a definição de um modelo de avaliação podem colaborar para uma melhor forma de análise da política pública dos medicamentos genéricos no Brasil. Analise de dois paradigmas identificados no Brasil sobre a política de medicamentos genéricos de modo imparcial, a fim de verificar se cumprem suas finalidades. Apontam-se as virtudes e falhas de cada um dos paradigmas para que se mostre o desenho mais claro e isento possível da política. Definição do modelo de análise adotado a fim de facilitar o seu entendimento e a sua finalidade. Os dois paradigmas serão avaliados de acordo com o modelo lógico – planos cognitivo, normativo e operacional –, a fim de averiguar se seus objetivos estão sendo cumpridos, assim como de identificar defeitos e virtudes na execução dos programas. Avaliação do paradigma dos medicamentos patenteados e dos medicamentos genéricos.

Palavras-chave


paradigma científico, política pública, processo, análise imparcial, modelo, planos cognitivo, normativo e operacional, medicamentos patenteados, medicamentos genéricos.

Texto completo:

Texto completo


DOI: http://dx.doi.org/10.5102/unijus.v23i2.2034

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1519-9045 (impresso) - ISSN 1982-8268 (on-line) - e-mail: carolina.abreu@uniceub.br

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia