Horizontes de uma ciência poética: o cinismo e a dor do mundo em Fernando Pessoa e Peter Sloterdijk

Guilherme Di Angellis da Silva Alves

Resumo


Este artigo discute as ideias de cinismo e dor de mundo na obra de Fernando Pessoa e Peter Sloterdijk. A partir de uma visão psicanalítica do artista como mediador e como profeta, aproxima filosofia e comunicação poética, adotando os conceitos abertura, aberto e ser-com, de Heidegger. Sendo a poesia capaz de efetuar a abertura necessária à inovação no pensamento, ela permitiria mostrar aos homens uma verdade contida e revelada na palavra, pelo exercício do pensamento. Discute, com isso, o papel desta forma de comunicação como produtora de verdade e ampliadora do real e os horizontes de uma ciência poética.

Palavras-chave


Sloterdijk; Bernardo Soares; Álvaro de Campos; Crítica da Razão Cínica; filosofia e poesia.

Texto completo:

Texto completo


DOI: http://dx.doi.org/10.5102/uc.v12i1.3326

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2175-7461 (impresso) - ISSN 2179-488X (on-line) - e-mail: joana.bicalho@uniceub.br

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia